GESTAÇÃO NA ADOLESCÊNCIA E AUTOESTIMA

Lara Cristina Alves Damacena, Danilo César dos Anjos Pinheiro, Juliana Gonçalves Silva de Mattos, Nathália Silva Gomes

Resumo


Objetivo: Avaliar a autoestima de gestantes adolescentes. Método: Estudo descritivo, quantitativo e transversal realizado com gestantes adolescentes atendidas em Unidades Básicas de Saúde de um município no interior de Minas Gerais. Participaram da pesquisa 12 mulheres, excluindo-se aquelas que apresentaram patologia física e/ou neurológica e/ou obstétrica. Utilizou-se um instrumento relativo ao sociodemográfico e outro para avaliação da autoestima, a Escala de Rosenberg. Os resultados foram analisados por meio de medidas estatísticas descritivas. Resultados: A maioria das gestantes tinha entre 15 e 19 anos, com união estável, ensino médio completo, renda familiar de um a dois salários mínimos, não trabalhavam e moravam em casas alugadas com o companheiro. Todas foram classificadas com autoestima insatisfatórias. Conclusão: A autoestima, por interferir nos cuidados da mãe para com seu filho, deve ser quantificada e analisada pelos profissionais de saúde de modo a prevenir transtornos mentais que possam surgir em decorrência de uma baixa autoestima.


Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Dias PMM, Oliveira JM, Lustosa AP, Lima HKLS, Moreira KAP, Pereira TM. Repercussões da gravidez na adolescência na vida da mulher adulta. Revista Rene. 2017; 18(1):106-113.

Silva AAA, Andrade MS, Silva RS, Evangelista TJ, Bittencourt IS, Paixão GPN. Fatores associados à ocorrência da gravidez na adolescência em uma maternidade escola: estudo caso-controle. Caderno de Saúde Pública. 2013; 29(3):496-506.

Pereira LP, Liz M, Assunção PEV. Diagnóstico da gestação na adolescência no Sul de Goiás. Revista da Universidade Valle do Rio Verde. 2017; 15(2):800-811.

Brito D. Gravidez precoce ainda é alta, mostram dados. 2017. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/especiais/especial-cidadania/gravidez-precoce-ainda-e-alta-mostram-dados. Acesso em 25 mar. 2018.

Meireles JFF, Neves CM, Carvalho PHB, Ferreira MEC. Imagem corporal de gestantes: associação com variáveis sociodemográficas, antropométricas e obstétricas. Rev Bras Ginecol Obstet. 2015; 37(7):319-324.

Gomes NS, Silva SR. Avaliação da autoestima de mulheres submetidas à cirurgia oncológica mamária. Revista Texto e Contexto – enfermagem {online}. 2013; 22(2):509-516.

Dini GM, Quaresma MR, Ferreira LM. Adaptação cultural e validação da versão brasileira da escala de autoestima de Rosenberg. Rev Soc Bras Cir Plást 2004; 19(1):41-52.

Dados do Ministério da Saúde mostram redução no número de adolescentes grávidas, 2017. Disponível em: https://www.revistaencontro.com.br/canal/atualidades/2017/05/dados-do-ministerio-da-saude-mostram-reducao-no-numero-de-adolescentes.html. Acesso em 28 mar. 2018.

Patias ND, Dias ACG. Sexarca, informação e uso de métodos contraceptivos: comparação entre adolescentes. Psico-UFS {online}. 2014; 19(1):13-22.

Brasil. Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Guia de sugestões de atividades. Semana Saúde na Escola. Sexualidades e Saúde Reprodutiva. Brasília: Editora do Ministério da saúde, 2015. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_sugestoes_atividades_semana_saude_escola_sexualidades_reprodutiva.pdf. Acesso em: 01 mar 2018.

Buedgens BB, Zampieri MFM. A adolescente grávida na percepção de médicos e enfermeiros da atenção básica. Escola Anna Nery. 2012; 16(1); 64-72.

Santos RCAN, Silva RM, Queiroz MVO, Jorge HMF, Brilhante AVM. Realities and perspectives of adolescent mothers in their first pregnancy. Rev Bras Enferm [Internet]. 2018; 71(1):65-72.

Nery IS, Gomes KRO, Barros ID, Gomes IS, Fernandes ACN, Viana LMM. Fatores associados à reincidência de gravidez após gestação na adolescência no Piauí, Brasil. Revista Epidemiol. Serv. Saúde [online]. 2015; 24(4):671-680.

Mattos JGS. Qualidade de vida e imagem corporal de gestantes portadoras do vírus HIV/AIDS. Uberaba-MG. Dissertação [Mestrado em Atenção à Saúde] – Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM); 2012.

Camacho KG, Vargens OMC, Progianti JM. Adaptando-se à nova realidade: a mulher grávida e o exercício de sua sexualidade. Rev. Enferm. 2010; 18(1):32-37.

Santos AB, Santos KEP, Monteiro GTR, Prado PR, Amaral TLM. Autoestima e qualidade de vida de uma série de gestantes atendidas em rede pública de saúde. Cogitare Enferm. 2015; 20(2):392-400.

Rosenberg M. Society and the adolescent self-image. Princeton, NJ: Princeton University Press; 1965.

Dias M, Silva RA, Souza LD, Lima RC, Pinheiro RT,Moraes IG. Self-esteem and associated factors in pregnant women in the city of Pelotas, Rio Grandedo Sul State, Brazil. Cad Saúde Pública. 2008; 24(12)2787-2797.

Sena RMC, Maia EMC. A utilização do constructo da autoestima nas pesquisas em saúde no Brasil: contribuições conceituais à prática clínica. Humanidades Médicas 2017; 17(2):383-395.

Maçola L, Vale IN, Carmona EV. Avaliação da autoestima de gestantes com uso da Escala de Autoestima de Rosenberg. Rev. Esc. Enferm. 2010; 44(3):570-577.




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v7i2.2884

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/