ANÁLISE ESPACIAL DA VIOLÊNCIA AUTOPROVOCADA EM ADOLESCENTES: SUBSÍDIO PARA ENFRENTAMENTO

Paula Daniella de Abreu, Firley Poliana da Silva Lúcio, Ednaldo Cavalcante de Araújo, Eliane Maria Ribeiro de Vasconcelos, Tarcisio Neves da Cunha, Claudia Benedita dos Santos

Resumo


RESUMO

Objetivo: analisar a correlação entre as taxas brutas de violência autoprovocada em adolescentes e ano de ocorrência e o padrão espacial da ocorrência dos casos notificados de violência autoprovocada em adolescentes. Método: estudo ecológico com tendência temporal, desenvolvido a partir de dados notificados no período de 2009 a 2014 referentes aos casos de violência autoprovocada em adolescentes residentes no Estado de Pernambuco, coletados por município pelo Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Os dados foram analisados com o auxílio do programa TerraView, versão 4.2.2, a partir das bases cartográficas municipais de Pernambuco e quantitativo populacional fornecidos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Resultados: obteve-se correlação linear estatística positiva entre as variáveis representadas pelas taxas brutas e ano de ocorrência, além da inexistência de associação espacial significante. Conclusões: a aplicação de abordagens integradas que considerem a situação do entorno, configura-se em importante estratégia para construção de ações em saúde.  

Descritores: Análise Espacial; Promoção da Saúde; Violência; Comportamento do Adolescente; Enfrentamento.


Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Garbin CAS, Gomes AMP, Gatto RCJ, Garbin AJI. Um estudo transversal sobre cinco anos de denúncia sobre violência contra crianças e adolescentes em Araçatuba – São Paulo. J Health Sci [Internet]. 2016 [acesso em 2017 maio 25];18(4):273-7. Disponível em: http://www.pgsskroton.com.br/seer/index.php/JHealthSci/article/view/3293

Organização das Nações Unidas. Objetivos de Desenvolvimento Sustentável [Internet]. 2017 [cited 2017 Mai 16] Available from: https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/

United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization (UNESCO). School Violence and Bullying: Global Status Report. Seoul, Republic of Korea: UNESCO: 2017.

Garbin CAS, Dias IA, Rovida TAS, Garbin AJI. Desafios do profissional de saúde na notificação da violência: obrigatoriedade, efetivação e encaminhamento. Cienc Saúde Coletiva [Internet]. 2015 [acesso em 2017 maio 25];20(6):1879-90. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232015000601879&script=sci_abstract&tlng=pt

Crosby AE, Ortega L, Melanson C. Self-directed violence Surveillance: Uniform Definitions and Recomended Data Elements, version 1.0. Atlanta (GA): Centers of Disease Control and Prevention, National Center for Injury Prevention and Control; 2011.

Monteiro RA, Bahia CA, Paiva EA, Sá NNB, Minayo MCS. Hospitalizações relacionadas a lesões autoprovocadas intencionalmente – Brasil, 2002 a 2013. Ciência & Saúde Coletiva [internet]. 2015 [acesso em 2017 maio 25];20(3):689-700. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v20n3/pt_1413-8123-csc-20-03-00689.pdf

Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul. [Homepage]. Nota informativa sobre Jogo da Baleia Azul. 2017. [acesso em 2017 maio 25]. Disponível em: www.saude.rs.gov.br/nota-informativa-sobre-jogo-da-baleia-azul

Muller EPL, Cubas MR, Bastos LC. Georreferenciamento como instrumento de gestão em unidade de saúde da família. Rev Bras Enferm [Internet]. 2010 [cited 2017 Jul 29];63(6):978-982. Available from: http://www.scielo.br/pdf/reben/v63n6/17.pdf

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) [homepage na internet]. TERRAVIEW 4.2.2. 2010. [cited 2017 jun 15]. Available from: http://www.dpi.inpe.br/terraview/index.php

Honorato T, Lapa PPA, Sales CMM, Reis-Santos B, Tristão-Sá R, Bertolde AI et al. Análise espacial do risco de dengue no Espírito Santo, Brasil, 2010: uso de modelagem completamente Bayesiana. [Internet].Rev Bras Epidemiol. 2014 [cited 2017 jul 26];17 Supl 2:150-9. Availabe from: www.scielo.br/pdf/rbepid/v17s2/pt_1415-790X-rbepid-17-s2-00150.pdf

Nunes FG. Análise exploratória espacial de indicadores de desenvolvimento socioambiental das regiões de planejamento do norte e nordeste goiano. [Internet]. Ateliê Geográfico. 2013 [cited 2017 jul 26];7(1):237-259. Availabe from: www.revistas.ufg.br/atelie/article/view/19809

Francisco CN. Conceitos de Geoprocessamento: Sistemas de Informações Geográficas. 2ª edição. Niterói: Universidade Federal Fluminense; 2014.

Mukaka MM. Statistics Corner: A guide to appropriate use of correlation coeficiente in medical research. Malawi Med J. 2012;24(30):69-71.

Youd J. Self-harm. Nurs Stand. 2013;28(3):16.

Barroilhet S, Fritsch R, Guajardo V, Martínez V, Vöhringer P, Araya R et al . Ideas autolíticas, violencia autoinfligida, y síntomas depresivos en escolares chilenos. Rev. méd. Chile [Internet]. 2012 [cited 2017 Jul 03];140(7):873-881. Available from: http://www.scielo.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-98872012000700007&lng=es

Organização Mundial de Saúde (OMS). Relatório Mundial Sobre a Prevenção da Violência 2014 [relatório online]. São Paulo: Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo; 2015. Available from: apps.who.int/iris/bitstream/10665/145086/5/9789241564793_por.pdf

Departamento de Informática do SUS (DATASUS) [homepage na internet]. Doenças e Agravos – Violência Interpessoal/Autoprovocada [cited 2017 jun 25] Available from: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinannet/cnv/violebr.def

Self-harm. Health Education. 2009;109(5):451-9.

World Health Organization (WHO). Public Health Action for the Prevention of Suicide: a framework. Geneva: WHO; 2012.

Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 1.876, de 14 de agosto de 2006. Institui Diretrizes Nacionais para Prevenção do Suicídio, a serem implantadas em todas as unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão. Brasília: Saúde Legis, 2006.




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v7i2.2991

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/