COMO O ENSINO VÊ A VARIAÇÃO?

Rosane de Andrade Berlinck

Resumo


Pensar as correlações entre variação linguística e ensino é tanto necessário quanto urgente, se desejamos tornar o ensino da língua mais adequado, mais justo e mais significativo. Parto, por um lado, de um conjunto já bem consolidado de conceitos derivados das investigações sobre a linguagem, que assumem a natureza variável das línguas (no espaço, no tempo, nas situações) e a relação intrínseca que essa variação tem com a estrutura social, com as necessidades comunicativas dos falantes, com as necessidades e desejos que os falantes têm de construir sua identidade social. Por outro lado, observamos que o ensino da língua portuguesa tem se pautado usualmente em uma visão que supõe a língua como uma realidade estática. Proponho contrapor os dois componentes dessa questão, para revelar onde se estabeleceu algum vínculo e onde ele está por construir. No primeiro caso, busco avaliar o vínculo – como se fala de variação quando se fala de variação; no segundo, busco as razões da ausência – desconhecimento ou indiferença?


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18554/ri.v5i1.302

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 ISSN 1981-0601

 Qualis B2 (LINGUíSTICA E LITERATURA/ Quadriênio 2013-2016)