Diagnóstico da qualidade da água de mananciais tributários das bacias hidrográficas do Rio Grande e do Rio Paranaíba, no Pontal do Triângulo Mineiro, baseada em atividade de educação ambiental

Autores

  • Armando Castello Branco Jr. Universidade Federal do Triângulo Mineiro, UFTM, Iturama, MG, Brasil http://orcid.org/0000-0002-2848-1649
  • Kayra Helena Freitas Miranda Universidade Federal do Triângulo Mineiro, UFTM, Iturama, MG, Brasil http://orcid.org/0000-0001-6100-3879
  • Tainá Marques Sampaio Universidade Federal do Triângulo Mineiro, UFTM, Uberaba, MG, Brasil http://orcid.org/0000-0001-6634-1615
  • Ana Karoline Silva Rocha Farias Universidade Federal de Uberlândia, UFU, Uberlândia, MG, Brasil
  • João Lemes Peçanha Neto Universidade Federal do Triângulo Mineiro, UFTM, Iturama, MG, Brasil http://orcid.org/0000-0003-4556-3379
  • Stela Ferreira Rodrigues Universidade Federal do Triângulo Mineiro, UFTM, Iturama, MG, Brasil http://orcid.org/0000-0002-9314-5051

Palavras-chave:

Características da Água, Cursos d´Água, Participação Local

Resumo

Há muitos registros de que a integração com as comunidades locais tem suprido as demandas do monitoramento da qualidade da água de mananciais por meio da análise físico-química e microbiológica por equipes voluntárias. O presente estudo tem por objetivo apresentar os resultados do trabalho envolvendo o diagnóstico ambiental de cursos d´água após a realização de atividade de educação ambiental com populações de 3 municípios do Pontal do Triângulo Mineiro. Foram feitas oficinas com as comunidades locais de Carneirinho, Iturama e União de Minas de forma que amostras de água de 25 pontos de coleta em 10 mananciais fossem analisadas por parâmetros físicos (temperatura, turbidez, odor, óleos, graxas e material flutuante), químicos (oxigênio dissolvido, nitrato, nitrito, amônia, ortofosfato e pH) e microbiológicos (concentração de coliformes totais e de Escherichia coli). Os resultados revelaram o não atendimento, a pelo menos 1 parâmetro legal, em 90% das análises, inclusive, com situações com risco real à saúde das populações humanas. As atividades de educação ambiental revelaram-se eficientes tanto para o diagnóstico da qualidade da água de diversos mananciais como também para construção e consolidação de uma consciência ambiental coletiva. Intervenções educacionais, como a proposta, além de serem instrumentos didáticos para a educação ambiental, também se constituem em ação motivacional que desperta a sensação de pertencimento ao lugar com a percepção da corresponsabilidade pela qualidade de vida local e seu planejamento futuro de forma a transformar a realidade das comunidades participantes inclusive, em conjunto com a gestão pública municipal.

Biografia do Autor

Armando Castello Branco Jr., Universidade Federal do Triângulo Mineiro, UFTM, Iturama, MG, Brasil

Professor Adjunto da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), curso de C. Biológicas, Campus Universitário de Iturama

Kayra Helena Freitas Miranda, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, UFTM, Iturama, MG, Brasil

acadêmica do curso de C. Biológicas, UFTM, Iturama, MG, Brasil

Tainá Marques Sampaio, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, UFTM, Uberaba, MG, Brasil

Mestranda do programa em Ciências e Tecnologia Ambiental, UFTM, Uberaba, MG, Brasil.

Ana Karoline Silva Rocha Farias, Universidade Federal de Uberlândia, UFU, Uberlândia, MG, Brasil

Mestranda do programa em Agronomia, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, Brasil

João Lemes Peçanha Neto, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, UFTM, Iturama, MG, Brasil

acadêmico do curso de C. Biológicas, UFTM, Iturama, MG, Brasil

Stela Ferreira Rodrigues, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, UFTM, Iturama, MG, Brasil

acadêmica do curso de C. Biológicas, UFTM, Iturama, MG, Brasil

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DAS ÁGUAS - ANA. Portal da Qualidade das Águas. Rede Nacional de Monitoramento. Disponível em: http://pnqa.ana.gov.br/rede-nacional-rede-monitoramento.aspx. Acesso em: 31 ago. 2021.

BRASIL, Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em: 26 ago. 2021.

BRASIL. FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE. Manual prático de análise de água. 4 ed. Brasília: Funasa, 2014, 150p. Disponível em: http://www.funasa.gov.br/site/wp-content/files_mf/manual_pratico_de_analise_de_agua_2.pdf. Acesso em: 06 jun. 2021.

