Chamada de artigos - Dossiê "Políticas e práticas educativas a partir dos povos do campo"

Organizadores:
Prof. Dr. Danilo Seithi Kato (UFTM)
Prof. Dr. Elizandro Maurício Brick (UFSC)

 

Nas últimas décadas tem sido alimentadas ações e discussões sobre a necessidade de formação de educadores do campo. Nesse sentido, surgem os cursos de licenciatura em Educação do Campo, frutos de reivindicações de diversos movimentos sociais do campo e consolidados por políticas de governo e de Estado - o Decreto nº 7.352/2010 propiciou a abertura e manutenção do curso em mais de três dezenas de universidades federais e diversas universidades estaduais brasileiras. São marcas desse curso a promoção de uma formação que se contraponha ao modelo hegemônico de ruralização dos povos campesinos, calcado na espoliação dos recursos naturais e do trabalho humano, que nega a diversidade das identidades que constituem o campo brasileiro e avança com um projeto de campo sem sujeito: como sugere o fechamento de dezenas e de milhares de escolas nessas localidades na última década. O enfrentamento desse desafio formativo exige a superação da fragmentação dos conhecimentos e práticas, bem como a superação da alienação destes em relação à realidade concreta dos povos do campo, o que implica conceber a universidade a serviço das aspirações populares. Em grande medida, o enfrentamento desses desafios realizados pelos cursos de licenciatura em Educação do Campo é propiciado pela sua estruturação a partir do regime de alternância, que ao mesmo tempo viabiliza o acesso à educação superior a estes sujeitos historicamente alijados e tem o potencial de propiciar uma relação entre ensino, pesquisa e extensão a partir de demandas do campo.

A conjuntura política atual tem colocado em risco os avanços já realizados e incitado a novos desafios. Nesse sentido esse dossiê visa promover um espaço de encontro e o esforço intelectual de caracterizar e analisar os avanços e desafios atuais para práticas de consolidação da educação superior e básica do campo. Dentre eles destacamos: impacto e implementação de políticas públicas; lutas políticas e demandas; colonização e descolonização de corpos e saberes; diálogos de saberes; gestão escolar e estrutura institucional; educação básica, ensino superior e pós-graduação; alternância; produção de material didático; oralidade e escrita; formalismo curricular e práticas inovadoras; conhecimento tradicional e ocidental, ancestralidade, espiritualidade e ciência; autonomia e projetos de sociedade; subjetividade, identidade e interculturalidade; sociedade inclusiva; articulação entre território tradicional e o contexto urbano.

Nesse sentido, a troca e aprofundamento sobre experiências de educação do campo, com a qual esse dossiê busca contribuir, é condição para o amadurecimento intelectual num sentido contra-hegemônico e anticolonial ao promover discussões sobre experiências educativas que considerem e contribuam com a afirmação da diversidade natural e sociocultural das realidades do campo.

 

Cronograma de atividades:
09/04/2018 – Prazo final para submissão de textos
04/06/2018 – Emissão de pareceres
29/06/2018 – Envio da versão final dos textos
Julho de 2018 – Publicação do dossiê

 

As contribuições devem ser encaminhadas pelo e-mail da revista (cadernoscimeac@gmail.com) e pelo sistema SEER. No envio por e-mail, o(a) autor(a) deve informar que se trata de uma contribuição ao dossiê "Políticas e práticas educativas a partir dos povos do campo". Ao submeter o texto pelo sistema, o(a) autor(a) deve selecionar, na indicação da seção de publicação (logo no primeiro passo da submissão), a aba "Artigos do dossiê". Todos os textos devem seguir as regras publicadas nas diretrizes para autores.