PRAZER E SOFRIMENTO DE TRABALHADORES READAPTADOS APÓS ACIDENTE DO TRABALHO

Érika Maria Izaias, Paloma de Souza Cavalcante Pissinati, Maria José Quina Galdino, Maynara Fernanda Carvalho Barreto, Sonia Silva Marcon, Maria do Carmo Fernandez Lourenço Haddad

Resumo


Objetivo:desvelar os sentimentos de prazer e sofrimento de trabalhadores readaptados após acidente do trabalho. Métodos:pesquisa qualitativa realizada com seis trabalhadores readaptados de uma universidade pública. Os dados foram coletados por entrevistas semiestruturadas, submetidos à análise de conteúdo e discutidos à luz da Psicodinâmica do Trabalho Dejouriana a partir das pré-categorias: sentimentos de prazer e de sofrimento dos trabalhadores readaptados após acidente do trabalho. Resultados: o prazer esteve relacionado ao apoio recebido por colegas de trabalho, ao reconhecimento das novas atividades desenvolvidas e de sua capacidade laboral. Já o sofrimento decorreu da desvalorização do trabalhador pela instituição, sobrecarga de trabalho, inadequação de funções e não aceitação das limitações por membros da equipe. Conclusões:conhecer relatos decorrentes dos processos de readaptação funcional devido aos acidentes do trabalho permite planejar ações de vigilância que promovam saúde e prazer no ambiente laboral.


Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Dejours C, Abdoucheli E, Jayet C. Psicodinâmica do trabalho: contribuição da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas; 2014. p.145.

Cardoso ACM. O trabalho como determinante do processo saúde-doença. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP. São Paulo, 2015; 27(1): 73-93.

Brasil. Ministério da Previdência Social. Instituto Nacional do Seguro Social. Manual de Acidente do Trabalho. Brasília: Instituto Nacional do Seguro Social. 2016[citado em 2018 jun. 04]. Disponível em: http://file.abiplast.org.br/download/2016/manualdeacidentedetrabalhoinss2016.pdf.

Laal F, Modrek MJ, Balarak D, Mohammadi M, Rakhshani M, Rigi N. Relationship between quality of life and occupational accidents in South-East of Iran (Zahedan). Glob J Health Sci. 2017[citado em 2017 jun. 28]; 9(2):112-8. Disponível em: http://www.ccsenet.org/journal/index.php/gjhs/article/view/58926.

Gonzales-Delgado M, Gómes-Dantés H, Fernandéz-Niño JA, Robles E, Borja VH, Aguilar M. Factors associated with fatal occupational accidents among Mexican workers: a national analysis. PLoS One. 2015[citado em 2017 set. 02]. 10(3):1-19. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4366246.

Brasil. Ministério da Previdência Social. Anuário estatístico da Previdência Social 2013. Brasília: Ministério da Previdência Social. 2013[citado em 2017 abr. 10]. Disponível em: http://www.previdencia.gov.br/wp-content/uploads/2015/03/AEPS-2013-v.-26.02.pdf.

Saldanha JHS, Pereira APM, Neves RF, Lima MAG. Facilitadores e barreiras de retorno ao trabalho de trabalhadores acometidos por LER/DORT. Rev Bras Saúde Ocup. 2013[citado em 2017 dez. 10]; 38(127):122-38. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0303-76572013000100014.

Cacciari P, Haddad MCL, Dalmas JC. Nível de estresse em trabalhadores readequados e readaptados em universidade estadual pública. Texto Contexto Enferm. 2016[citado em 2017 dez. 10]; 25(2):1-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v25n2/pt_0104-0707-tce-25-02-4640014.pdf.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Persona edições; 2011.

Martins JT, Galdino MJQ, Garanhani ML, Sammi KM, Trevisan GS. Humanização no processo de trabalho na percepção de enfermeiros de unidade de terapia intensiva. Cogitare Enferm. 2015[citado em 2017 dez. 10]; 20(3):589-95. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/41521/26202.

Dejours CA. A psicodinâmica do trabalho na pós-modernidade. In: Mendes AM, Cruz SC, Facas EP (Org.). Diálogos em psicodinâmica do trabalho. Brasília: Paralelo 15. 2 ed. 2016.

Dejours C. Análise psicodinâmica das situações de trabalho e sociologia da linguagem. Da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; Brasília: Paralelo 15. 2008.

Mendes AM, Vieira FO. Diálogos entre a psicodinâmica e clínica do trabalho e os estudos sobre os coletivos de trabalho e práticas organizacionais. Farol – Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade. 2014[citado em 2018 jan. 08]; 1(1):144-89. Disponível em: http://revistas.face.ufmg.br/index.php/farol/article/view/2608.

Dejours C. A Loucura do Trabalho: Estudo de Psicopatologia do Trabalho. São Paulo: Cortez; 1987.

Simplício SD, Andrade MD. Compreendendo a questão da saúde dos professores da Rede Pública Municipal de São Paulo. Psico. 2011[citado em 2018 jan. 08]; 42(2):159-67. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/fo/ojs/index.php/revistapsico/article/view/7566.

Macaia AAS, Fischer FM. Retorno ao trabalho de professores após afastamentos por transtornos mentais. Saúde Soc. 2015[citado em 2018 jan. 08]; 24(3):841-52. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/sausoc/article/view/104880/103673.

Souza KR, Rozemberg B. As macropolíticas educacionais e a micropolítica de gestão escolar: repercussões na saúde dos trabalhadores. Educ Pesquisa. 2013[citado em 2018 fev. 08]; 39(2):433-47. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022013000200010.

Simonelli AP, Jackson Filho JM, Schneider BRL, Machado DR. Retorno ao trabalho de trabalhadores com amputação de dedos em Curitiba, PR, Brasil. Rev Ter Ocup. 2016[citado em 2018 jun. 04]; 27(2):138-45. Disponível em: http://www.periodicos.usp.br/rto/article/view/105329/116567.

Noordik E, Van der Klink JJ, Geskus RB, Boer MR, Van Dijk JJ, Nieuwenhuijsen K. Effetiveness of an exposure-based return to work program for works on sick leave due to common mental disorders: a cluster randomized controled trial. Scand J Work Environ Health. 2013[citado em 2018 jun. 04]; 39(2):144-54. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22951572.

Dejours C. Uma nova visão do sofrimento humano nas organizações. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas; 1993.




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v9i1.3883

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/