A importância da literatura africana no ensino da história e das culturas da África: a desconstrução da ideia de um continente genérico

Libéria Rodrigues Neves, Jéssica Gonçalves Santomauro

Resumo


Uma das grandes conquistas da luta antirracial no Brasil reside na promulgação da Lei 10.639/03, a qual estabelece que, a partir de então, passa a ser obrigatória a inclusão do estudo da História da África e dos Africanos nos estabelecimentos de Ensino Fundamental ou Médio, sejam privados ou públicos, bem como o ensino da Cultura Afro-Brasileira. Diante disso, os professores são incentivados a ensinar por meio de pesquisas teóricas e práticas que se contraponham à vertente eurocêntrica da história tratada nas escolas como única e soberana. Os recursos para tal consistem em materiais e projetos pedagógicos, os quais incluem o uso da literatura. Quer-se aqui destacar esta última, enquanto manifestação artística, que, além de sua função estética, utiliza a língua como um instrumento de comunicação e interação, de difusão da cultura e democratização do conhecimento. Deste modo, constituindo-se como material didático ou paradidático utilizado na educação para a abordagem de um tema. Entretanto, não são raros nas bibliotecas escolares os livros que reproduzem caracterizações exacerbadas, que limitam sociedades a certos costumes, ou disfarçam-se de histórias genuinamente africanas, de modo a apresentar aos leitores um continente de maneira estereotipada e generalizada. É neste sentido que o presente artigo busca discutir o uso da literatura como recurso para o ensino da História da África e suas culturas, nas quais encontram-se origens de grande parte da população brasileira, destacando-se, por meio de exemplos, a alternativa de privilegiar narrativas produzidas por autores africanos.

 


Palavras-chave


Literatura, África, História, Cultura

Texto completo:

PDF

Referências


ÁLVARES, A; DEL RIO, PABLO. Escritos sobre arte y educación creativa de Lev. S. Vygotski. Madrid: Fundación Infancia y aprendizaje, 2007. 172 p.

ANDERSON, Benedict. Comunidades Imaginadas. São Paulo: Companhia das Letras, 1991. 336 p.

ASARE, Meshack. O chamado de Sosu. São Paulo: Edições SM, 2005. 48 p.

BADOE, Adwoa & DIAKITÉ, Baba Wagué. História de Ananse. São Paulo: Edições SM, 1ª edição, agosto de 2006. 96 p.

BHABHA, Homi. A outra questão: o estereótipo, a discriminação e o discurso do colonialismo. In: O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998, p. 105-128.

BRASIL. Orientações e Ações para Educação das Relações Étnico-Raciais. Brasília: SECAD, 2006.

CHAMBERLIN, Mary & Rich. As panquecas de Mama Panya. São Paulo, Edições SM, 2005. 48 p.

COUTO, Mia. O Último voo do flamingo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. 232 p.

DEWEY, John. Arte como Experiência. Tradução Vera Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes, 2010. 648 p.

GUIMARÃES, Flávia Maia. Entre o receio da memória e o desejo da palavra: análise das obras O último voo do flamingo e Um rio Chamado tempo, uma casa chamada Terra, do escritor Mia Couto. 2009. 146 fls. Tese de Doutorado em Teoria da Literatura, Universidade Federal de Pernambuco. Disponível em acessado 18 de junho de 2016.

KILAKA, John. A Árvore Maravilhosa - Um livro ilustrado da Tanzânia. São Paulo, Martins Editor Livraria Ltda. 2010. 32 p.

MUDIMBE, Valentin-Yves. O poder do discurso. In: A invenção de África: gnose, filosofia e a ordem do conhecimento. Luanda, Mangualde (Portugal): Edições Pedago, 2013, p. 67-128.

MUNANGA, Kabengele (Org) Superando o Racismo na escola. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. 204 p.

ONDJAKI. Avó Dezanove e o segredo do soviético. Companhia das Letras, 2009. 192 p.

__________. Os da minha rua. Rio de Janeiro: Editora Língua Geral, 2009. 168 p.

PEPETELA. A gloriosa família: o tempo dos flamingos. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1997. 400 p.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL. Lei n. 10.639, de 09 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Brasília, 2003. Disponível em: . Acessada no dia 23 de abril de 2017.

__________. Lei n. 11.645, de 10 de março de 2008. Modificada pela Lei no 10.639, de 09 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Brasília, 2008. Disponível em: . Acessada no dia 23 de abril de 2017.

RUMFORD, James. Chuva de Manga. São Paulo, 5ª reimpressão 2010. Brinque-Book Editora de livros. 32 p.

SAID, Edward. Territórios sobrepostos, histórias entrelaçadas. In: Cultura e imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011, p. 34-73.

SILVA, Tássia F. de Oliveira. Lei 10.639/03: por uma educação antirracismo no Brasil, Revista INTERDISCIPLINAR, Ano VII, V.16, jul-dez de 2012, p103-116.

UNESCO. O surgimento de novas potências europeias. In: Coleção História Geral da África - Volume V. Brasília: UNESCO, Secad/MEC, UFSCar, 2010, p.12-17.

__________. O desenvolvimento da literatura moderna. In: Coleção História Geral da África - Volume VIII. Brasília: UNESCO, Secad/MEC, UFSCar, 2010. p.663-713.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v0i0.2554

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.