O livro didático como documento histórico para análise do currículo de Química e Ciências

Francisco de Araújo Silva, Jacqueline Querino Alves, Joana de Jesus Andrade

Resumo


Este trabalho apresenta um breve resgate da história dos currículos de ciências e de química no Brasil considerando os aspectos legais bem como cenários sociais mais amplos intervenientes na elaboração de livros didáticos (LD) de ciências, do 9º ano do Ensino Fundamental, e química, do 1º ano do Ensino Médio. Ao reconhecer a importância dos LDs como ‘documentos históricos’ da educação e, com inspiração na perspectiva das teorias críticas do currículo, foram analisados seis LDs por meio da análise de conteúdo, a partir das categorias de conteúdo curricular e temas contextuais. A presença, bem como as semelhanças e diferenças, de conteúdos de química e de possíveis contextos de utilização em ambos os níveis de ensino, foram os disparadores da investigação que reconhece, nas categorias definidas, os valores sociais atribuídos ao ensino da Química na educação básica. Concluiu-se que os LDs, embora tentem cumprir o disposto nos documentos orientadores do ensino, apresentam disparidades entre as necessidades sociais mais amplas, as demandas econômicas do país e/ou as perspectivas políticas que as leis e outros documentos expressam. Ficou evidente que os conteúdos curriculares apresentam considerável semelhança em diferentes épocas históricas e que os temas contextuais de utilização/aplicação destes conteúdos seguem as tendências mundiais de ensino contextualizado.


Palavras-chave


Livro didático; Currículo de química; Reformas educacionais.

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque, F. F. L. Que sabemos sobre livro didático. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 138, 218-223, 1976.

Autores 1,2 e 3 (referência omitida para evitar a identificação dos autores do trabalho).

Amaral, I. A. Os fundamentos do ensino de ciências e o livro didático. In: H. Fracalanza, & J. N. Megid (Orgs.), O Livro Didático de Ciências no Brasil (pp. 83-123). Campinas, SP: Komedi, 2006.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm.

Brasil. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, DF, 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro04.pdf

Brasil. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio: Parte III. Brasília, DF, 2000. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/14_24.pdf

Brasil. PCN+ Ensino Médio: Orientações Educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais – Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: DF, 2000. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/CienciasNatureza.pdf

Brasil. Base Nacional Comum Curricular: Educação é a base. Brasília, DF, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/06/BNCC_EnsinoMedio_embaixa_site_110518.pdf

Calegari, R. P. Os 210 anos da Pedagogia Jesuíta no Brasil. In: Anais do Seminário Internacional de Educação Superior, (pp. 1-10). Sorocaba, SP, 2014. Disponível em: http://uniso.br/publicacoes/anais_eletronicos/2014/5_es_memoria/03.pdf

Caregnato, R. C. A., & Mutti, R. Pesquisa qualitativa: análise de discurso vs análise de conteúdo. Texto & Contexto Enfermagem, 15(4), 679-684, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v15n4/v15n4a17.pdf

Carvalho, L. R. A. A educação brasileira e a sua periodização. Revista Brasileira de História da Educação, 2, 137-152, 2001. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/rbhe/article/view/38745/20275

Echeverria, A. R., Mello, I. C., & Gauche, R. Livro didático: análise e utilização no ensino de química. In: W. L. P. Santos, & O. A. Maldaner (Orgs.), Ensino de Química em foco (pp. 263-286). Ijuí, RS: Unijuí, 2010.

Fracalanza, H. O ensino de ciências no Brasil. In: H. Fracalanza, & J. N. Megid (Orgs.), O Livro Didático de Ciências no Brasil (pp. 126-152). Campinas, SP: Komedi, 2006.

Fracalanza, H. O livro didático de ciências: novas ou velhas perspectivas. In: H. Fracalanza, & J. N. Megid (Orgs.), O Livro Didático de Ciências no Brasil (pp. 174-195). Campinas, SP: Komedi, 2006.

Fracalanza, H., & Megid, J. N. O livro didático de ciências: problemas e soluções. In: H. Fracalanza, & J. N. Megid (Orgs.), O Livro Didático de Ciências no Brasil (pp. 153-169). Campinas, SP: Komedi, 2006.

Goodson, I. F. Currículo: teoria e história. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

Hofling, E. M. Notas para a discussão quanto à implementação de programas de governo: Em foco o Programa Nacional do Livro Didático. Revista Educação & Sociedade, 21(70), 159-170, 2000. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302000000100009

Krasilchik, M. Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. São Paulo em Perspectiva, 14(1), 85-93, 2000.