CAMARGO FILHO, H.J.; COIMBRA, V.; ZANETTI, C.; VALLE, R.; CARLOS, V.M. União Pró-Tietê – Observando o Rio Sorocaba – Monitoramento da qualidade da água e conscientização do público jovem. Revista Ciência em extensão, UNESP, v. 5, n. 2, p.104, 2009. Disponível em: https://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/article/view/304/298. Acesso em: 06 jun. 2021.

CAMPOS, T.V.A. Monitoramento Participativo da qualidade da água do Rio Sorocabuçu. 2015. 69 p. Monografia (Especialização em Ensino de Ciências) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Itapevi, PR, 2015.

CÁNEPA, E.M.; PEREIRA, J.S.; LANNA, A.E. Água e Economia. In: BICUDO, C.E.M.; TUNDISI, J.G.; SCHEUENSTUHL, M.C.B. Águas do Brasil: análises estratégicas. São Paulo: Instituto de Botânica, 2010, p.43-54. Disponível em: http://www.abc.org.br/IMG/pdf/doc-6820.pdf. Acesso em 06 jun. 2021.

CASTELLO BRANCO JR., A.; SOUZA, L.L.; SAMPAIO, T.M.; FARIAS, A.K.S.R.; MIRANDA, K.H.F.; PEÇANHA NETO, J.L. et al. Protocolo de avaliação rápida como ferramenta de gestão de recursos hídricos urbanos. RMRH - Rev. Min. Rec. Hidr., Belo Horizonte, v.1, n.2, p.1-17, 2020. Disponível em: http://rmrh.igam.mg.gov.br/ojs3/index.php/NM/article/view/23/52. Acesso em: 20 jun. 2021.

CASTELLO BRANCO JR., A.; SAMPAIO, T.M.; FARIAS, A.K.S.R.; MIRANDA, K.H.F.; SOUZA, L.L.; PEÇANHA NETO, J.L. et al. Mapeamento ambiental participativo e matriz SWOT enquanto práticas de gestão e educação ambiental com ênfase em recursos hídricos. Geografia Ensino & Pesquisa, Santa Maria, v. 25, e. 11, p. 1 - 37, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/43295/html. Acesso em: 20 ago. 2021.

CONAMA – Conselho Nacional de Meio Ambiente. Resolução nº 274, de 29 de novembro de 2000. Define os critérios de balneabilidade em águas brasileiras. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, n. 18, p. 70-71, 25 jan. 2001. Disponível em: http://pnqa.ana.gov.br/Publicacao/Resolu%C3%A7%C3%A3o_Conama_274_Balneabilidade.pdf. Acesso em: 06 jun. 2021.

CONAMA – Conselho Nacional de Meio Ambiente. Resolução nº 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, n. 53, p.58-63, 18 mar. 2005. Disponível em: http://pnqa.ana.gov.br/Publicacao/RESOLUCAO_CONAMA_n_357.pdf. Acesso em: 06 jun. 2021.

CONAMA – Conselho Nacional de Meio Ambiente. Resolução nº 430, de 13 de maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução nº 357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, n 92, p. 89, 16 mai. 2011. Disponível em: http://www.adasa.df.gov.br/images/stories/anexos/8Legislacao/Res_CONAMA/Resolucao_CONAMA_430_2011.pdf. Acesso em: 06 jun. 2021.

FARIAS, A.R.; MINGTI, R.; do VALLE, L.B.; SPADOTTO, C.A.; LOVISI FILHO, E. Identificação, mapeamento e quantificação das áreas urbanas do Brasil. Comunicado Técnico, EMBRAPA, n.4, p. 5, 2017. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/176016/1/20170522-COT-4.pdf. Acesso em 06 jun. 2021.

FERREIRA, C.M.S.; FONSECA.A. Análise da participação popular nos Conselhos Municipais de Meio Ambiente do Médio Piracicaba (MG). Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 17, n. 3, p. 239-258, 2014.

FIGUEIREDO, M.C.B.; VIEIRA, V.P.P.B.; MOTA, S.; ROSA, M.F.; ARAÚJO, L.F.P.; GIRÃO, E. et al. Monitoramento comunitário da qualidade da água: uma ferramenta para a gestão participativa dos recursos hídricos no semi-árido. REGA, v. 5, n. 1, p. 51-60, 2008.

