IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA POR PUÉRPERAS ÀS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PRÉ-NATAL

Tamie de Carvalho Maeda, Bibiane Dias Miranda Parreira, Sueli Riul Silva, Ana Carolina D’Arelli Oliveira

Resumo


Objetivo: identificar a percepção das puérperas sobre a importância e satisfação com o Pré-Natal; identificar as suas percepções sobre as atividades educativas; identificar os fatores que favorecem e dificultam a adesão às atividades educativas. Método: estudo descritivo, transversal, com abordagem quantitativa com 126 puérperas internadas no Hospital de Clínicas da UFTM entre junho/agosto de 2010. As respostas foram analisadas por estatística descritiva. Resultados: A atenção das mulheres durante o Pré-Natal direcionou-se à saúde do filho. As atividades educativas foram desenvolvidas principalmente pelo enfermeiro e houve maior incentivo ao aleitamento materno. Horário de serviço e falta de interesse pessoal foram as principais dificuldades citadas em participar das atividades educativas, o interesse pessoal e atenção do profissional foram os facilitadores. Conclusão: Compreendendo-se a percepção de puérperas sobre o Pré-Natal pode-se criar subsídios para profissionais refletirem sobre sua prática e os reflexos desta na saúde da mulher e de seu concepto.


Texto completo:

PDF

Referências


Rios CTF, Vieira NF, Neiva FC. Ações educativas no pré-natal: reflexão sobre a consulta de enfermagem como um espaço para educação em saúde. Ciênc saúde coletiva. 2007; 12(2): 477- 486.

Ministério da Saúde (BR). Pré-natal e puerpério - Atenção qualificada e humanizada. 3ed. Brasília (DF); 2006.

Neto FRGX, Leite JL, Fuly OS, Cunha ICKO, Clemente AS, Dias MAS, et al . Qualidade da atenção ao pré-natal na estratégia saúde da família em Sobral, Ceará. Rev bras enferm. 2008; 61(5): 595 -602.

Melo JM, Brandão EHS, Dutra SMV, Iwazawa AT, Albuquerque RS. Conhecendo a captação de informações de mães sobre cuidados com o bebê na estratégia saúde da família. Texto Contexto Enferm. 2007; 16(2): 280-6.

Pessoa IN, Menezes ED, Ferreira TF, Dotto LMG, Bessa LF. Percepção de puérperas sobre assistência de enfermagem na gravidez. Cienc cuid saúde. 2009; 8(2):236-241.

Shimizu HE, Lima MG. As dimensões do cuidado pré-natal na consulta de enfermagem. Rev Bras de Enferm. 2009; 62(3): 387-92.

Gomes RMT, César JA. Perfil epidemiológico de gestantes e qualidade do pré-natal em unidade básica de saúde em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2013; 8(27):80-9.

Leite FMC, Barbosa TKO, Mota JS, Nascimento LCN, Amorim MAC, Primo CC. Perfil socioeconômico e obstétrico de puérperas assistidas em uma maternidade filantrópica. Cogitare Enferm. 2013; 18(2):344-50.

Gonçalves CV, César JA, Sassi RAM. Qualidade e eqüidade na assistência à

gestante: um estudo de base populacional no Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública. 2009; 25(11):2507-16.

Prietsch SOM, González-Chica DA, Cesar JA, Mendoza-Sassi RA. Gravidez não planejada no extremo Sul do Brasil: prevalência e fatores associados. Cad. Saúde Pública. 2011; 27(10):1906-16.

Sebastião JHD, Sônia MOA. O Significado do Pré-Natal para mulheres grávidas: uma experiência no município de Campo Grande, Brasil. Saúde Soc. 2008; 17(2): 132-9.

Gama SGN, Szwarcwald CL, Sabroza AR, Branco VC, Leal MC. Fatores associados à assistência pré-natal precária em uma amostra de puérperas adolescentes em Maternidades do Município do Rio de Janeiro, 1999-2000. Cad. Saúde Pública. 2004; 20(1): 101-11.

Parada CMGL, Tonete VLP. O cuidado em saúde no ciclo gravídico-puerperal sob a perspectiva de usuárias de serviços públicos. Interface (Botucatu). 2008, 12(24): 35-46.

Ognibeni, LCR. Avaliação da assistência pré-natal, com ênfase nos processos de orientação às mulheres: o ponto de vista das puérpera [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade do Estado do Rio de Janeiro-UERJ; 2009.

Santos RV, Penna CMM. A educação em saúde como estratégia para o cuidado à Gestante, puérpera e ao recém-nascido. Texto Contexto Enferm. 2009; 18(4): 652-60.

Souza VB, Roecker S, Marcon SS. Ações educativas durante a assistência pré-natal: percepção de gestantes atendidas na rede básica de Maringá-PR. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2011 [acesso em: 05 mar 2014]; 13(2):199-210. Dinsponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v13/n2/v13n2a06.htm

Boccolini CS, Carvalho ML, Oliveira MIC, Vasconcellos AGG . Fatores associados à amamentação na primeira hora de vida. Rev Saude Publica 2011;45(1):69-78.

Paniz VMV, Fassa AG, Silva MC. Conhecimento sobre anticoncepcionais em uma população de 15 anos ou mais de uma cidade do Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública. 2005; 21(6):1747-1760.

Silva SR, Lício FC, Borges LV, Mendes LC, Vicente NG, Gomes NS. Atividades educativas na área da saúde da mulher: um relato de experiência. Revista de Enfermagem e Atenção à Saúde. 2012; 01(1): 106-12.

Cunha MA, Mamede MV, Dotto LMG, Mamede FV. Assistência pré-natal: competências essenciais desempenhadas por enfermeiros. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2009; 13(1): 145-53.




DOI: https://doi.org/10.18554/

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/