Mal-estar docente:

das contribuições da literatura à compreensão de um problema de pesquisa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18554/rt.v15i1.5519

Palavras-chave:

Formação Continuada, Mal-estar docente, Educação Básica, Escola Pública

Resumo

Este trabalho tem por objetivo compreender como se movimentam as discussões e o que aportam ao universo dos estudos sobre mal-estar docente. Recorre-se ao Banco de teses da Capes, contemplando um período de cinco anos (2015 a 2020) para produzir o levantamento. Amparado na perspectiva dos estudos, do tipo estado da arte ou revisão de literatura, buscou-se pela análise, selecionar produções que pudessem evidenciar contribuições à área de interesse. Lançamos mão da Análise de Conteúdo, preconizada por Bardin, para a realização do tratamento dos dados. O comprometimento da saúde dos docentes é um fator que emergiu com ênfase entre as pesquisas analisadas. Dentre os resultados dos estudos salienta-se de um lado, saúde ocupacional, sintomas mentais, depressão e medicalização e, de outro, a aposta em uma formação continuada que reconheça o trabalho intelectual do profissional como algo inerente ao trabalho. Apostando no diálogo onde a horizontalidade se impõe como um princípio formativo direcionando a escola para um espaço de exercício autoral de uma profissão.

Biografia do Autor

Marlova Gross da Silva, Universidade La Salle (UNILASALLE) Prefeitura de Guaíba

Mestranda em Educação na Universidade La Salle/Canoas

Gilberto Ferreira da Silva, Universidade La Salle

Doutor em Educação. Professor do Curso de Pedagogia e do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade La Salle. Pesquisador CNPq. Líder do Grupo de Pesquisa em Educação Intercultural (GPEI).

Referências

AGAMBEM, Giorgio. Signatura Rerum. Sobre o Método. Trad: Andrea Santurbano e Patricia Peterle). São Paulo: Boi Tempo, 2019.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

CABRAL, Lívia Torres; SILVA, Mardem Michael Ferreira da. PENSANDO A DOCÊNCIA PARA ALÉM DA REPRESENTAÇÃO COMUM: uma discussão sobre profissionalidade, identidade docente e reconhecimento social. Debates em Educação, Maceió, Vol. 11, Nº. 24, Maio/Ago. 2019. p. 51-65. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/7173/pdf Acesso em: 06 mai 2021.

CAETANO, Leticia Farias. “No que você está pensando?”: o discurso do mal-estar docente produzido no facebook e a fabricação dos modos de ser professor na contemporaneidade. 2017. 137 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, 2017.

CARVALHO, Marcio Henrique de. O mal-estar na educação a natureza do trabalho docente entre o sofrimento e o ressentimento. 2015. 116 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

COSTA, Cleyton Galeno da. Mal-estar docente: vulnerabilidades ao adoecimento e estratégias de enfrentamento. 2018. Dissertação (Mestrado em Saúde e Comunidade) –Fundação Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2018.

COSTA, Diana Pereira. Resiliência, resistência e tensão: estratégias psicossociais de professores para o enfrentamento do mal-estar docente. 2019. 179 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Formação de Gestores Educacionais) – Universidade Cidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

DEBASTIANI, Valdemir Jose. Mal-estar docente e síndrome de burnout: uma análise à luz da teoria da alienação de Marx. 2017. 99 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Frederico Westphalen, 2017.

ESTEVES ZARAGOZA, J. M. O mal-estar docente: a sala de aula e a saúde dos professores. Bauru: EDUSC, 1999.

FERREIRA, Gisele Nepomuceno. Professores readaptados em um município do litoral norte de SP: mudanças e conflitos em sua identidade profissional. 2017. 146 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Humano: Formação, Políticas e Práticas Sociais) – Universidade de Taubaté, Taubaté, 2017.

GIMENO SACRISTÁN, J. Poderes instáveis em educação. Porto Alegre: ARTMED Sul, 1999.

GORZONI, Sílvia De Paula; DAVIS, Claudia. O conceito de profissionalidade docente nos estudos mais recentes. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 47, n. 166, p. 1396-1413, dez. 2017 . Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cp/v47n166/1980-5314-cp-47-166-1396.pdf Acesso em: 06 Mai 2021.

GREGORIN, Cristiane Pinholi. Um olhar sobre o mal-estar docente na perspectiva da contemporaneidade. 2016. 159 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão e Práticas Educacionais) – Universidade Nove de Julho, São Paulo, 2016.

LEITE, Natalia Costa. O mal-estar do professor de língua inglesa: o desvio de função como aposta subjetiva. 2018. 160 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018.

