Potencialidades no uso do sistema de clickers votoino na promoção da avaliação formativa em aulas de Química no ensino básico

Joyce Ingrid de Lima, Maria Inês Marques de Souza, Afonso Celso Turcato, Francisco de Araújo Silva

Resumo


O uso de metodologias de ensino com a inserção de novas tecnologias vem aumentando nas últimas décadas, com o advento e o acesso às tecnologias da informação e comunicação. Em algumas estratégias, estas ferramentas têm auxiliado na prática da avaliação formativa. Neste trabalho, apresentamos a evolução do Votoino – um clicker para votação eletrônica em sala de aula – e sua aplicação em uma sequência didática sobre o tema termoquímica em uma turma de 2º ano do ensino técnico em automação integrado ao ensino médio. O aprimoramento do Votoino para a sala de aula, como um dispositivo simples que não necessita do acesso à internet ou um celular, mostrou-se bastante promissor na avaliação formativa da turma: os resultados obtidos de forma imediata, o anonimato dos alunos nas respostas, a possibilidade de interação do aluno com o professor e com a turma através do painel de votação, dentre outros aspectos importantes, trouxeram novos direcionamentos no replanejamento das aulas futuras. O uso de uma sequência didática adequada, mediada por exposições curtas do professor e monitorada pelos resultados dos exercícios obtidos com o Votoino, foi inspirado na metodologia Peer Instruction (Instrução por pares) e trouxeram resultados e impactos positivos, bem como reflexões sobre o verdadeiro papel da avaliação na sala de aula.


Palavras-chave


Instrução por pares. Votoino. Avaliação formativa.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, A. V. R. de et al. Uma associação do método Peer Instruction com circuitos elétricos em contextos de aprendizagem ativa. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 39, n. 2, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1806-9126-rbef-2016-0184

ARAUJO, I. S.; MAZUR, E. Instrução pelos colegas e ensino sob medida: uma proposta para o engajamento dos alunos no processo de ensino-aprendizagem de Física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 30, n. 2, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.5007/2175-7941.2013v30n2p362

ASSUMPÇÃO, A. L. M.; SOARES, A. dos S. Metodologias Ativas - Pontos e Contrapontos de uma Proposta Metodológica. Revista Eixo, Brasília, v. 6, n. 1, janeiro- junho, p. 32–36, 2017. Disponível em: http://revistaeixo.ifb.edu.br/index.php/RevistaEixo/article/view/403/241

BARBERIA, L. G. et al. Inovação no ensino de métodos quantitativos em Cîencia Poĺıtica: Aplicação de modelo baseado em atividades. Agenda Poĺıtica, v. 2, n. 2, p. 152–179, 2014. Disponível em: https://www.agendapolitica.ufscar.brindex.php/agendapolitica/article/view/48

CAMPAGNOLO, R. et al. Uso da abordagem Peer Instruction como metodologia ativa de aprendizagem: um relato de experiência. Signos, n. 2, p. 79–87, 2014. Disponível em: http://www.univates.br/revistas/index.php/signos/article/view/775

COSTA, R. G. da; PASSERINO, L. M.; ZARO, M. A. Fundamentos teóricos do processo de formação de conceitos e suas implicações para o ensino e aprendizagem de química. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 14, n. 1, p. 271–281, 2012. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1983-21172012140118

DIESEL, A. et al. Um olhar sobre uma proposta de formação inicial de professores voltada para as estratégias de leitura. Interfaces da Educação, Paranaíba, v. 3, n. 7, p. 37–48, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.26514/inter.v1i3.628

DIESEL, A.; FORNECK, K. L.; MARTINS, S. N. Peer Instruction Na Formação Inicial De Professores: Uma Experiência Com O Uso Do Aplicativo Socrative. Revista Tecnologias na Educação, n. 14, p. 0–11, 2016. Disponível em: http://tecedu.pro.br/wp-content/uploads/2016/07/Rel3-vol14-jul2016-Peer-instruction-na-formação-inicial-de-professores-Uma-experiência-com-o-uso-do-aplicativo-socrative.pdf

DUMONT, L. M. M.; CARVALHO, R. S.; NEVES, A. J. M. O Peer Instruction Como Proposta De Metodologia Ativa no Ensino de Química. Journal of Chemical Engineering and Chemistry, v. 02, n. 2446–9416, p. 107–131, 2016. Disponível em: https://doi.org/doi: https://doi.org/10.18540/2446941602032016107 O

GAYDECZKA, B.; KARWOSKI, A. M. Pedagogia dos multiletramentos e desafios para uso das novas tecnologias digitais em sala de aula no ensino de língua portuguesa. Revista Linguagem & Ensino, Pelotas, v. 18, n. 1, p. 151–174, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/rle/article/viewFile/15301/9489

KARWOSKI, A. M. A qualidade do ensino na educação superior. Revista Triângulo, v. 5, n. 2, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.18554/rt.v5i1.374

KENSKI, V. M. Educação e Tecnologias: o novo ritmo da informação. 8. ed. Campinas: Papirus, 2012.

KIELT, E. D.; DA SILVA, S. de C. R.; MIQUELIN, A. F. Implementação de um aplicativo para smartphones como sistema de votação em aulas de Física com Peer Instruction. Revista Brasileira de Ensino de Fisica, v. 39, n. 4, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1806-9126-RBEF-2017-0091

LIMA, B. S.; SANTOS, C. A. M. Peer-Instruction Usando Ferramentas On-line. Revista de Graduação USP, v. 1, n. 1, p. 83–90, 2016. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/gradmais/article/view/117731

LIMA, J. I. de; TURCATO, A. C.; SILVA, F. de A. Uso do Votoino em Aulas de Química : usando a tecnologia como facilitadora da avaliação formativa em sala de aula. Revista EducaOnline, v. 14, n. 2, p. 67–89, 2020. Disponível em: http://www.latec.ufrj.br/revistas/index.php?journal=educaonline&page=article&op=view&path%5B%5D=1096

LUCKESI, C. C. Avaliação da Aprendizagem: componente do ato pedagógico. São Paulo: Cortez, 2011.