Leão, F. B. F.; Neto, & J. M. Avaliações oficiais sobre o livro didático de ciências. In: H. Fracalanza, & J. N. Megid (Orgs.), O Livro Didático de Ciências no Brasil (pp. 35-80). Campinas, SP: Komedi, 2006.

Lei n. 15, de 15 de outubro de 1827. Dispõe sobre a criação de escolas no império. Rio de Janeiro, RJ, 1827. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/LIM-15-10-1827.htm.

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Dispõe sobre as diretrizes e bases da educação. Brasília, DF, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm.

Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Dispõe sobre o plano nacional de educação. Brasília, DF, 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm.

Lei nº 13.415 de 16 de fevereiro de 2017. Dispõe sobre mudanças no ensino médio. Brasília, DF, 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/Lei/L13415.htm.

Lima, M. E. C. C., & Silva, N. S. A química no ensino fundamental: uma proposta em ação. In: L. B. Zanon, & O. A. Maldaner (Orgs.), Fundamentos e propostas de ensino de química para a educação básica no Brasil (pp. 89-107). Ijuí, RS: Unijuí, 2007.

Lopes, A. C. Currículo e Epistemologia. Ijuí, RS: Unijuí, 2007.

Machado, A. H., & Mortimer, E. F. Química para o ensino médio: fundamentos, pressupostos e o fazer cotidiano. In: L. B. Zanon, & O. A. Maldaner (Orgs.), Fundamentos e propostas de ensino de química para a educação básica no Brasil (pp. 21-41). Ijuí, RS: Unijuí, 2007.

Marcílio, M. L. História da Escola em São Paulo e no Brasil. São Paulo, SP: Imprensa Oficial, 2005.

Megid Neto, J., & Fracalanza, H. O livro didático de ciências: Problemas e soluções.

Ciência & Educação, 9(2), 147-157, 2003. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132003000200001.

Menezes, M. G., & Santiago, M. E. Contribuição do pensamento de Paulo Freire para o paradigma curricular crítico-emancipatório. Pro-Posições [online], 25(3), 45-62, 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0103-7307201407503.

Mori, R. C., & Curvelo, A. A. S. O que sabemos sobre os primeiros livros didáticos brasileiros para o ensino de Química. Química Nova, 37(5), 919-926, 2014. https://dx.doi.org/10.5935/0100-4042.20140148

Ribeiro, M. L. S. História da Educação Brasileira: a organização escolar. 18a ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2003

Rodrigues, L. S. As pesquisas sobre Livros Didáticos: Uma análise de periódicos da área de Educação em Ciências. In: X ANPED SUL, (pp. 1-19). Florianópolis, Santa Catarina/Brasil, 2014. Disponível em: http://xanpedsul.faed.udesc.br/arq_pdf/2101-0.pdf.

Santos, W. L. P. Contextualização no ensino de ciências por meio de temas CTS em uma perspectiva crítica. Ciência & Ensino,1[especial], 1-12, 2007. Disponível em: http://www.cienciamao.usp.br/tudo/exibir.php?midia=rcen&cod=_contextualizacaonoensino.

Santos, W. L. P.; SCHNETZLER, R. P. Função social: o que significa ensino de química para formar o cidadão? Química Nova na Escola, n. 4, p. 28-34, nov 1996. Disponível em: http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc04/pesquisa.pdf

Saviani, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2007.

Schnetzler, R. P. Apontamentos sobre a história de ensino de química no Brasil. In: W. L. P. Santos, & O. A. Maldaner (Orgs.), Ensino de química em foco (pp. 51-75). Ijuí, RS: Unijuí, 2010.

Schnetzler, R. P. Um estudo sobre o tratamento do conhecimento químico em livros didáticos brasileiros dirigidos ao ensino secundário de química de 1875 a 1978. Química Nova, 4(1), 6-15, 1981.

Silva, A. H.; Gomes, L. C. A teoria de aprendizagem de Bruner e o ensino de ciências. Arquivos do Mudi, v. 26, n. 3, p. 13-25, 2017.

Silva, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2a ed. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2007.

Zanon, L. B.; Palharini, E. M. A Química no Ensino Fundamental de Ciências. Química Nova na Escola, São Paulo, n. 2, p. 15-18, Nov, 1995.

Zotti, S. A. O ensino secundário no império brasileiro: considerações sobre a função social e o currículo do colégio D. Pedro II. Revista HISTEDBR On-line, 18, 29-44, 2005. Disponível em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/revista/revis/revis18/art04_18.pdf.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v0i0.3583

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.