O protagonismo de pessoas com deficiência no contexto de um evento inclusivo

Éverton Fernandes Machado, Anna Claudia Sieverding Fabiano, Claudete da Silva Lima Martins, Francéli Brizolla

Resumo


Este trabalho discute a respeito da temática de acessibilidade em eventos, destacando a necessária quebra de barreiras e o protagonismo das pessoas com deficiência, como elementos importantes para favorecer a plena inclusão. Portanto, este artigo tem como objetivo identificar barreiras físicas e atitudinais que as pessoas com deficiência poderiam enfrentar no evento “2ª Tertúlia: Nada sobre Nós Sem Nós – TNSNSN”, realizado dentro da Universidade Federal do Pampa, a partir da nossa comissão de registros midiáticos. A pesquisa é de natureza qualitativa, com o método de pesquisa de campo de caráter exploratório. Como instrumentos de pesquisa utilizamos para coleta de dados: um questionário exploratório e a observação participante através de um roteiro. A coleta de dados aconteceu no segundo semestre de 2019. Com os resultados pudemos observar que durante o evento foi feito o que estava ao alcance da organização para que se tivesse um olhar inclusivo para as pessoas com deficiência, contudo ainda assim existem barreiras tanto físicas e atitudinais que precisam ser superadas para que se possa efetivamente garantir a acessibilidade e inclusão das pessoas com deficiência em todos os espaços de convívio social, dentre eles em eventos. 

Palavras-chave


Inclusão. Acessibilidade. Barreiras Físicas e Atitudinais. Registros Midiáticos

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, F.; GALIAZZI, M. do C. A formação do professor em Rodas de Formação, R. Bras. Est. Pedag., Brasília, v. 92, n. 231, p. 386-398, maio/ago. 2011.

CARVALHO, R. E. Removendo barreiras para a aprendizagem: educação inclusiva. 5ª ed. Porto alegre: Mediação, 2006.

CARVALHO, R. E. Educação inclusiva: com os pingos nos "is". 5. ed. Porto Alegre: Ed. Mediação, 2007.

FIGUEIRA, E. Caminhando em silêncio: uma introdução à trajetória da pessoa com deficiência na história do Brasil. São Paulo: Giz Editorial, 2008.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila Richardson RJ. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo:Atlas;1999

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 14. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. Atlas, v. 4, São Paulo, 2007

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1994.

HALL, S. The work of representation. In: HALL, Stuart (org). Representation: Cultural representations and signifying practices. London/Thousand Oaks/New Delhi: Sage/Open University, 1997, p 01-30.

LANNA JUNIOR, M. C. M. (Comp.). História do movimento político das pessoas com deficiência no Brasil. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos, Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, 2010.

LUCKESI, C. C. Filosofia da Educação. 19. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

MACEDO, C. M. S. de. Diretrizes para criação de objetos de aprendizagem acessíveis. 2010. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) – Universidade Federal de Santa Catarina.

MANUAL DA MÍDIA LEGAL. Comunicadores pela inclusão. Rio de Janeiro: WVA, 2003.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. – São Paulo: Atlas, 2010.

MICHELS, M. H. Gestão, formação docente e inclusão: eixos da reforma educacional brasileira que atribuem contornos à organização escolar. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, v. 11, n. 33 set./dez. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v11n33/a03v1133.pdf. Acesso em: 08 de outubro 2019.

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência. Assembléia Geral das Nações Unidas, 2006.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração universal dos direitos humanos. Assembléia Geral das Nações Unidas, 1948.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP:

Pontes Editores, 2009.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Memorial da Inclusão. 30 anos do AIPD: ano internacional das pessoas deficientes 1981-2011. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2011.

SASSAKI, R. K. Inclusão, Construindo uma Sociedade para Todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997.

SILVA, A. F. L. Corporeidade e representações sociais: agir e pensar a docência. Psicologia 104 & Sociedade. [online]. V. 23, n.3, p. 616-624, 2011.

TAVARES, F. S.S. Educação Não Inclusiva: a trajetória das barreiras atitudinais nas dissertações de educação do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGE/UFPE). 2012. 595f. Dissertação. Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2012.

UNESCO. Declaração de Salamanca: Sobre princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais. Salamanca – Espanha, 1994.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v13i2.4488

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.