Práticas grupais no âmbito jurídico brasileiro focadas na violência: uma revisão integrativa

Juliana de Oliveira, Camila Aparecida Peres Borges, Pablo de Carvalho Godoy Castanho, Tales Vilela Santeiro

Resumo


Este estudo tem como objetivo apresentar uma revisão integrativa sobre práticas grupais realizadas em âmbito jurídico, acerca da temática violência, no contexto brasileiro. A revisão foi realizada por meio das bases de dados LILACS, PePSIC, PsycINFO e SciELO, no primeiro semestre de 2017, considerando o período de 2000 a 2016. A partir dos critérios de inclusão e exclusão foram recuperados 16 artigos. Os estudos se caracterizaram como empíricos; foram realizados com vítimas, autores e profissionais que atuam com a temática violência; focaram práticas grupais eficazes em relação a violência no contexto jurídico. Houve indícios de falta de capacitação de profissionais dessa área, em parte da produção analisada. Constatou-se que as configurações grupais podem ser formas eficazes, e adequadas de atendimento no âmbito do judiciário, sendo um recurso disponível para os profissionais, e como forma de tratamento para vítimas e agressores.


Palavras-chave


Violência; Psicoterapia de grupo; Sistema de justiça

Referências


Dahlberg LL, Krug EG. Violência: um problema global de saúde pública. Ciênc Saúde Colet. 2006; 11(Supl):1163-78.

Sacramento LT, Rezende MM. Violências: lembrando alguns conceitos. Aletheia. 2006; (24):95-104.

Krug EG, Dahlberg LL, Mercy JA, Zwi AB, Lozano R, organizadores. Relatório mundial sobre violência e saúde. Geneva: Organização Mundial da Saúde; 2002.

Minayo MCS. Conceitos, teorias e tipologias de violência: a violência faz mal à saúde individual e coletiva. In: Sousa ER, organizador. Curso impactos da violência na saúde. Rio de Janeiro: EAD/ENSP; 2007. p. 24-35.

Ávila LA. O grupo como método In: Ávila LA. Grupos: uma perspectiva psicanalítica. São Paulo: Zagodoni; 2016. p.23-36.

Barbour R. Grupos focais. Porto Alegre: Artmed; 2009.

Carvalho CA, Medina RM, Bossetto S, Cruz TA. Grupo de acolhimento: relato de experiência. Psicol Rev. 2008; 17(1/2):43-58.

Zimerman DE. Fundamentos básicos das grupoterapias. 2ed. Porto Alegre: Artmed; 2000.

Penna C, Castanho P. Group analytic psychotherapy in Brazil. Int J Group Psychotherapy. 2015; 65(4):637-46.

Brito LMT. Anotações sobre a psicologia jurídica. Psicol Ciênc Prof. 2012; 32(spe):194-205.

Costa LF, Penso MA, Almeida TMC. O Grupo multifamiliar como um método de intervenção em situações de abuso sexual infantil. Psicol USP. 2005; 16(4):121-46.

Costa LF, Ribeiro A, Junqueira EL, Meneses FFF, Stroher LMC. Grupo multifamiliar com adolescentes ofensores sexuais. Psico. 2011; 42(4):450-6.

Habigzang LF, Hatzenberger R, Corte FD, Stroeher F, Koller S. Avaliação de um modelo de intervenção psicológica para meninas vítimas de abuso sexual. Psicol Teor Pesqui. 2008; 24(1):67-76.

Costa LF. Participação de famílias no grupo multifamiliar de adolescentes ofensores sexuais: vergonha e confiança. Psicol Clín. 2011; 23(1):185-201.

Costa LF, Almeida TMC, Ribeiro MA, Penso MA. Grupo multifamiliar espaço para a escuta das famílias em situação de abuso sexual. Psicol Estud. 2009; 14(1):21-30.

Guareschi NMF, Weber A, Comunello LN, Nardini M. Discussões sobre violência: trabalhando a produção de sentidos. Psicol Reflex Crit. 2006; 19(1):122-30.

Scorsolini-Comin F. Guia de orientação para iniciação científica. São Paulo: Atlas; 2014.

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein. 2010; 8(1):102-6.

Yin RK. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso; 2016.

Tubert-Oklander J, Tubert RH. Operative groups: the latin-american approach to group analysis. London: Jessica Kingsley Publishers; 2004.

Castanho P. Um modelo psicanalítico para pensar e fazer grupos em instituições. [tese]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; 2012.

Marques CC, Czermark R. O olhar da psicologia no abrigo: uma cartografia. Psicol Soc. 2008; 20(3):360-6.

Olmos JRD, Henriques WM. Grupo de reflexão: perfurando máscaras, levantando suspeitas e resgatando paixões. Rev SPAGESP. 2006; 7(2):1-10.

Oliveira AM, Cárita KP, Ernesto MLG. Cidadania: um tema possível no trabalho com vítimas de violência. Psic Rev. 2008; 17(1):113-30.

Freitas CPP, Habigzang LF. Percepções de psicólogos sobra a capacitação para intervenção com vítimas de violência sexual. Psicol Clín. 2013; 25(2):215-30.

Costa LF, Castilho EWV, Barreto FCO, Jacobina OMP. A eficiência das penas alternativas na perspectiva das vítimas. Psico. 2010; 41(3):346-55.

Silva LMP, Ferriani MGC, Silva MAI. O Poder Judiciário como última instância de proteção às crianças e aos adolescentes: ações intersetoriais, investimento em recursos humanos e estruturação dos serviços. Rev Latinoam Enferm. 2012; 20(3):9 telas.

Silva LMP, Ferriani MGC, Silva MAI. Violência sexual intrafamiliar contra crianças e adolescentes: entre a prevenção do crime e do ano. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2012; 12(4):403-11.

Bussinger R, Novo H. Trajetória de vítimas de violência: dor e solidariedade entre mães de uma associação do Espírito Santo. Rev Psicol Polít. 2008; 8(15):107-20.

Bocco F, Lazzarotto GDR. (Infr)atores juvenis: artesãos de análise. Psicol Soc. 2004; 16(2):37-46.

Machado MRC. Narrativa de mulheres vítimas de violência: passos do processo. Psicol Teor Prát. 2004; 6(1):97-104.

Ministério da Saúde (Br). Violência intrafamiliar: orientações para prática em serviço. Brasília, DF: Secretaria de Políticas de Saúde; 2002.




DOI: https://doi.org/10.18554/refacs.v6i4.3294

Apontamentos

  • Não há apontamentos.