Destinação de esgoto doméstico em propriedade rural unifamiliar: estudo de caso e proposição de alternativas de tratamento e reaproveitamento energético

Autores

  • Elizangela Dutra Marques CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS
  • Barbara Logullo CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS, SÃO PAULO
  • Carla Eloísa Diniz Santos Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais, Professora http://orcid.org/0000-0002-5954-1026

DOI:

https://doi.org/10.18554/rbcti.v6i1.4401

Palavras-chave:

tratamento descentralizado, biodigestor, biogás, tanque séptico

Resumo

Sistemas descentralizados, definidos pela coleta, tratamento e disposição ou reúso de águas residuárias mostram-se como alternativas interessantes para lidar com a degradação ambiental e problemática de saúde pública enfrentada em áreas rurais e comunidades urbanas isoladas. O objetivo deste trabalho foi comparar, sob o ponto de vista técnico/financeiro, duas alternativas (tanque séptico e um biodigestor Canadense) para o tratamento individualizado do esgoto doméstico produzido em uma propriedade rural, localizada no município de São Pedro do Turvo/SP. O artigo contemplou: levantamento de dados do local de estudo, levantamento dos critérios de projeto, dimensionamento e projeto em Autocad® dos sistemas de tratamento e estudo comparativo da viabilidade técnico/econômica de implantação destes sistemas. Sob o ponto de vista técnico, ambas alternativas de tratamento demonstraram-se simples e eficazes para o tratamento individualizado do esgoto doméstico produzido na propriedade rural, desde que seguidas as normativas adequadas. Observou-se que o biodigestor Canadense apresentou menor valor total de implantação (R$ 911,88) quando comparado ao tanque séptico (R$ 1.314,67). 

Biografia do Autor

Elizangela Dutra Marques, CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Possui graduação em Engenharia Civil, Centro Universitário das Faculdades Integradas de Ourinhos

Barbara Logullo, CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS, SÃO PAULO

possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2003) e mestrado em Engenharia Civil pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2006)

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7229: Projeto, construção e operação de sistema de tanques sépticos. Rio de Janeiro, 1993.

______. NBR 13969: Tanques sépticos; Unidades de tratamento complementar e disposição final dos efluentes líquidos – Projeto, construção e operação. Rio de Janeiro, 1997.

______. NBR 5626: Instalação predial de água fria. Técnicas. Rio de Janeiro,1996.

______. NBR 8160: Instalações Prediais de esgoto sanitário – Procedimento. Rio de Janeiro, 1999.

ANDRADE, M.A.N.; RANZI, T.J.D.; MUNIZ, R.N.; SILVA, L.G.S.; ELIAS, M.J. Biodigestores rurais no contexto da atual crise de energia elétrica brasileira e na perspectiva da sustentabilidade ambiental.Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis-SC,2002.

BGS. Cálculo de Produção de Biogás. 2018. Disponível em: http://bgsequipamentos.com.br/blog/calculo-de-producao-de-biogás-2/. Acesso em: 22 mar. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Meio Ambiente - CONAMA. Resolução CONAMA n. 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Disponível em: http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=459. Acesso em: 15 fev. 2019.

BRASIL. Conselho Nacional de Meio Ambiente - CONAMA. Resolução CONAMA n. 357, de 13 de maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução no 357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA. Disponível em: http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=646. Acesso em: 15 fev. 2019.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Regional. Secretaria Nacional de Saneamento – SNS. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento: 24º Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgotos – 2018. Brasília: SNS/MDR, 2019. 180 p.: il.

CONTERATO E.; STEIN, S. T.; ESPARTEL L.; ELTZ, M. K. F. Saneamento. 1. ed.: Porto Alegre: Sagah, 2018.

DEGANUTTI, R.; PALHACI, M. C. J. P.;, ROSSI, M.; TAVARES, R.; DOS SANTOS C. Biodigestores rurais: modelo indiano, chinês e batelada. UNESP, Bauru, São Paulo.2002.

FUNASA. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual do Saneamento. 4. ed. Brasília, 2015. 642 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2013, volume 33. Rio de Janeiro: IBGE, 2013. 133 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de Indicadores Sociais: Uma análise das condições de vida população Brasileira, IBGE, 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA.Panorama das Cidades. Disponivel em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/sao-pedro-do-turvo/panorama. Acesso em: 10 fev. 2020.

KUNZ, A.; STEINMETZ, R. L. R.; AMARAL, A. C. Fundamentos da digestão anaeróbia, purificação, uso e tratamento do digestato: Sbera: Embrapa Suinos e Aves, Concórdia -SC, 2019.

LANDAU, E. C.; MOURA, L. Variação geográfica do saneamento básico no Brasil em 2010: domicílios urbanos e rurais. Brasília: Embrapa, 2016. 975 p.

METCALF, L.; EDDY, H. P. Tratamento de Efluentes e Recuperação de Recursos. 5 ed, 2016. AMGH. Editora Ltda. Obra originalmente publicada sob o título Wastewater Engineering: Treatment and Reuse, 5th Edition.

OLIVER, A. P. M; SOUZA NETO, A . A.; DE QUADROS, D. G.; VALLADADRES, R. E. Manual de treinamento em biodigestão. Instituto Winrock Brasil, p. 23, Salvador-Ba,2008.

RIBEIRO, D. S. Determinação das Dimensões de um Biodigestor em Função da Proporção Gás/fase Líquida. Revista Holos, v. 1, ano 27, 2011.

ROCHA, A. Histórias do Saneamento. 1. ed. São Paulo: Blucher, 2018.

TONETTI, A. L.; BRASIL, A. L.; MADRID, F. J. P. L.; FIGUEIREDO, I. C. S.; SCHNEIDER, J.; CRUZ, L. M. O. et al. Tratamento de esgotos domésticos em comunidades isoladas: referencial para a escolha de soluções. Biblioteca Unicamp: Campinas, 2018.

Publicado

2021-08-27

Como Citar

Marques, E. D., Logullo, B., & Santos, C. E. D. (2021). Destinação de esgoto doméstico em propriedade rural unifamiliar: estudo de caso e proposição de alternativas de tratamento e reaproveitamento energético. Revista Brasileira De Ciência, Tecnologia E Inovação, 6(1), 13–27. https://doi.org/10.18554/rbcti.v6i1.4401

Edição

Seção

Artigos Originais