MEDEIROS, R. A. C.; BESSA, A. MiniTeste: uma ferramenta ágil para aplicação de avaliações personalizadas. Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 15, n. 1, p. 1–10, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.22456/1679-1916.75126

MORAN, J. M. A Educação que Desejamos: novos desafios e como chegar lá. 5a ed. Campinas: Papirus, 2012.

MÜLLER, M. G. et al. Implementação do método de ensino Peer Instruction com o auxílio dos computadores do projeto “UCA” em aulas de Física do Ensino Médio. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 29, n. 0, p. 491–524, 2012. Disponível em: https://doi.org/10.5007/2175-7941.2012v29nesp1p491

MÜLLER, M. G. et al. Uma revisão da literatura acerca da implementação da metodologia interativa de ensino Peer Instruction (1991 a 2015). Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 39, n. 3, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1806-9126-rbef-2017-0012

MÜLLER, M. G.; ARAUJO, I. S.; VEIT, E. A. Metodologias interativas de ensino na formação de professores de física: um estudo de caso com o método instrução pelos colegas (Peer Instruction). Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 10, n. 2, p. 171, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.5007/1982-5153.2017v10n2p171

OLIVEIRA, E. A. de. Uso de questionários no Moodle como apoio para aprendizagem. Revista de Graduação USP, v. 2, n. 3, p. 175, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2525-376x.v2i3p175-178

OLIVEIRA, T. E. de; ARAUJO, I. S.; VEIT, E. A. Aprendizagem Baseada em Equipes (Team-Based Learning): um método ativo para o Ensino de Física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 33, n. 3, p. 962, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.5007/2175-7941.2016v33n3p962

OLIVEIRA, M. A. F. et al. Aplicação do método Peer Instruction no ensino de Algoritmos e programação de computadores. Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 15, n. 1, p. 1–11, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.22456/1679-1916.75141

OLIVEIRA, V.; VEIT, E. A.; ARAUJO, I. S. Relato de experiência com os métodos Ensino sob Medida (Just-in-Time Teaching) e Instrução pelos Colegas (Peer Instruction) para o Ensino de Tópicos de Eletromagnetismo no nível médio. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 32, n. 1, p. 180, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.5007/2175-7941.2015v32n1p180

PASQUALETTO, T. I.; VEIT, E. A.; ARAUJO, I. S. Aprendizagem Baseada em Projetos no Ensino de Física: uma Revisão da Literatura. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 17, n. 2, p. 551–577, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2017172551

PERRENOUD, P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens. Porto Alegre: Artmed, 1999.

REIS, A. F. M. V.; BARRETO, M. A. M. Uma experiência com Think Pair Share no Ensino Fundamental I. Revista Práxis, v. 9, n. 17, 2017. Disponível em: http://revistas.unifoa.edu.br/index.php/praxis/article/view/797

RIBEIRO, J. B. P. et al. Intervenção Pedagógica E Metodologia Ativa: O Uso Da Instrução Por Colegas Na Educação Profissional. Periódico Científico Outras Palavras, v. 12, n. 2, p. 1–16, 2016. Disponível em: http://revista.faculdadeprojecao.edu.br/index.php/Projecao5/article/view/715

RIBEIRO, M. E. M.; RAMOS, M. G. Grupos Colaborativos como Estratégia de Aprendizagem em Aulas de Química. Acta Scientiae, Canoas, v. 14, n. 3, p. 456–471, 2012. Disponível em: http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/acta/article/view/394

SILVA LEITE, B. Gamificando as aulas de química: uma análise prospectiva das propostas de licenciandos em química. Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 15, n. 2, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.22456/1679-1916.79259

TEIXEIRA, K. C. B.; FONTENELE, F. C. F. Metodologia Peer Instruction no ensino de matrizes: um relato de experiência na disciplina de álgebra linear. Educação Matemática em Revista, v. 1, n. 18, p. 57–65, 2017.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos, 2. ed. Porto Alegre, Bookman, 2001.

ZANATTA, S. C. et al. Peer Instruction: discussões que permeiam a formação reflexiva e o ensino de ciências. Revista de Produtos Educacionais e Pesquisas em Ensino, v. 1, n. 1, p. 157–178, 2017. Disponível em: http://seer.uenp.edu.br/index.php/reppe/article/view/1114




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v13i2.4804

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

A Revista Triângulo é signatária da DECLARAÇÃO DO MÉXICO - Declaração Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomenda o uso da licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual (CC BY-NC -SA, em inglês) para garantir a proteção da produção acadêmica e científica regional em Acesso Aberto. 

Triangulo Journal is signatory of MEXICO DECLARATION - LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT Joint Declaration recommending the use of the license to ensure the protection of academic production and regional scientific research in Open Access.

La Revista Triangulo es signataria de la DECLARACIÓN DE MÉXICO - Declaración Conjunta LATINDEX-REDALYC-CLACSO-IBICT que recomienda el uso de la licencia Creative Commons Asignación-NoComercial-CompartirIgual (CC BY-NC -SA, en inglés) para garantizar la protección de la producción académica y científica regional en Acceso Abierto.