FRANÇA, J.S.; CALLISTO, M. Monitoramento ambiental participativo de qualidade de água: A comunidade escolar como parceira na conservação de biodiversidade. In: 5ª REUNIÃO DE ESTUDOS AMBIENTAIS, Porto Alegre, RS, Brasil, 2015. Disponível em: http://labs.icb.ufmg.br/benthos/index_arquivos/pdfs_pagina/2015/ResumoExpandidosReuniaoEstudosAmbientais-Franca&Callisto.pdf. Acesso em: 23 jun. 2021

GIRÃO, E.; SOUSA, F.D.M.; SILVA, F.N.S. Vigilantes da água: Participação social e monitoramento da qualidade da água em municípios cearenses. In: I CONGRESSO BAIANO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL - COBESA, Salvador, BA, Brasil, 2010. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/34744/1/AT10021.pdf. Acesso em: 23 jun. 2021.

GOMES FILHO, R.R. Gestão de recursos hídricos. Conceitos e experiências em bacias hidrográficas. Goiânia: Editora América, 2013.

HERMES, L.C.; FAY, E.F.; BUSCHINELLI, C.C.A.; SILVA, A.S.; SILVA, E.F.F. Participação Comunitária em Monitoramento da Qualidade da Água. Circular Técnica n.8, EMBRAPA, Jaguariúna, SP, p. 8., 2004.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Conheça cidades e estados do Brasil. 2021. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/. Acesso em 30 ago. 2021.

JACOBI, P.R. Espaços públicos e práticas participativas na gestão do meio ambiente no Brasil. Sociedade e Estado, Brasília, v. 18, n. 1/2, p. 315-338, 2003.

MAIA, J.S.S. Problemáticas da Educação Ambiental no Brasil: elementos para a reflexão. Rev. Eletrônica Mestr. Educ. Ambiental, v. 32, n. 2, p. 283-298, 2015. Disponível em: https://www.seer.furg.br/remea/article/view/5544/3452. Acesso em 31 ago.2021.

MAIA, A.R.S. Monitoramento comunitário da qualidade da água de reservatório estratégico do semiárido Brasileiro, 2018. 41 p. Monografia (Especialização) - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Iguatu, CE, 2018.

MOTA, L.L.C.; OLIVEIRA, G.P.T.C.; MEDINA, P. A gestão dos recursos hídricos no Brasil: Educação ambiental e democracia participativa na promoção do desenvolvimento sustentável. Revista Humanidades e Inovação, v.7, n.20, p. 553-567, 2020.

PALMA, D.A. Monitoramento de Qualidade da Água com o Enfoque Ciência Cidadã: Estudo de Caso em Brazlândia. 2016. 76 p. Monografia (Graduação em Engenharia Ambiental) -Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2016.

PHILIPPI JR. A.; ROMÉRIO, M.A.; BRUNA, G.C. Curso de Gestão Ambiental. Ed. São Paulo: Editora Manole, 2004.

PHILIPPI JR., A.; SOBRAL, M.C. Gestão de bacias hidrográficas e sustentabilidade. São Paulo: Editora Manole, 2019.

PINTO, T.R.G.S.; MARTINS, S.; LEONEL, D.S.; CKAGNAZAROFF, I.B. Governança Participativa: possibilidades e desafios na gestão local. Interações, Campo Grande, MS, v. 19, n. 3, p. 627-641, 2018.

SECRON, M.B.; GIORDANO, G.; BARBOSA FILHO, O. Controle da poluição hídrica gerada pelas atividades automotivas. Rio de Janeiro: CETEM/MCT, 2010. Disponível em: http://mineralis.cetem.gov.br/bitstream/cetem/295/1/sgpa-12.pdf. Acesso em: 06 jun. 2021.

SILVA, C.G. Monitoramento participativo com o envolvimento de comunidade escolar no arroio Dornelinhos, Viamão/ RS. 2017. 143 p. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2017.

TUNDISI, J.G. Recursos hídricos no Brasil. Problemas, desafios e estratégias para o futuro. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências, 2014. Disponível em:< http://www.abc.org.br/IMG/pdf/doc-5923.pdf> Acesso em: 020 jun. 2021.

WERNECK, R. O. Bacia de Aprendizado com aplicação do monitoramento de qualidade da água por meio do enfoque ciência cidadã – Estudo de caso da Bacia Hidrográfica do Córrego Chapadinha/DF. 2018. 111 p. Monografia (Graduação em Engenharia Ambiental) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2018.

Publicado

2022-09-22

Como Citar

Castello Branco Jr., A., Freitas Miranda, K. H., Marques Sampaio, T., Silva Rocha Farias, A. K., Lemes Peçanha Neto, J., & Ferreira Rodrigues, S. (2022). Diagnóstico da qualidade da água de mananciais tributários das bacias hidrográficas do Rio Grande e do Rio Paranaíba, no Pontal do Triângulo Mineiro, baseada em atividade de educação ambiental. Revista Brasileira De Ciência, Tecnologia E Inovação, 6(2), 53–68. Recuperado de https://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/rbcti/article/view/5795

Edição

Seção

Artigos Originais