EXPERIÊNCIAS DE ACOLHIMENTO SEGUNDO PROFISSIONAIS DE UM CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

Renata Fabiana Pegoraro, Ludmilla Suelen Nunes Bastos

Resumo


Objetivos: Este artigo teve como objetivo identificar as concepções sobre o processo de acolhimento realizado em um Centro de Atenção Psicossocial segundo seus profissionais. Método: A pesquisa realizada foi qualitativa, de natureza descritiva, e fez uso de um roteiro de entrevistas, aplicado em quatro profissionais, sobre o funcionamento do CAPS e os cuidados prestados, além de observação participante. As entrevistas foram transcritas e submetidas à análise de conteúdo. Resultados: Os participantes destacaram mudanças na forma de realizar o acolhimento a partir de mudanças na demanda do CAPS, bem como apresentaram pontos positivos e dificuldades da realização de um grupo de acolhimento. Conclusão: Destaca-se a aproximação de familiares-usuários-equipe a partir do grupo de acolhimento, pelo desenvolvimento de escuta e vínculo, bem como o funcionamento deste grupo como forma de minimizar dificuldades advindas de falhas na rede de saúde mental local.


Texto completo:

PDF PDF ENGLISH

Referências


Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde (BR). Saúde Mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2004. 86p. [acesso 21 jan 2015]. Disponível em: http://www.ccs.saude.gov.br/saude_mental/pdf/sm_sus.pdf‎.

Franco TB, Bueno WS, Merhy EE. O acolhimento e os processos de trabalho em saúde: o caso de Betim, Minas Gerais, Brasil. Cadernos de Saúde Pública. 1999; 15 (2): 345-353.

Silva LG, Alves MS. O Acolhimento como Ferramenta de Práticas Inclusivas de Saúde. Rev. APS. 2008; 11(1): 74-84.

Scheibel A, Ferreira LH. Acolhimento no CAPS: Reflexões Acerca da Assistência em Saúde Mental. Revista Bahiana de Saúde Pública. 2011; 35(4): 966-983.

Coimbra VCC, Kantorski LP. O Acolhimento num Centro de Atenção Psicossocial. Rev. Enfermagem UERJ. 2005; 13:57-62.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização (BR). Acolhimento nas Práticas de Produção de Saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2006. 44p. [acesso em 19 jan 2015]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/acolhimento_praticas_producao_saude.pdf.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2006. 281p.

Mendes EV. Editorial. REAS [internet]. 2013 [acesso em: 20 jan 2015]; 2 ESp2:1-3. Disponível em: http://www.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/enfer/article/download/552/416.

Schmidt MB, Figueiredo AN. Acesso, Acolhimento e Acompanhamento: Três Desafios para o Cotidiano as Clínica em Saúde Mental. Rev. Latinoam. Psicopat. Fund. 2009; 12 (1): 130-140.

Gomes MCPA, Pinheiro R. Acolhimento e vínculo: práticas de integralidade na gestão do cuidado em saúde em grandes centros urbanos. Interface -Comunic, Saúde, Educ. 2005; 9 (17): 287-301.

Jorge MSB, Pinto DM, Quinderé PHD, Pinto AGA, Sousa FSP, Cavalcante CM. Promoção da Saúde Mental – Tecnologias do Cuidado: vínculo, acolhimento, co-responsabilização e autonomia. Ciência & Saúde Coletiva. 2011, 16(7): 3051-3060.

Silva L, Moreno V. A religião e a experiência do sofrimento psíquico: escutando a família. Ciência, Cuidado e Saúde. 2004; 3(2): 161-168.

Ballarin MLGS, Carvalho FB, Ferigato SH, Miranda IMS, Magaldi CC. Centro de atenção psicossocial: convergência entre saúde mental e coletiva. Psicologia em Estudo. 2011; 16(4): 603-611.




DOI: https://doi.org/10.18554/reas.v6i1.1525

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/