Argumentação e demonstração em matemática: a visão de alunos e professores

João Caldato, Miriam Cardoso Utsumi, Lilian Nasser

Resumo


Com o objetivo de investigar a visão de alunos e professores sobre argumentação e demonstração matemática, à luz da tipologia de provas de Balacheff (1988), aplicamos um questionário a professores da Educação Básica do interior do Estado de São Paulo. A partir da análise dos questionários, selecionamos duas turmas do 9º ano do Ensino Fundamental, de professores e escolas públicas distintas que resolveram um teste para avaliar o nível de prova desses alunos. Dentre os resultados obtidos, verificou-se que, em geral, os docentes adotam como sinônimos os termos argumentação, explicação e demonstração, e isto é refletido nas resoluções dos discentes, que apresentam o nível de prova classificado como empirismo ingênuo. Acreditamos que os cursos de licenciatura devem proporcionar aos futuros professores a oportunidade de conceber a argumentação e demonstração como um recurso metodológico a ser utilizado em sala de aula, a fim de criar um ambiente favorável à exploração-investigação da matemática. 


Texto completo:

PDF

Referências


AGUILAR JUNIOR, C. A. Postura de docentes quanto aos tipos de argumentação e prova matemática apresentados por alunos do ensino fundamental. 2012. 144 f. Dissertação de Mestrado em Ensino de Matemática - Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2012.

BALACHEFF, N. Processus de preuve et situations de validation. Educational Studies in Mathematics, v. 18, n. 2, p. 147-176, 1987.

______. Aspects of proof in pupil’s practice of school mathematics. In: D. PIMM (ed.). Mathematics teachers and children. London: Hodder and Stoughton, 1988, p. 216-235.

BRASIL. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível em: . Acesso em: 31 jan. 2018.

______. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. 3ª versão. Brasília: MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em: < http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_20dez_site.pdf >. Acesso em: 31 jan. 2018.

FIORENTINI, D.; OLIVEIRA, A. T. O lugar das matemáticas na licenciatura em Matemática: que matemáticas e que práticas formativas? Bolema, v. 27, n. 47, p. 917-938, 2013.

GARNICA, A. V. M. As demonstrações em educação matemática: Um ensaio. Bolema, v. 15, n. 18, p. 91-99, 2012.

GRAVINA, M. A. Os ambientes de geometria dinâmica e o pensamento hipotético dedutivo. 2001. 277 f. Tese de Doutorado em Informática na Educação - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: 2001.

MATEUS, M. E. A. Um estudo sobre os conhecimentos necessários ao professor de Matemática para a exploração de noções concernentes às demonstrações e provas na Educação Básica. 2015. 269 f. Tese de Doutorado em Educação Matemática - Universidade Anhanguera de São Paulo. São Paulo: 2015.

NASSER, L.; TINOCO, L. A. A. Argumentação e provas no ensino de Matemática. 2 ed. Rio de Janeiro: UFRJ/Projeto Fundão, 2003. 109 p.

NUNES, J. M. V.; ALMOULOUD, S. A. Argumentação no ensino de Matemática: perspectivas metodológicas. REMATEC, n. 13, p. 145-169, 2013.

ORDEM, J. Prova e demonstração em geometria plana: concepções de estudantes da licenciatura em ensino de Matemática em Moçambique. 2015. 341 f. Tese de Doutorado em Educação Matemática - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2015.

PIETROPAOLO, R. C. (Re) significar a demonstração nos currículos da educação básica e da formação de professores de Matemática. 2005. 388 f. Tese de Doutorado em Educação Matemática - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2005.

SOUZA, M. E. C. O. A questão da argumentação e prova na matemática escolar: o caso da medida da soma dos ângulos internos de um quadrilátero qualquer. 2009. 115 f. Dissertação de Mestrado Profissional em Ensino de Matemática - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2009.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v10i2.2583

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.