Avaliação da qualidade posicional de dados espaciais gerados por VANT para aplicações cadastrais do cemitério municipal de Monte Carmelo, Minas Gerais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18554/rbcti.v6i1.5338

Palavras-chave:

Classificação, PEC, VANT.

Resumo

Mediante a avaliação da qualidade de produtos cartográficos, surgiram-se especificações e técnicas com finalidade de regulamentar e padronizar processos relacionados à produção cartográfica nacional, em particular, a digital. Neste trabalho, destaca-se a importância da utilização de técnicas estatísticas no controle da qualidade posicional em dados espaciais. Para isso, avaliou-se uma imagem adquirida por VANT (Veículo Aéreo Não Tripulado), usando as feições pontuais (pontos homólogos utilizados para verificação dos dados a partir de informações confiáveis), conforme o padrão de acurácia posicional brasileiro (Decreto-lei 89.817 aliado à ET-ADGV) e utilizando como referência, dados obtidos por meio de um levantamento geodesico executado através do método de posicionamento RTK (Real Time Kinematic). Duas situações foram consideradas na avaliação da qualidade posicional: a primeira referente à utilização da imagem não corrigida geometricamente (mantendo apenas informação posicional do VANT) e a segunda relativa ao uso da imagem corrigida geometricamente. Dos resultados obtidos, observou-se que, a partir das coordenadas homólogas coletadas através da imagem corrigida, as amostras não apresentaram tendência, revelando-se serem livres de erros sistemáticos, sendo classificada na classe A. No entanto, ao utilizar dados da imagem sem correção, obteve-se uma classificação C de acordo com o PEC (Padrão de Exatidão Cartográfico).

Biografia do Autor

Mariana dos Santos Pelegrini, Universidade Federal de São Carlos

Possui Graduação em Engenharia de Agrimensura e Cartográfica pela Universidade Federal de Uberlândia com TCC “Avaliação da qualidade posicional de dados espaciais gerados por VANT para aplicações cadastrais do cemitério municipal de Monte Carmelo - MG”, Pós Graduação a nível de Especialização em Geoprocessamento Aplicado pela Universidade Federal de São Carlos com TCC “Áreas de preservação permanente urbanas e análise de inundações no Município de São Carlos, SP - Aplicação do Código Florestal Brasileiro no Córrego do Monjolinho” e atualmente cursa Mestrado no Programa de Pós Graduação em Sustentabilidade e Gestão Ambiental (PPGSGA) na Universidade Federal de São Carlos com as seguintes pesquisas em andamento: “Levantamento e análise dos elementos do meio físico da Sub-bacia do Rio Claro”, “Estudos hidrológicos e dos elementos do uso e ocupação da terra na Sub-bacia do Rio Claro” e “Caracterização da fragilidade da Sub-bacia do Rio Claro”. Além disso, realizou se Projeto de Iniciação Científica - PIBIC na área de Geotecnologias com o trabalho “Aplicação de Geotecnologias para auxílio na administração do cemitério municipal de Monte Carmelo, MG”. Hoje trabalha como professora ministrando aulas nas faculdades FEAP (Pirassununga) e FEASP (São Paulo) em matérias como Geodésia, Geoprocessamento, Sistemas de Informação Geográfica, Cartografia, Cadastro Técnico Multifinalitário, Astronomia de Posição, Sensoriamento Remoto, Métodos de Posicionamento por Satélites, Georreferenciamento de Imóveis Rurais e Urbanos, Aerolevantamentos, Fotogrametria e Topografia.

Referências

ANDERSON, P. et al. Fundamentos para Fotointerpretação. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Cartografia, 1982.

ANDRADE, J.B. de. Fotogrametria. Curitiba: SBEE, 1998.

ARIZA, F.J.; ATKINSON, A.D. Analysis of Some Positional Accuracy Assessment Methodologies. Journal of Surveying Engineering 134 (2). American Society of Civil Engineers:45–54. 2008.

CAMBOIM, S. P.; SLUTER, C. R. (2009) The National Topographic Mapping as an Indispensable Database for a Brazilian National Spatial Data Infrastructure (NSDI). In: Proceedings of the XXIV International Cartographic Conference (p. 15-21). Santiago de Chile: NSDI.

COELHO, L.; BRITO, J. Fotogrametria digital. 2. ed. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2007.

CRÓSTA, A. P. Processamento Digital de Imagens de Sensoriamento Remoto. 1992. Disponível em: https://docplayer.com.br/6298063-Especificacao-tecnica-para-a-aquisicao-de-dados-geoespaciais-vetoriais-et-adgv.html Acesso em: 27 ago. 2021.

