A FORMAÇÃO DO ENFERMEIRO E A NECESSIDADE DE CONSOLIDAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE SAÚDE

Maria José Cabral Grillo, Kênia Lara Silva, Roseni Rosângela de Sena, Tatiana Silva Tavares

Resumo


RESUMO

A operacionalização das Diretrizes Curriculares Nacionais exige uma articulação entre educação e saúde fundamentada em princípios constitucionais. Portanto, o objetivo foi analisar as inter-relações entre as políticas públicas de saúde e a expansão dos cursos de graduação em enfermagem no estado de Minas Gerais. Foram utilizados métodos quantitativo e qualitativo; pesquisa em banco de dados nacional; questionário para coordenadores de cursos; realização de grupos focais. Constatou-se que estão sendo oferecidos cursos matutinos, vespertinos, noturnos e de horário integral com número variável de períodos e carga horária. Há evidencias de que os cursos estão priorizando uma formação com foco na Atenção Primária; a rede básica é um cenário de ensino privilegiado por 94,2% dos cursos. Contudo, há evidência de que existe um descompasso entre o discurso teórico e a realidade, entre o ensino e o serviço, que aponta para diferentes tempos de mudança na formação e no serviço que precisam ser melhor entendidos.

Descritores: Educação; Enfermeiro; Políticas públicas; Saúde.

 


Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde (BR). Secretaria Geral. 8ª Conferência Nacional de Saúde. Relatório Final. Brasília: Ministério da Saúde, 1986a. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/biblioteca/Relatorios/relatorio_8.pdf. Acesso em: 25 jul. 2011.

Ministério da Educação (BR). Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Parecer nº: CNE/CES 1.133/2001. Diário Oficial da União. Brasília, 03 out. 2001. Seção 1E, p. 131.

Ceccim RB, Feuerwerker LCM. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. PHISIS: Rev. Saúde Coletiva. 2004; 14(1): 41-65.

Carvalho YM, Ceccim RB. Formação e educação em saúde: aprendizados com a Saúde Coletiva. In: Campos GWS. Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo: Hucitec; 2006. p. 149-821.

Lopes Neto D et al. Aderência dos Cursos de Graduação em Enfermagem às Diretrizes Curriculares Nacionais. Rev.Bras. de Enferm. 2007; 60(6): 627-634.

Silva KL, Sena RR. Integralidade do cuidado na saúde: indicações a partir da formação do enfermeiro. Rev. Escola de Enferm.USP. 2008; 42(1):48-56.

Sena RR, Seixas CT, Silva KL. Practices in Community Health Toward Equity: contributions of Brazilian Nursing. Advances in Nursing Science. 2007; 30(4): 343–352.

Fernandes JD et al. Expansão da educação superior no Brasil: ampliação dos cursos de graduação em enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2013; 21(3):670-678.

Barbosa TSC, Baptista SS. Movimento de expansão dos cursos superiores de enfermagem na região centro-oeste do Brasil: uma perspectiva histórica. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2008 [acesso em: 24 ago 2013]; 10(4):945-56. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v10/n4/v10n4 a07.htm.

Silva BR, Baptista SS. O movimento de expansão dos cursos superiores de enfermagem na região norte do Brasil. Rev. enferm. UERJ. 2007; 15(4): 515-520.

Silva, MGC da; Nóbrega-Therrién, SM. Reflexão: a formação de enfermeiros e a expansão do ensino de enfermagem no Ceará. Rev. RENE. 2006; 7(3): 78-86.

Baptista SS, Silva BR, Barbosa TSC, Almeida Filho AJ. A expansão dos cursos superiores de enfermagem no estado do Rio de Janeiro. Rev. Enferm. Atual. 2006; 6(34): 22-26.

Creswell JW. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativos, quantitativos e mistos. Tradução de Magda Lopes. Consultoria, supervisão e revisão técnica de Dirceu da Silva. 3ª Ed. Porto Alegre: Armed, 2010.

Brito AMR, Brito MJM, Silva PAB. Perfil sociodemográfico de discentes de enfermagem de instituições de ensino superior de Belo Horizonte. Esc. Anna Nery Rev. de Enferm. 2009; 13(2):328-333.

Teixeira E, Vale EG, Fernandes JD, Sordi MRL. Trajetória e tendências dos cursos de enfermagem no Brasil. Rev. Bras. Enferm. 2006; 59(4): 479-87.

Varella TC. Mercado de trabalho do enfermeiro no Brasil: configuração do emprego e tendências no campo do trabalho [tese]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Instituto de Medicina Social; 2006. 255.

Silva MJ, Sousa EM, Freitas CL. Formação em enfermagem: interface entre as diretrizes curriculares e os conteúdos de atenção básica. Rev. bras. enferm. 2011; 64(2): 315-321.

Corlett J. The perceptions of nurse teachers, student nurses and preceptors of the theory-practice gap in nurse education. Nurse Educ Today 2000; 20:499-505.

Ceccim RB, Pinto LF. A formação e especialização de profissionais de saúde e a necessidade política de enfrentar as desigualdades sociais e regionais. Rev. bras. educ. med. 2007; 31(3): 266-277.

Albuquerque VS et al. A integração ensino-serviço no contexto dos processos de mudança na formação superior dos profissionais da saúde. Rev. Bras. Educ. Médica. 2008; 32(3): 356–362.




DOI: https://doi.org/10.18554/

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/