Processos formativos dos professores inclusivos: práticas pedagógicas dos docentes na educação básica

Cleusa Inês Ziesmann, Isabel Follman Thomas

Resumo


Sabemos que um dos grandes desafios das instituições de ensino é proporcionar o acesso e a permanência dos alunos, em todos os níveis de ensino, respeitando as suas especificidades e necessidades durante o seu processo de aprendizagem. Assim, o objetivo é perceber como os professores compreendem a inclusão a partir de suas práticas pedagógicas e suas concepções sobre como essas práticas podem afetar os sujeitos no processo de aprendizagem e desenvolvimento na sala de aula. A pesquisa contou com uma revisão bibliográfica completada pela pesquisa de campo qualitativa. Para a produção de dados utilizou-se a observação das atividades em sala de aula e entrevistas semiestruturadas com professoras do ensino fundamental, educadoras especiais e monitoras que atendem alunos incluídos em duas escolas municipais.  Para a Análise de Conteúdo foi escolhida as concepções de Bardin (2011). Acreditamos que nossas inferências nos espaços investigados podem contribuir para fomentar as discussões e reflexões sobre o processo inclusivo, contribuindo para que as práticas pedagógicas venham ao encontro das necessidades dos educandos e aos direitos para uma educação de qualidade em todos os níveis de ensino.


Palavras-chave


Educação Inclusiva. Formação Docente. Aprendizagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ALARCÃO, I. (Org.). Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo: Cortez, 2011.

ALVES, N. (Org.). Formação de professores: pensar e fazer. São Paulo: Cortez, 2001.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BEYER, H. O. Inclusão e avaliação na escola de alunos com necessidades educacionais especiais. Porto Alegre: Mediação, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF, 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2019.

BRASIL. Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 23 março 2020.

GADOTTI, M. Boniteza de um sonho: ensinar-e-aprender com sentido. Novo Hamburgo, RS: Feevale, 2003.

HOUAISS, Dicionário da língua portuguesa. Disponível para assinantes UOL em: . Acesso em: 2009.

MACHADO, Paulo Cesar. A política educacional de integração/inclusão: um olhar do egresso surdo. Florianópolis: Ed da UFSC, 2008.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Revista Ciência & Educação, 2003, v. 9, n° 2, p. 191-211.

MINAYO, M. (Org.). Pesquisa social: Teoria, método e criatividade (28ª ed.). Petrópolis: Vozes, 2009.

RAVASIO, M. H. Saber e conhecimento: efeitos possíveis na educação inclusiva. In. COLPO, J. et al. Diálogos sobre educação inclusiva: (im) possibilidades. Uberaba, MG: Cenecista Dr. José Ferreira, 2013.

SANT’ANA, I. M. Educação Inclusiva: concepções de professores e diretores. Psicologia em Estudo. Maringá, maio/ago. 2005, v. 10, n° 2, p. 227-234.

SANTOS, B.S; ANTUNES, D. D.; BERNARDI, J. O docente e a sua subjetividade nos processos motivacionais. Educação. Porto Alegre, jan/abr. 2008, v. 31, n° 1, p. 46-53.

SASSAKI, R. K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997.

SCOZ, B. J. Psicopedagogia: contextualização, formação e atuação profissional. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

SAVIANI, D. Pedagogia: o espaço da educação na universidade. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, jan./abr. 2007, v. 37, n° 130.

STAINBACK, S.; STAINBACK, W. Inclusão: um guia para educadores. Trad. Magda França Lopes. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

VAYER, P.; RONCIN, C. Integração da criança deficiente na classe especial. São Paulo: Manole, 1989.

VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

VYGOTSKY, L.S.; LURIA, A. R. Estudos sobre a história do comportamento: símios, homem primitivo e criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

VYGOTSKY, L.S.. Mente na sociedade: o desenvolvimento de processos psicológicos superiores. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1978.

WERNECK, C. Ninguém mais vai ser bonzinho na sociedade inclusiva. Rio de Janeiro: WVA, 1997.




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v13i3.5032

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.