INTERAÇÃO ENTRE SAÚDE E AMBIENTE: OFICINAS DE RECICLAGEM NA REABILITAÇÃO DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS

Daiana Foggiato de Siqueira, Luis Felipe Pissaia, Claudete Moreschi

Resumo


Objetivo: Objetivou-se conhecer o significado das oficinas de artesanatos com materiais recicláveis para usuários em tratamento de desintoxicação de substâncias psicoativas. Método: A pesquisa apresenta uma abordagem qualitativa, realizada com quinze pacientes que se encontravam internados para tratamento na unidade para usuários de substâncias psicoativas e que fizeram parte das oficinas de artesanato com materiais recicláveis. Resultados: A partir da análise dos dados, resultaram as seguintes categorias: conhecendo sentimentos do vivido; atribuindo importância às oficinas de materiais recicláveis; percebendo as oficinas como atividade educativa sustentável; influência das mídias sociais. Os usuários evidenciaram a importância das oficinas de recicláveis desenvolvidas durante o tratamento de desintoxicação, sendo considerada uma atividade educativa sustentável. Conclusão: Neste sentido torna-se fundamental que o profissional de saúde adotar atitudes empreendedoras com vistas a reduzir as manifestações diretas do uso de substâncias psicoativas e despertar uma consciência socioambiental, na busca do viver saudável dos indivíduos em sua singularidade.

Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Carlini EA, Galduroz JCF, Silva AAB et al. Levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 108 maiores cidades do Brasil, 2005. São Paulo: Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas/ Secretaria Nacional Antidrogas; 2007.

Siqueira DF, Moreschi C, Backes DS. Vivendo em função da droga/crack: vivências de usuários. Revista Nursing. 2012, 14(166): 136-140.

Backes MTS, Erdmann AL, Backes DS. Cuidado ecológico: o significado para profissionais de um hospital geral. Acta Paul Enferm. 2009; 22(2): 183-191.

Camponogara S. Saúde e meio ambiente na contemporaneidade: o necessário resgate do legado de Florence Nightingale. Esc Anna Nery. 2012, 16(1): 178-184.

Bardin, L. Análise de conteúdo. 70. ed. Lisboa/Portugal, LDA, 2011.

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. "Resolução n° 466/12 sobre pesquisa envolvendo seres humanos." 2012.

Costa AG, Camurça VV, Braga JM et al. Drogas em áreas de risco: o que dizem os jovens. Physis Revista de Saúde Coletiva. 2012, 22(2): 803-819.

Siqueira DF, Moreschi C, Pozzobon L et al. Adolescente usuário de crack: relato de experiência. Rev Enferm UFSM, 2012, 2(2): 456-463.

Costa SP, Chavaglia SRR, Amaral EMS et al. Internações e Gastos relacionados ao Suicídio em um hospital público de ensino. Revista de Enfermagem e Atenção à Saúde. 2016, 4(2).

Coscrato G, Pina JC, Mello DF. Utilização de atividades lúdicas na educação em saúde: uma revisão integrativa da literatura. Acta Paul Enferm. 2010; 23(2): 257-263.

Moreschi C, Siqueira DF, Dalcin CB et al. Homenagem a Florence Nightingale e compromisso com a sustentabilidade ambiental. Revista Baiana de Enfermagem. 2011; 25(2): 203-208.

Almeida AS, Furegato ARF. Papéis e perfil dos profissionais que atuam nos serviços de saúde mental. Revista de Enfermagem e Atenção à Saúde. 2015, 4(1).

Vidigueira VCR. A influencia da televisão no desenvolvimento sócio-emocional dos adolescentes. Monografia realizada no âmbito da licenciatura em Psicologia. Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve, Portugal; 2006.

Junqueira MAB, Santos MA, Pillon SC. Competências atitudinais de estudantes de Enfermagem na assistência a usuários de álcool. Revista de Enfermagem e Atenção à Saúde. 2014, 3(2).

Camponogara S, Ramos FRS, Kirchhof ALC. A problemática ecológica na visão de trabalhadores hospitalares. Ciência & Saúde Coletiva. 2011, 16(8): 3561-3570.

Backes MTS, Backes DS, Drago LC et al. Do antropocentrismo ao ecologicentrismo: formação para o cuidado ecológico na saúde. Rev Gaúcha Enferm. 2011; 32(2): 263-9.

Baggio MA, Callegaro GD, Erdmann AL. Significando o cuidado ecológico/planetário/coletivo/do ambiente à luz do pensamento complexo. Reme – Rev. Min. Enferm. 2011; 15(1): 11-18.




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v7i1.2010

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/