Padronização de dietas enterais artesanais para uso domiciliar na Atenção Primária

Nyvian Alexandre Kutz, Vanilda Amaral de Souza Bonfim, Ariane Lopes Assis, Márcia Cristina Barbosa, Natália Miranda da Silva, Marcia Maria Hernandes de Abreu de Oliveira Salgueiro

Resumo


Este estudo teve por objetivo padronizar e comparar dietas enterais artesanais quanto a valor energético, densidade energética, macronutrientes e custo. Trata-se de um estudo experimental, realizado em 2014. A análise bromatológica foi realizada no Laboratório de Bromatologia e Microbiologia de Alimentos da Universidade Federal de São Paulo. Foram padronizadas três dietas considerando-se o volume diário e por refeição administrada, acrescidas ou não de fórmula enteral polimérica em pó, total de energia, densidade energética, distribuição de macronutrientes e custo diário. Entre a DIETA 1 e a DIETA 3 e entre a DIETA 2 e a DIETA 3 houve diferenças estatisticamente significantes (p<0.05) nas variáveis estudadas. As duas dietas acrescidas de fórmula enteral polimérica em pó (DIETA 1 e DIETA 2) apresentaram melhor densidade energética e distribuição de macronutrientes. Foram padronizadas três dietas enterais artesanais possíveis de serem utilizadas por pacientes em terapia enteral domiciliar.

Palavras-chave


Alimentos formulados; Análise de alimentos; Dietoterapia

Referências


Nix S. William nutrição básica e dietoterapia. 13ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2010. 584p.

Ferreira RS. Elaboração de fórmulas enterais artesanais de baixo custo adequadas em fluidez e osmolalidade. [dissertação]. Viçosa (MG): Universidade Federal de Viçosa; 2009. 98p.

Sisti LR, Phllippsen LA, Urbano LS. Formulação de dieta enteral artesanal adequada para idosos institucionalizados portadores de diabetes mellitus tipo 2 e hipertensão arterial no município de Londrina. In: VI Congresso multiprofissional em saúde; Jun-2012; Londrina, Brasil. Enigmas da dor: ação multiprofissional em saúde. Londrina: EdUnifil; 2012. p. 88-91.

Baxter YC, Waitzberg DL, Rodrigues JJG, Pinotti HW. Critérios de decisão na seleção de dietas enterais. In: Waitzberg DL., organizadores. Nutrição oral, enteral e parenteral na prática clínica. 3ed. São Paulo: Atheneu, 2000. p. 659-676.

Maurício AA, Gazola S, Matioli G. Dietas enterais não industrializadas: análise microbiológica e verificação de boas práticas de preparação. Rev Nutr. 2008; 21(1):29-37.

Santos VFN, Bottoni A, Morais TB. Qualidade nutricional e microbiológica de dietas enterais artesanais padronizadas preparadas nas residências de pacientes em terapia nutricional domiciliar. Rev Nutr. 2013; 26(2):205-14.

Batista CKB, Correia MITD, Glória MBA. Caracterização de pacientes, das dietas enterais e das orientações prescritas para uso domiciliar em centros de alta complexidade em oncologia de Belo Horizonte MG, Brasil. Rev Bras Nutr Clín. 2011; 26(3):169-74.

Araújo EM, Menezes HC. Formulações com alimentos convencionais para nutrição enteral ou oral. Food Sci Technol. 2006; 26(3):533-8.

Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional (Brasil). Princípios e diretrizes de uma política de Segurança Alimentar e Nutricional [Internet]. Brasília, DF: Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional; 2004 [citado em 18 mar 2016]. Disponível em: http://www4.planalto.gov.br/consea/publicacoes/principios-e-diretrizes-de-uma-politica-de-san/view

Ministério da Saúde (Br). Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2006 [citado em 21 mar 2016]. 210p. Disponível em: http://189.28.128.100/nutricao/docs/geral/guia_alimentar_conteudo.pdf

Fonseca JJS. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC; 2002. Apostila.

Isosaki M, Cardoso E, Oliveira A., editores. Manual de dietoterapia e avaliação nutricional: Serviço de nutrição e dietética do instituto do coração HCFMUSP - INCOR. 2ed. São Paulo: Atheneu; 2009. 274p.

Zenebon O, Pascuet NS, Tiglea P., coordenadores. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. 4ed. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz; 2008 [citado em 27 abr 2016]. Disponível em: http://www.crq4.org.br/sms/files/file/analisedealimentosial_2008.pdf

Tabela Brasileira de Composição de Alimentos - TACO. 4ed. Campinas, SP: NEPA-UNICAMP; 2011. 161p.

Institute of Medicine of the National Academic (USA). Dietary reference intakes for energy, carbohydrate, fiber, fat, fatty acids, cholesterol, protein and amino acids [Internet]. Washington, DC: National Academic Press; 2005 [citado em 17 out 2016]. 1331p. Disponível em: https://www.nal.usda.gov/sites/default/files/fnic_uploads/energy_full_report.pdf

Scientific Software GraphPad Prism. Version 6.0. La Jolla, CA: GraphPad Software; [1992-2014].

Atzingen MCV, Garbelotti ML, Araújo RFC, Soares RM, Silva MEMP. Composição centesimal e teor de minerais de dietas enterais artesanais. Rev Bras Tecnol Agroind. 2007; 1(2):37-47.

Felício BA, Pinto ROM, Pinto NAVD, Silva DF. Food and nutritional safety of hospitalized patients under treatment with enteral nutrition therapy in the Jequitinhonha Valley, Brazil. Nutr Hosp. 2012; 27(6):2122-9.

Menegassi B, Santana LS, Martins OA, Pinto JPAN, Costa TMB, Navarro AM. Características físico-químicas e qualidade nutricional de dietas enterais não industrializadas. Aliment Nutr. 2007; 12(2):127-32.

Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral; Associação Brasileira de Nutrologia. Projeto Diretrizes: Terapia nutricional domiciliar. 2011.

Secretaria de Estado da Saúde (São Paulo). Solicitação de medicamento ou nutrição enteral por paciente (de instituição de saúde pública ou privada) [Internet]. São Paulo: Secretaria de Estado da Saúde; [201-] [citado em 25 maio 2016]. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/ses/perfil/gestor/comissao-de-farmacologia/solicitacao-de-medicamento-ou-nutricao-enteral-por-paciente-de-instituicao-de-saude-publica-ou-privada.

Secretaria de Estado da Saúde (São Paulo). Perguntas frequentes [Internet]. São Paulo: Secretaria de Estado da Saúde; [201-] [citado em 25 maio 2016]. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/ses/perfil/gestor/comissao-de-farmacologia/perguntas-frequentes

Zaban ALS. Nutrição enteral domiciliar: um novo modelo de gestão econômica do Sistema Único de Saúde. [dissertação]. Brasília (DF): Universidade de Brasília; 2009.188p.

Sousa LRM, Ferreira SMR, Schieferdecker MEM. Physicochemical and nutritional characteristics of handmade enteral diets. Nutr Hosp. 2014;29(3):568-74.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v6i0.2900

Apontamentos

  • Não há apontamentos.