INTERDISCIPLINARIDADE E EDUCAÇÃO: DESAFIOS E POSSIBILIDADES FRENTE A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO

Carla Madalena Santos, Pedro Donizete Colombo Junior

Resumo


Este trabalho é um recorte da dissertação de mestrado: A interdisciplinaridade e o uso das TIC como fomento para o ensino de ciências e matemática no ensino fundamental II. O objetivo do texto é socializar a investigação realizada acerca das produções acadêmicas, expressas em teses e dissertações, sobre a interdisciplinaridade na educação, com foco na formação docente ou na prática docente, entre os anos de 2006 e 2016. As bases de dados consultadas no estudo foram a Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações e o depósito de teses da Capes. Como procedimento metodológico, foi utilizada a pesquisa do tipo “estado do conhecimento”, com abordagens qualitativa e quantitativa. As análises efetivadas apontam que poucos trabalhos foram produzidos nos últimos dez anos abordando tal temática, evidenciando, assim, a necessidade de novas pesquisas nesta área como forma de fomentar o trabalho docente frente à interdisciplinaridade nas práticas cotidianas, seja no âmbito da formação inicial ou em escolas de educação básica.

 


Palavras-chave


Interdisciplinaridade. Formação Docente. Prática Docente

Texto completo:

PDF

Referências


AYRES, S. R. B. Projetos de aprendizagem articulados ao uso das TICs: abertura para o diálogo interdisciplinar na formação de professores. 2012. 129f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Estado de Mato Grosso, Cáceres. MT, 2012. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2017.

BENINI, M. M. G. Possibilidades de aprendizagem do professor universitário numa experiência pedagógica interdisciplinar. 2006. 161f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2017.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto, PT: Porto Editora, 1994.

BORGES, H. S. Formação contínua de professores (as) da educação do campo no Amazonas (2010 a 2014). 2015. 245f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2017.

BORGES, M. C.; AQUINO, O. F.; PUENTES, R. V. Formação de professores no Brasil: história, políticas e perspectivas. Revista HISTEDBR On-line. Campinas, SP, v.11, n.42, p.94-112, jun. 2011. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2017.

BRASIL. Resolução nº 2, de 1º de julho 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Imprensa Nacional, 2 jul. 2015. Seção 1, n.124, p.8-12. Disponível em: Acesso: 30 jul. 2017.

CORDEIRO, E. O. Dissertações focalizando a interdisciplinaridade no programa de pós-graduação em educação e Ciências e Matemática da PUCRS: relações entre teoria e prática. 2012. 79f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012. Disponível em: . Acesso em: 30 jul. 2017.

COSTA. A atitude interdisciplinar docente e o desenvolvimento humano: foco no ensino médio de uma escola pública. 2012. 165f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Taubaté, Taubaté, SP, 2012. Disponível em: . Acesso em: 30 jul. 2017.

FAZENDA, I. C. A. Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia. 6.ed. São Paulo: Loyola Jesuítas, 2011.

______. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. São Paulo: Papirus, 1994. (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico).

______ (Org.); GODOY, H. P. (Coord.). Interdisciplinaridade: pensar, pesquisar e intervir. São Paulo: Cortes, 2014.

______ (Org.). O que é interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez, 2008.

FELDMANN, M. G. Formação de professores e escola na contemporaneidade. São Paulo: Editora do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial, 2009.

FIGUEIRÊDO, A. M. Práticas docentes nos primeiros anos do ensino fundamental o curso de pedagogia: enfoques no ensino de conceitos científicos. 2014. 193f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2017.

FREIRE, L. A. O desenvolvimento da compreensão interdisciplinar discente em cursos de formação de professores: construção de significados e sentidos. 2011. 102f. Dissertação (Mestrado em Educação Brasileira) – Universidade do Ceará, Fortaleza, 2011. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2017.

GERHARD, A. C.; ROCHA FILHO, J. B. A fragmentação dos saberes na educação científica escolar na percepção de professores de uma escola de ensino médio. Investigações em Ensino de Ciências. Porto Alegre, v.17, n.1, p. 125-45, 2012. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2017.

HAMMES, C. C. O olhar interdisciplinar na prática docente em geografia nos anos iniciais do ensino fundamental: linguagem simbólica em fenomenologia. 2015. 167f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2015. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2017.

JAPIASSU, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

LÜDKE, M., André, M. D. E. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU; 1986. (Temas Básicos de Educação e Ensino).

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 6.ed. 3.reimpr. São Paulo: Atlas, 2007.

MORAN, J. M. Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias audiovisuais e telemáticas. In: ______; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 13.ed. Campinas, SP: Papirus, 2007. p.11-66. (Coleção Papirus Educação).

MORETTI, R. C. B. Integração curricular no ensino médio: histórias narradas por professores a partir do projeto PIBID ciências da natureza. 2014. 114f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2017.

PEREIRA, A. P. S. Tecendo saberes para encontrar novos caminhos para ensinar ciências: o percurso da formação continuada em astronomia de professores da educação básica. 2014. 230f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação e Tecnologia) – Instituto Federal Sul-rio-grandense, Pelotas, RS, 2014a. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2017.

PEREIRA, F. A. A integração curricular da educação ambiental na formação inicial de professores: tecendo fios e revelando desafios da pesquisa acadêmica brasileira. 2014. 414p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2014b. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2017.

PIGNATA, E. K. A. A. A interdisciplinaridade no contexto do curso de pedagogia: pertinência das concepções e ações didático-pedagógica. 2011. 113f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Católica de Brasília, Brasília, DF, 2011. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2017.

PLATAFORMA Sucupira. 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2016.

RAMOS, L. O. L. O lugar da interdisciplinaridade na educação superior: uma análise dos projetos pedagógicos dos cursos de bacharelado interdisciplinar da UFBA. 2016. 280f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2017.

ROCHEFORT NETO, O. I. Interdisciplinaridade escolar: um caminho possível. 2013. 332f. Tese (Doutorado em Química) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2017.

SANTANA, D. M. Construindo práticas educativas inovadoras no ensino fundamental com enfoque em educação ambiental: estudo exploratório em uma escola estadual do município de São Paulo. 2006. Dissertação (Mestrado em Educação, Arte e História da Cultura) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2017.

SANTOMÉ, J. T. Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre: Artmed, 1998.

SANTOS, C. M. A interdisciplinaridade e o uso das TIC como fomento para o ensino de ciências e matemática no ensino fundamental II. 2017. 192f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, MG, 2017.

SILVA, A. R. A. Negociação interdisciplinar: possibilidades para construção coletiva. 2012. 146f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2017.

SILVA, A. R. Qual o lugar da interdisciplinaridade no currículo? Uma análise teórica legal e da concepção docente. 2015. 151f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Vale do Sapucaí, Pouso Alegre, MG, 2015. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2017.

SILVA, M. Arte e interdisciplinaridade nos projetos político-pedagógicos de cursos de licenciatura EAD da Universidade de Uberaba. 2014. 102f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Uberaba, Uberaba, MG, 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2017.

SIMONETI, D. Desafios e potencialidades de uma proposta interdisciplinar para o ensino de física articulada ao estágio docente. 2015. 162p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Comunitária da Região de Chapecó, Chapecó, SC, 2015. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2017.

SOUZA, T C. B. O. Análise de uma proposta de formação continuada de professores no contexto da diversidade. 2008. 308p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2017.

WORDART.COM. 2009-2017. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2017.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v0i0.2672

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.