Alergênicos alimentares: avaliação do cumprimento da legislação de rotulagem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18554/rbcti.v5i2.3661

Palavras-chave:

alergênicos, alimentos industrializados, RDC 26, rótulos

Resumo

: A prevalência de alergias alimentares tem aumentado nos últimos anos devido à modificação dos hábitos alimentares. Alergia alimentar é uma reação adversa que ocorre quando o organismo reconhece o alimento como uma entidade agressora ao organismo mediada por mecanismos imunológicos. A rotulagem é a principal ferramenta de informação entre o consumidor e o produto. O presente trabalho teve por objetivo avaliar se a RDC n. 26 de 02/07/2015 está sendo devidamente aplicada pelos fabricantes de alimentos. Para tanto utilizou-se uma pesquisa qualitativa sob o ponto de vista descritivo. Realizou-se visitas aos principais supermercados de Uberaba para avaliar os produtos quanto a legislação de rotulagem para alergênicos alimentares. Conclui-se que a informação no rótulo do alimento é muito importante, levando em conta que quem sofre com a alergia tem uma segurança maior quando a informação é clara, objetiva e legível, já que a prevenção é a única forma de proteção da alergia alimentar. A legislação brasileira de advertência de rotulagem de alergênicos alimentares mostrou-se comprometida, trazendo uma linguagem mais clara e de fácil acesso aos consumidores. O resulto foi satisfatório para a maioria dos itens analisados quanto ao cumprimento das diretrizes exigidas.

Referências

ALMEIDA, M. M.; PRATES, S.; PARGANA, E.; ARÊDE, C.; GODINHO N.; TAVARES, C. et al. Alergia alimentar em crianças numa consulta de imunologia. Revista Portuguesa Imunoalergologia, v.7, n.3, p. 167-171, 1999.

ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Rotulagem nutricional obrigatória: Manual de orientação aos consumidores educação para o consumo saudável. Brasília: Ministério da Saúde, ANVISA/UNB, 2001. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/alimentos/rotulos/manual_rotulagem.PDF. Acesso em: 26 fev. 2019.

ARAUJO, E.; BORTOLETTO, A. P. Rotulagem de alimentos: avanços e desafios. 2015. Disponível em: http://www.mobilizadores.org.br/wpcontent/uploads/2015/12/ CartilhaRotulagem-de-Alimentos_Avancos-e-Desafios_final.pdf. Acesso em: 26 fev. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução n. 259 de 20 de setembro de 2002. Disponível em: https://lcqa.farmacia.ufg.br/up/912/o/resoluo_rdc_n_259_2002_-_rotulagem_em_geral.pdf. Acesso em: 26 fev. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução n. 26 de 02 de julho de 2015. Disponível em: https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=286510. Acesso em: 26 fev. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução n. 136, de 08 de fevereiro de 2017. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/2955920/RDC_136_2017_.pdf. Acesso em: 26 fev. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 10.674, de 16 de maio de 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.674.htm. Acesso em: 26 fev. 2019.

COSTA, J.; OLIVEIRA, M. B. P. P.; MAFRA, I. Alergénios Alimentares: o que são, o que provocam e como detetá-los? Química, n. 127, p. 33-38, 2012.

GASPARIN, F. S. R.; TELES, J. S.; ARAÚJO, S. C. Alergia à proteína do leite de vaca versus intolerância à lactose: as diferenças e semelhanças. Revista Saúde e Pesquisa, v. 3, n. 1, p.107-114, 2010.

GUEDES, A. Dados em rótulo podem salvar vida de alérgico. Jornal do Senado. Especial Cidadania, Brasília Ed. 556. maio 2016. Disponível em: http://www12.senado.leg.br/cidadania/edicoes/556/dados-em-rotulo-podem-salvar-vida-dealergico. Acesso em: 26 fev. 2019.

MARINS, B. R.; JACOB, S. C.; PERES, F. Avaliação qualitativa do hábito de leitura e entendimento: recepção das informações de produtos alimentícios. Ciência e Tecnologia Alimentos, v. 28, n. 3, p. 579-585, 2008.

MIRANDA, C. C. S.; GAMA, L. L. A. Inadequação da rotulagem de alimentos alergênicos: risco para indivíduos com hipersensibilidade alimentar. Demetra: alimentação, nutrição & saúde, v. 13, n. 3, p. 731-743, 2018.

NUNES, M.; BARROS, R.; MOREIRA, P.; MOREIRA, A.; ALMEIDA, M. M. Alergia alimentar. Portugal. Ministério da Educação e Ciência e Ministério da saúde. 2012.

OLIVEIRA, V. C. D. Alergia à proteína do leite de vaca e intolerância à lactose: abordagem nutricional e percepções dos profissionais da área da saúde. 2013. 104 f. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia do Leite e Derivados) - Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, 2013.

PEREIRA, A. C. S.; MOURA, S. M.; CONSTANT, P. B. L. Alergia alimentar: sistema imunológico e principais alimentos envolvidos. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, v. 29, n. 2, p. 189-200, 2008.

SOLE, D.; SILVA, L. R.; ROSÁRIO FILHO, N.; SARNI, R. O. S. Consenso Brasileiro sobre Alergia Alimentar: 2007. Revista Brasileira Alergia e Imunopatologia, v. 31, n. 2, p. 64-89, 2008.

SOUZA, C.; PASSADA, D.; RIBEIRO, F.; ANTUNES, J. D.; DIAS, M.; AMARO, S. et al. Põe no rótulo. Cartilha de Alergia Alimentar, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: http://poenorotulo.com.br/CartilhaAlergiaAlimentar_29AGO.pdf. Acesso em: 26 fev. 2019.

Downloads

Publicado

2021-02-26

Como Citar

Valeriano, M. L., Malpass, G. R. P., Okura, M. H., & Malpass, A. C. G. (2021). Alergênicos alimentares: avaliação do cumprimento da legislação de rotulagem. Revista Brasileira De Ciência, Tecnologia E Inovação, 5(2), 112–123. https://doi.org/10.18554/rbcti.v5i2.3661

Edição

Seção

Artigos Originais