ESTILO DE VIDA DE PESSOAS COM HIPERTENSÃO APÓS O DESENVOLVIMENTO DE COMPLICAÇÕES LIGADAS À DOENÇA

Rita Neuma Dantas Cavalcante de Abreu, Thereza Maria Magalhães Moreira

Resumo


Objetivo: Averiguar o estilo de vida de hipertensos antes e após o desenvolvimento de complicações ligadas à doença. Método: Estudo descritivo, realizado com 79 pessoas acompanhadas em um centro de referência em Fortaleza – Ceará. Foi utilizado um formulário contendo questões relativas ao cumprimento do tratamento não farmacológico por essas pessoas. Resultados: Percebeu-se que, embora houvesse se dado mudanças favoráveis após a ocorrência de complicações, como a diminuição do consumo de alimentos fontes de colesterol, aumento do consumo de frutas, aumento do número de pessoas que realizavam exercícios na atualidade e interrupção do etilismo, muitos participantes apresentaram dificuldades na mudança desses hábitos. Conclusões: São necessárias ações educativas que possibilitem a participação ativa dessas pessoas na discussão sobre os meios para o alcance da adesão ao tratamento.


Texto completo:

PDF

Referências


Brasil, Ministério da Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília, DF. 2011.

Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Hipertensão arterial sistêmica para o Sistema Único de Saúde/ Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol 2010; 95(1 supl.1): 1-51 .

Andrade JP, Vilas-Boas F, Chagas H, Andrade M. Aspectos epidemiológicos da aderência ao tratamento da hipertensão arterial sistêmica. Arq Bras Cardiol. 2002; 79(4): 375-9.

Noblat ACB, Lopes MB, Lopes GB, Lopes AA. Complicações da hipertensão arterial em homens e mulheres atendidos em um ambulatório de referência Arq Bras Cardiol. 2004; 83(4): 308-13.

Robbins RS, Cotran RS, Kumar V. et al. Patologia – Bases patológicas das doenças. 7 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

Ribeiro RC, Lotufo PA. Hipertensão Arterial: Diagnóstico e tratamento. São Paulo: Ed. Sarvier, 2005. 117p.

Brasil, Ministério da Saúde. Hipertensão arterial sistêmica (HAS) e Diabetes mellitus (DM): protocolo. Departamento de Atenção Básica. Área Técnica de Diabetes e Hipertensão Arterial - Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

Secretaria da Saúde do Estado do Ceará. Manual das equipes de saúde da família. 2.ed. Fortaleza: SESA, 2004.

Falcão LM. Cuidado a pessoas com hipertensão arterial: fundamentação no sistema interpessoal de King. [Dissertação]. Fortaleza: Mestrado Acadêmico Cuidados Clínicos em Saúde, Universidade Estadual do Ceará; 2007. 115f.

Brasil, Conselho Nacional de Saúde (BR). Resolução n. 196/96. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília(DF): Conselho Nacional de Saúde; 1996.

Moreira TMM. Descrevendo a não adesão ao tratamento da hipertensão a partir de uma compreensão de sistemas. 154f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem). Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Universidade Federal do Ceará, 1999.

Katzung BG. Farmacologia: Básica e Clínica. Rio de Janeiro, 9ª ed: Guanabara Koogan, 2006. 1008p.

Muniz Filha MJM. Diagnósticos de enfermagem em pacientes com complicações da hipertensão arterial internados em Unidades de Terapia Intensiva Coronariana. [Dissertação] Fortaleza: Mestrado Acadêmico Cuidados Clínicos em Saúde, Universidade Estadual do Ceará, 2007. 91f.

Santos ZMSA, Silva RM. Prática do autocuidado vivenciada pela mulher hipertensa: uma análise no âmbito da educação em saúde. Rev Bras Enferm. 2006; 59(2): 206-11.

Castro VD, Car MR. O cotidiano da vida de hipertensos: mudanças, restrições e reações. Rev. Esc. Enferm. USP. 2000; 34(2): 145-53.

Sousa ALL. Educando a pessoa hipertensa. In: Pierin AMG. Hipertensão Arterial: uma proposta para o cuidar. São Paulo: Manole, 2004.

Silva DB et al. Descrição de fatores de risco cardiovascular em hipertensos com complicações. In: Moreira TMM, Silva MGC da. Hipertensão Arterial - nós críticos, epidemiologia e condições clínicas associadas . Fortaleza: EdUECE, 2013.

Cenatti JL, Lentsck, MH, Prezotto KH, Pilger C. Caracterização de usuários hipertensos de uma unidade básica de saúde da família. REAS [Internet]. 2013; 2(1):21-31.




DOI: https://doi.org/10.18554/

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/