Otimização do uso doméstico do herbicida imazapyr para redução de possíveis impactos ambientais

Autores

  • Ana Paula Milla dos Santos Senhuk Professora do Departamento de Engenharia Ambiental, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)
  • Camila Padovan
  • Guilherme Cartolano de Castro Ribeiro Aluno do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais, Brasil.
  • Deusmaque Carneiro Ferreira Professor do Departamento de Engenharia Ambiental, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)

DOI:

https://doi.org/10.18554/rbcti.v1i2.3656

Palavras-chave:

Clorose, Fitointoxicação, Massa seca, Necrose.

Resumo

Este estudo analisou a resposta de duas plantas daninhas comuns em gramados, sob a aplicação de diferentes doses do herbicida imazapyr. Vasos plásticos de aproximadamente 10L com solo adubado com esterco (3:1) receberam mudas de picão preto (Bidens pilosa) e tiririca (Cyperus rotundus), sendo mantidos por 20 dias para aclimatação. O experimento consistiu em quatro tratamentos com três repetições: controle; 4,12g/ha; 2,75g/ha e 1,37g/ha de imazapyr. Para avaliar os sintomas de fitointoxicação foram feitas análises por meio de notas visuais e registros fotográficos em diferentes dias depois da aplicação (DDA) do herbicida. Para o picão, foram realizadas medições de altura (desde a superfície do solo até a gema terminal). Para as mudas de tiririca, também foi observado o brotamento após a aplicação do herbicida. No final do experimento foi avaliado o acúmulo de biomassa pela quantificação da massa seca das plantas em cada tratamento, comparando-as com o controle. O herbicida imazapyr controlou eficazmente o picão aos 12 DDA somente na maior dose usada neste estudo, não apresentando rebrota. Os demais tratamentos causaram injúrias nas plantas, mas não o suficiente para levá-las à morte, apresentando rebrota aos 14 DDA. Em relação à tiririca, não houve um controle eficaz, uma vez que as plantas não chegaram à morte em nenhum dos tratamentos, causando apenas injúrias como clorose e necrose a partir dos 28 DDA.

Biografia do Autor

Ana Paula Milla dos Santos Senhuk, Professora do Departamento de Engenharia Ambiental, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)

Departamento de Engenharia Ambiental. Área de atuação: saúde ambiental; biomonitoramento da poluição ambiental.

Referências

BRIGHENTI, A. M.; OLIVEIRA, M. F. Biologia de Plantas Daninhas. Biologia e Manejo de Plantas Daninhas. 2011. Disponível em: <http://omnipax.com.br/livros/2011/BMPD/BMPD-cap1.pdf>. Acesso em: 28 jan. 2015.

CARBONARI, C. A. et al. Controle de Brachiaria subquadripara e Brachiaria muticaatravés de diferentes herbicidas aplicados em pós-emergência. Planta Daninha, v. 21, p. 79-84, 2003. Edição Especial.

CARVALHO, L. B. Interferência de Digitariainsularis em Coffea arabica e respostas destas espécies ao glyphosate. 118p. 2011.Tese (Doutorado em Agronomia) – Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita”, Jaboticabal, 2011.

CHRISTOFFOLETI, P. J.; CORTEZ, M. G.; MONQUEIRO, P. A. Bases da Resistência de Plantas Daninhas aos Herbicidas. In: III Seminário Nacional sobre Manejo e Controle de Plantas Daninhas em Plantio Direto, 2001, Passo Fundo, RS. Resumo de Palestras. Editora Aldeia Norte, p.39-53, 2001.

FIRMINO, L. E. et al. Sorção do imazapyr em solos com diferentes texturas. Planta Daninha, v. 26, n. 2, 2008.

FRANCHIN, L. H. M. Manejo de plantas daninhas e seletividade de sistemas de controle químico para a cultura do algodão Liberty Link®. Universidade Federal de Maringá, 2012.

GAVRILESCU, M. Fate of pesticides in the environment and its bioremediation. Engineering in Life Sciences, v. 5, n. 6, 2005.

GONÇALVES, A. H. et al. Eficiência de imazapyr no controle de tiririca (Cyperus rotundus) em solos de várzea. Plantas problemas, XXI CBCPD. Caxambu-MG, 6 a 11 de julho de 1997.

GONÇALVES, A. H. et al. Controle de tiririca (Cyperus rotundus) e efeito residual sobre a cultura de feijão do herbicida Imazapyr. Planta Daninha, v. 19, n. 3, p. 435-443, 2001.

KISSMANN, K. G. Resistência de plantas daninhas a herbicidas. 2003. Disponível em: <http://www.hrac-br.com.br/arquivos/texto_reisitencia_herbicidas.doc>. Acesso em: 08 jul. 2015.

KRAEMER, A. F. et al. Destino ambiental dos herbicidas do grupo das imidazolinonas. Planta Daninha, v. 27, n. 3, p. 629-639, 2009.

TREZZI, M. M.; VIDAL, R. A. Herbicidas inibidores da ALS. Herbicidologia/Vidal, R.A., Merotto Jr, A. (Editores). Porto Alegre, 2001. p. 25-36.

XAVIER, F. P. Plantas daninhas. In: Um curso de manejo de áreas de várzea do Mato Grosso do Sul, 1, 1992, p.87-127.

Downloads

Publicado

2015-12-18

Como Citar

Senhuk, A. P. M. dos S., Padovan, C., Ribeiro, G. C. de C., & Ferreira, D. C. (2015). Otimização do uso doméstico do herbicida imazapyr para redução de possíveis impactos ambientais. Revista Brasileira De Ciência, Tecnologia E Inovação, 1(2), 9–16. https://doi.org/10.18554/rbcti.v1i2.3656

Edição

Seção

Artigos Originais