PERFIL SOCIOECONÔMICO, DEMOGRÁFICO E INDICATIVO DE DEPRESSÃO EM MULHERES SUBMETIDAS À MASTECTOMIA NO PÓS-OPERATÓRIO TARDIO

Jaciara Tiago Antunes Alvarenga, Nayara Paula Fernandes Martins Molina, Grazielle Riceto Dias Silva, Lilane Maria Alves Silva, Leiner Resende Rodrigues

Resumo


Objetivos: descrever as características socioeconômicas e demográficas, e avaliar a presença de indicativo de depressão em 30 mulheres mastectomizadas no pós-operatório tardio. Métodos: pesquisa quantitativa e transversal realizada no Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba – MG. Utilizou-se o Inventário de Depressão de Beck e para a caracterização geral, instrumento elaborado pelas autoras. Resultados: a média de idade foi 63,4 anos; maioria viúvas; escolaridade entre 1 a 4 anos; dois filhos; composição familiar de 2 e 3 pessoas; residentes em casa própria; religião católica; maior parte aposentada ou pensionista; e renda de 01 salário mínimo. Quanto às variáveis de saúde: sem antecedente de doença mental; não realização de acompanhamento psicológico; sem dificuldade para executar tarefas domésticas; sem reconstrução de mama. A média no Inventário de Depressão de Beck foi 15,3±11,04 pontos. Conclusão: o estudo contribuiu para elucidar as características sociodemográficas e de saúde das mulheres mastectomizadas tardiamente.


Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Controle do câncer de mama: documento de consenso. Instituto Nacional do Câncer [Internet]. Rio de Janeiro, 2004. [Cited 2015 May 10]. Disponível em: http://www.inca.gov.br/publicacoes/Consensointegra.pdf

Silva, ACC, Anjos, AT, Mascarenhas, IR. Perfil Epidemiológico de Mulheres que Realizaram Mastectomia em uma Unidade-Referência em Salvador – Bahia. Rev. Bras. de Saúde Funcional, Bahia, junho 2014, 1(1): p.31-41.

Gomes, NS, Silva, SR. Avaliação da autoestima de mulheres submetidas à cirurgia oncológica mamária. Texto Contexto Enferm. Florianópolis,2013.22(2): p.509-16.

Brito, JS, Marcelino, JFQ. Desempenho ocupacional de mulheres submetidas à mastectomia. Cad. Terap. Ocup. São Carlos, 2014. 22 (3): p. 473-85.

Majewski, JM, Lopes, ADF, Davoglio, T, Leite, JCC. Qualidade de vida em mulheres submetidas à mastectomia comparada com aquelas que se submeteram à cirurgia conservadora: uma revisão de literatura. Cienc. Saúde Coletiva. Porto Alegre,2012,17(3): p.707-16.

Seara, LS, Vieira, RX, Pechorro, PS. Função sexual e imagem corporal na mulher mastectomizada. Rev. Intern. de Andrologia, 2012, 10(3): p.106-12.

Ribeiro, FE, Palma, MR, Araujo, MF, Egydio, CA, Peixoto, LN, Pelai, EB, et al. Perfil físico e emocional de mulheres pós-cirurgia de câncer de mama. Rev. Colloquium Vitae, São Paulo, maio 2014, 6(2): p. 102-108.

World Health Organization (WHO). Salud mental y desarrollo: Poniendo el objetivo en las personas con problemas de salud mental como un grupo vulnerable. [Internet] 2010. [Cited 2015 Jun 10]. Disponível em:

Santichi, EC, Benute, GRG, Juhas, TR, Peraro, EC, Lucia, MCS. Rastreio de sintomas de ansiedade e depressão em mulheres em diferentes etapas do tratamento para o câncer de mama. Rev. SBPH, São Paulo, janeiro 2012, 10(1): p.42-67.

Gorestein, C, Andrade, L. Validation of a Portuguese version of the Beck Depression Inventory and the StateTrait Anxiety Inventory in Brazilian subjets. Braz. J. Med. Biol. Res, São Paulo,1996, 29(4): p.453-7

Caporossi, JAM, Ribeiro, HS, Morinigo,T, Campos, A, Fabrizío, L. Mastectomia e a incidência de transtorno de estresse pós-traumático. Psicol. saúde doenças. Cuiabá, 2014. 15 (3): p.800-15.

Sousa, ALV, Ana, GS, Costa, ZMB. Análise da qualidade de vida em mulheres mastectomizadas atendidas no ambulatório do HBDF. Rev. Bras. Ci. Saúde, Distrito Federal, Jun. 2014, 25,(1):p. 13-24.

Gasparelo, C, Sales, CA, Marcon, SS, Salci, MA. Percepções de mulheres sobre a repercussão da mastectomia radical em sua vida pessoal e conjugal. Rev. Cienc. Cuid. em Saúde. Maringá, 2010. 9(3): p. 535-42.

Haddad, NC, Carvalho, ACA, Novaes, CO. Perfil sociodemográfico e de saúde de mulheres submetidas à cirurgia para câncer de mama. Rev. HUPE, Rio de Janeiro, julho 2015,14(1): p.28-35.

Ibiapina, ARS, Maia, JM, Silva, LDC, Fernandes, MA, Filho, AAIC, Fernandes, RO. Aspectos psicoemocionais de mulheres pós-mastectomizadas participantes de um grupo de apoio de um hospital geral. Rev. Interdisciplinar, Teresina, agosto 2015, 8 (3): p.135-142.

Fernandes, AFC, Bonfim, IM, Araújo, IMA, Silva, RM, Barbosa, ICFJ, Santos, MCL. Significado do cuidado familiar á mulher mastectomizada. Rev. Escola Anna Nery. Fortaleza, 2012. 16(1): p.27-33.

Silva, SED, Vasconcelos, EV, Santana, E, Araujo, SJS, Valente, T, Oliveira, JB, et al. Câncer de mama uma doença temida: Representações sociais de mulheres mastectomizadas. Rev. G&S, Belém do Pará, fev-mar.2012, 3(2):p.731-42.

Furlan, VLA, Neto, MS, Abla, LEF, Oliveira, CJR, Lima, AC, Ruiz, BFO, et al. Qualidade de vida e autoestima de pacientes mastectomizadas submetidas ou não a reconstrução de mama. Rev. Bras. Cir. Plást. São Paulo, fevereiro 2013, 28 (2): p.264-9.

Giardini A, Pisoni C, Giorgi I. ICF, quality of life, and depression in breast cancer: Perceived disability in disease-free women 6 months after mastectomy. Support Care Cancer. 2013. 21:2453-60.

Soares, SGSC, Albuquerque, JOL. Intervenção do enfermeiro no tratamento quimioterápico de mulheres com câncer de mama. Revista Saúde em Foco, Teresina, jul.2014, 1(1): p. 29-45.




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v7i2.1846

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/