DALMOLIN, J. A. Avaliação do uso da fotogrametria digital em levantamentos topográficos. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Civil). Universidade Federal de Santa Catarina. Centro Tecnológico de Joinville, 2018. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/191768 Acesso em: 27 ago. 2021.

DSG. 2011. Especificação Técnica Para a Aquisição de Dados Geoespaciais Vetoriais (ETADGV).

GALO, M., and CAMARGO, P.O. 1994. “O Uso Do GPS No Controle de Qualidade de Cartas.” In: 1° Congresso Brasileiro de Cadastro Técnico Multifinalitário. Florianópolis, Brazil.

IBGE. Noções básicas de Cartografia. Manuais Técnicos em Geociência. Nº8, 1989.

ISO. 2002. ISO 19113: Geographic Information - Quality Principles. JIMÉNEZ-RUEDA, J. R., NUNES, E., MATTOS, J. T. (1993). Caracterização fisiográfica e morfoestrutural da Folha São José de Mipibu – RN. Geociências, 12(2), 481-491.

JARDIM, H. C. M.; GOMES, G. A. M. Utilização da fotogrametria para levantamentos topográficos na construção civil. 2020. Disponível em: repositorio.unis.edu.br/bitstream/prefix/1318/1/Hugo%20C%c3%a9sar%20Mendes%20Jardim.pdf Acesso em: 27 ago. 2021.

KEATES, J. S. Cartographic Design and Production. New York: Longman. 1973.

MACHADO, A. A.; CAMBOIM, S. P. Mapeamento colaborativo como fonte de dados para o planejamento urbano: desafios e potencialidades. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana [online]. 2019, v. 11, e20180142. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-3369.011.e20180142>. Epub 27 Jun 2019. ISSN 2175-3369. e20180142. Acesso em: 27 ago. 2021.

MENEZES, P. M. L.; FERNANDES, M. C. Roteiro de Cartografia. São Paulo: Oficina de Textos, 288, 2013.

MERCHANT, D.C. 1982. “Spacial Accuracy for Large Scale Line Maps.” In: Technical Congress of Surveying and Mapping, 222–31.

MONTGOMERY, D.C; RUNGER, G.C. 2010. Applied Statistics and Probability for Engineers.

NERO, M.A. 2005. “Propostas para o Controle de Qualidade de Bases Cartográficas com Ênfase na Componente Posicional.” São Paulo, Brasil: Escola Politécnica da USP.

NOGUEIRA Júnior, J.B., MONICO J.F.G, and TACHIBANA, V.M. 2004. “Tamanho da amostra no controle de qualidade posicional de dados cartográficos.” Boletim de Ciências Geodésicas.

NERO, M.A. 2005. “Propostas para p Controle de Qualidade de Bases Cartográficas com Ênfase na Componente Posicional.” São Paulo, Brazil: Escola Politécnica da USP, Brazil.

NICHOLS, S. Land Registration: Managing Information for Land Administration. Technical Report #168, Depat. of Geodesy and Geomatics Engineering, University of New Brunswick, Canada, 1993.

PAIXÃO, S. K. S.; NICHOLS, S.; CARNEIRO, A. F. T. Cadastro Territorial Multifinalitário: dados e problemas de implementação do convencional ao 3D e 4D. Boletim de Ciências Geodésicas [online]. 2012, v. 18, n. 1, pp. 3-21. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S1982-21702012000100001>. Epub 11 Abr 2012. ISSN 1982-2170. Acesso em: 27 ago. 2021.

ROSA, R.; BRITO, J. L. S. Introdução ao Geoprocessamento: Sistema de Informações Geográficas. Uberlândia, 1996.

SANTOS, A. P. Avaliação Da Acurácia Posicional Em Dados Espaciais Com O Uso de Estatística Espacial. Viçosa, Universidade Federal de Viçosa, Brasil, 2010.

TOMMASELLI, A. M. G. Fotogrametria Básica. 2004. p. 181.

WONG, D.W.S.; LEE, J. “Statistical Analysis of Geographic Information with ArcView GIS and ArcGIS.” John Wiley & Sons. 2005.

Publicado

2021-08-27

Como Citar

Pelegrini, M. dos S. (2021). Avaliação da qualidade posicional de dados espaciais gerados por VANT para aplicações cadastrais do cemitério municipal de Monte Carmelo, Minas Gerais. Revista Brasileira De Ciência, Tecnologia E Inovação, 6(1), 38–53. https://doi.org/10.18554/rbcti.v6i1.5338

Edição

Seção

Artigos Originais