A INCLUSÃO PATERNA DURANTE O PRÉ-NATAL

Gabriela Sofia Henz, Cássia Regina Gotler Medeiros, Morgana Salvadori

Resumo


Objetivo: Investigar a participação paterna durante o pré-natal em um Centro de Atenção a Saúde da Mulher. Métodos: Trata-se de uma pesquisa com abordagem qualitativa e de caráter descritivo e exploratório. Os participantes foram duas enfermeiras que trabalham no Centro de Atenção a Saúde da Mulher, e cinco homens cujas companheiras estavam realizando o pré-natal nesta unidade de saúde. Os dados foram coletados por entrevista semiestruturada e tratados por análise de conteúdo. Resultados: A limitação da oferta de horários de atendimento, que coincidem com os de trabalho dos homens dificulta a participação paterna. Destacou-se a importância de as gestantes encorajarem o seu parceiro a participar das atividades do pré-natal. Conclusão: a participação paterna no período de pré-natal é complexa e possui inúmeras variantes, pois mesmo sendo estimulada pelos profissionais da saúde depende também das questões econômicas, culturais e familiares nas quais os homens estão inseridos.

 


Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Souza CLC, Benetti SPC. Paternidade contemporânea: levantamento da produção acadêmica no período de 2000 a 2007. Paidéia (Ribeirão Preto). 2009; 19(42):97-106.

Cortez MB, Machado NM, Trindade ZA, Souza LGS. Profissionais de saúde e o (não) atendimento ao homem-pai: análise em representações sociais. Psicologia em Estudo. 2016; 21(1):53-63.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Duarte SJH, Andrade SMO. Assistência pré-natal no Programa Saúde da Família. Esc. Anna Nery. 2006; 10(1):121-25.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. Diário Oficial da União de 27 de junho de 2011.

Cunha MA, Mamede MV, Dotto LMG, Mamede FV. Assistência pré-natal: competências essenciais desempenhadas por enfermeiros. Esc Anna Nery. 2009; 13(1):145-53.

Oliveira SC, Ferreira JG, Silva PMP, Ferreira JM, Seabra RA, Fernando VCN. A participação do homem/pai no acompanhamento da assistência pré-natal. Cogitare Enferm, Curitiba. 2009; 14(1):73-8.

Castoldi L, Gonçalves TR, Lopes RCS. Envolvimento paterno da gestação ao primeiro ano de vida do bebê. Psicologia em Estudo. 2014; 19(2):247-59.

Lajeado. Prefeitura Municipal De Lajeado. Serviços de Saúde. Lajeado: RS; 2016.

Benazzi AST, Lima ABS, Sousa AP. Pré-natal masculino: um novo olhar sobre a presença do homem. Rev. Pol. Públ. 2011; 15(2):327-33.

Tarnowski KS, Próspero ENS, Elsen, I. A participação paterna no processo de humanização do nascimento: uma questão a ser repensada. Texto Contexto Enferm. 2005; 14:102-8.

Silva MMJ, Cardoso EP, Calheiros CAP, Rodrigues EOMA, Leite EPRC, Rocha LCD. O envolvimento paterno na gestação sob o olhar de gênero. Rev enferm UFPE Online. 2013; 7(5):1376-81.

Freitas WMF, Silva ATMC, Coelho EAC, Guedes RN, Lucena KDT, Costa APT. Paternidade: responsabilidade social do homem no papel de provedor. Rev. Saúde Pública. 2009; 43(1):85-90.

Silva MR, Piccinini CA. Sentimentos sobre a paternidade e o envolvimento paterno: um estudo qualitativo. Estudos de Psicologia. 2007; 24(4):561-73.

Brasil. Ministério da Saúde. Lei nº 13.257, de 08 de março de 2016. Dispõe sobre as políticas públicas para a primeira infância e altera a Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente). Diário Oficial da União de 09 de março de 2016.




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v6i1.2053

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/