MEIRELES, Janaina Barela. Trabalho, saúde e gênero das professoras de Educação Infantil da Região Sul do Rio Grande do Sul. 2019. 61 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2019.

MOMBACH, Lauri Alfonso. A espiritualidade no enfrentamento ao mal-estar docente: um estudo na rede municipal de educação de Sapucaia do Sul (RS). 2015. 111 f. Dissertação (Mestrado em Teologia) – Escola Superior de Teologia, São Leopoldo, 2015.

MONTEZUMA, Luci Fatima. Entre fios e teias de formação: narrativas de professoras que trabalham com matemática nos anos iniciais – constituição da docência e os desafios da profissão na educação pública estadual paulista frente aos programas de governo no período de 2012 a 2015. 2016. 327 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2016.

MUNIZ, Gardenia Oliveira. Narrativas de professores de ciências sobre o mal-estar docente: trajetória, adoecimento e permanência. 2018. 126 f. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Formação de Professores) – Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, 2018.

NERY, Gabriela Rodrigues. A docência no ensino médio: motivações e expectativas de professores de química. 2016. 94 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Cidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

OLIVEIRA, Michelle Ferreira de. Trabalho e saúde do professor nas pesquisas em educação. 2015. 106 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2015.

OLIVEIRA, Sienne Cunha de. Responsabilidade estatal por danos ao meio ambiente do trabalho do professor: o ensino fundamental e médio na rede estadual de ensino na cidade de Manaus. 2016. 219 f. Dissertação (Mestrado em Direito Ambiental) – PPGDA, Universidade do Estado do Amazonas, Manaus, 2016.

PENA, Davi Barbosa. Mal-estar docente: estudo com professores readaptados de escolas públicas. 2017. 60 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia da Saúde) – Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2017.

PEREIRA, Antonio Igo Barreto. Autoridade enfraquecida, violência escolar e trabalho pedagógico: a percepção de professores sobre a ruptura dos vínculos de afeto e os malestares no magistério. 2016. 263 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2016.

PEREIRA, Juliana Martins. Percepções de professores do ensino médio: as forças coercitivas no ambiente escolar e a relação com o mal-estar docente. 2017. 290 f. Tese (Doutorado em Ciências da Motricidade) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru, 2017.

POLTRONIERI, Cristiane do Nascimento Goncalves. Percepções sobre o mal-estar docente dos professores de ciências naturais e matemática no ensino médio. 2018. 116 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Universidade do Estado de Mato Grosso, Barra do Bugres, 2018.

ROCHA, Erika Silva. Subjetividade de professoras da educação infantil: uma abordagem histórico-cultural da saúde mental docente. 2017. 106 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2017.

RODRIGUES, Ana Paula. O mal-estar docente no contexto escolar a partir da percepção dos professores. 2015. 122 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba, 2015.

SANTIAGO, Jonatas Silva. Educação emocional, mal-estar e identidade docente: discutindo sobre a docência em uma escola pública em tempo integral. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação e Diversidade) – Universidade do Estado da Bahia, Conceição do Coité, Bahia, 2019.

SILVA, Ailton Souza da. Bem-estar na docência: estratégias de enfrentamento dos docentes de uma escola pública no combate ao mal-estar docente. 2017. Dissertação (Mestrado em Práticas Socioculturais e Desenvolvimento Social) – Universidade de Cruz Alta, 2017.

SILVEIRA, Valeria da Silva. “Eu sou escola!” Temporalidades e tensões: o discurso docente e seus rumores. 2019. 189 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2019.

SOARES, Manoel Messias Feitosa. Linguagens que indicam fatores de adoecimento psicológico, depressão e ansiedade, nos docentes do município de Rio Branco – Acre. 2018. 125 f. Dissertação (Mestrado em Letras – Linguagem e Identidade) – Universidade Federal do Acre, Rio Branco, 2018.

TOLFO, Silvia Regina Basseto. Organização do trabalho escolar e o mal-estar dos professores: o desafio de integrar pessoas. 2017. 154 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Políticas Públicas e Gestão Educacional) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2017.

Downloads

Publicado

2022-04-19

Como Citar

GROSS DA SILVA, M.; FERREIRA DA SILVA, G. Mal-estar docente: : das contribuições da literatura à compreensão de um problema de pesquisa. Revista Triângulo, Uberaba - MG, v. 15, n. 1, p. 1–16, 2022. DOI: 10.18554/rt.v15i1.5519. Disponível em: https://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/revistatriangulo/article/view/5519. Acesso em: 3 dez. 2022.