DIVERSIFICAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE CITOGENÉTICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18554/rt.v14i3.5867

Palavras-chave:

Aprendizagem significativa. Atividade Lúdica. Metodologia ativa.

Resumo

O trabalho de Mendel com hibridização de ervilhas publicado em 1866, é considerado o nascimento científico da Genética, campo da Biologia que estuda a hereditariedade, a variação e a forma como os organismos transmitem as características de uma geração para a outra. Este relato de experiência docente apresenta a diversificação de estratégias no processo de ensino e aprendizagem de Citogenética e seu potencial na formação dos estudantes. Além de aulas teóricas dialogadas, aulas práticas e seminários, foi empregada a metodologia ativa de aprendizagem baseada em projeto (ABProj). Nesta metodologia os alunos assumem o protagonismo do processo de ensino e aprendizagem, atuando colaborativamente na elaboração e execução da proposta. Antes dos eventos, intitulados “Citogenética no Campus” e “Citogenética na Praça”, a equipe confeccionou modelos, jogos didáticos e planejou a intervenção, visando a popularização da Citogenética, com ênfase na compactação do DNA, divisão celular e relação entre DNA, genes e cromossomos. No planejamento e realização dos eventos, os discentes traçaram estratégias inovadoras e eficientes, com criatividade e organização. Como resultado, percebeu-se que esta diversificação de estratégias foi efetiva na aprendizagem significativa de Citogenética pela turma, que teve a oportunidade de experimentar alguns dos desafios que irão enfrentar como profissionais de Ciências Biológicas.

Biografia do Autor

Luciana Aguilar-Aleixo, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB)

Professora Adjunta do Departamento de Ciências Naturais (DCN/UESB).

Área de Genética

Referências

AGUILAR-ALEIXO, L. Cromossomos, segredos e mistérios: metodologia alternativa no ensino de Citogenética. Extensão & Cidadania, V. 9, n. 15, 2021. ISSN 2319 – 0566. DOI: https://doi.org/10.22481/recuesb.v9i15.8716. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/recuesb/article/view/8716/5863 Acesso em: 26 de agosto de 2021.

ANDRADE, L. A. B.; SILVA, E. P. Mendel e seus abismos. Genética na Escola. V. 11, n. 2 Suplemento, p. 234-243, 2016. ISSN 1980-3540. Disponível em: https://7ced070d-0e5f-43ae-9b1c-aef006b093c9.filesusr.com/ugd/b703be_05eb696e7d6a4317afd5cbe205f0e5d0.pdf Acesso em: 10 de março de 2021.

AUGUSTO, T. G. D.; BASILIO, L. V. Ensino de biologia e história e filosofia da ciência: uma análise qualitativa das pesquisas acadêmicas produzidas no Brasil (1983-2013). Ciência & Educação, v. 24, n. 1, 2018. p. 71-93. ISSN 1980-850X. DOI: https://doi.org/10.1590/1516-731320180010006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ciedu/a/XhzqGj7F9pBNhNsRm3sN9FD/?lang=pt&format=pdf Acesso em: 10 de março de 2021.

BARBOSA, E. F.; MOURA, D. G. Metodologias ativas de aprendizagem na educação profissional e tecnológica. Boletim Técnico do Senac. v. 39, n.2. 2013. p. 48-67. ISSN 2448-1483. DOI: https://doi.org/10.26849/bts.v39i2.349. Disponível em: https://www.bts.senac.br/bts/article/view/349/333 Acesso em: 15 de março de 2021.

BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção de autonomia dos estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas. V. 32, n. 1. 2011. p.25-40. ISSN 1679-0383. DOI: 10.5433/1679-0359.2011v32n1p25. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/5437015/mod_resource/content/1/As%20metodologias%20ativas%20e%20a%20promoc%CC%A7a%CC%83o%20da%20autonomia%20de%20estudantes%20-%20Berbel.pdf Acesso em: 08 de maio de 2021.

BUSTAMANTE, J.; JARRÍN, V. El inicio de la revolución de los genes. Revista SENNOVA: Revista del Sistema de Ciencia, Tecnología e Innovación, Revista del Sistema de Ciencia, Tecnología e Innovación, V. 3, n. 1, p. 89-103. 2018. DOI: http://3(1), 89-103. Disponível em: http://doi.org/10.23850/23899573.700VeronicaJarrín-JarrínUniversidaddeNariñojarrin.veronica@gmail.comColombia.

D’ÁVILA, C. Razão e sensibilidade na docência Universitária. In: D’ávila. C. Construção de uma didática sensível. Livro Em Aberto, Brasília, v. 29, n. 97, p. 5-7, set./dez. 2016. Disponível em: http://rbepold.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/view/2969/2683. Acesso em: 15 set. 2020.

DESMOND, A.; MOORE, J. Darwin: a vida de um evolucionista atormentado. São Paulo: Geração Editorial, 2009. 797 p.

EL-HANI. O Mendel mítico sob um olhar crítico: o papel de Mendel na história da Genética. Genética na Escola. V. 11, n.2 Suplemento, p. 272-285, 2016. ISSN 1980-3540. Disponível em: https://7ced070d-0e5f-43ae-9b1c-aef006b093c9.filesusr.com/ugd/b703be_05eb696e7d6a4317afd5cbe205f0e5d0.pdf Acesso em: 10 de março de 2021.

FUTUYMA, D. J. Biologia Evolutiva. Ribeirão Preto: Funpec. 3 ed. 2009.

GEMIGNANI, E. Y. M. Y. Formação de professores e metodologias ativas de ensino-aprendizagem: ensinar para a compreensão. Revista Fronteira das Educação, V. 1, n. 2, 2012. ISSN 2237-9703. Disponível em: http://www.fronteirasdaeducacao.org/index.php/fronteiras/article/view/14. Acesso em: 10 de março de 2020.

ISKANDAR, J. I.; LEAL, M. R. Sobre positivismo e educação. Revista Diálogo Educacional, v. 3, n.7, p. 89-94, 2002. ISSN 1518 – 3483. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/4897/4855. Acesso em: 15 de maio de 2021.

JUMRODAH, J., LILIASARI, S., ADISENDJAJA, Y. H. Profile of pre-service biology teachers critical thinking skills based on learning project toward sustainable development. Journal of Physics: Conference Series, V. 1157, 2019. DOI: 10.1088/1742-6596/1157/2/022097.

JUSTINA, L. A. D. et al. A herança genotípica proposta por Wilhelm Ludwig Johannsen. Filosofia e História da Biologia, v. 5, n. 1, p. 55-71, 2010. Disponível em: http://www.abfhib.org/FHB/FHB-05-1/FHB-05-1-04-Lourdes-Justina-et-al.pdf

LARENTIS, L. T. et al. Proposta de material didático para o ensino de genética: cromossomos de tecido. Arquivos do Mudi, V. 24, n. 2, p. 42-77, 2020. DOI: http://doi.org/10.4025/arqmudi.v24i2.54487

LEITE, F. A.; RADETZKE, F. S. Contextualização no ensino de Ciências: compreensões de professores da Educação Básica. VIDYA, v. 37, n. 1, p. 273-286, 2017. ISSN 2176-4603. Disponível em: Acesso em 08 de fevereiro de 2021.

MARTINS; L. A. C. P., PRESTES, M. E. B. Mendel e depois de Mendel. Genética na Escola. V. 11, n.2 Suplemento, p. 244-249, 2016. ISSN 1980-3540. Disponível em: https://7ced070d-0e5f-43ae-9b1c-aef006b093c9.filesusr.com/ugd/b703be_05eb696e7d6a4317afd5cbe205f0e5d0.pdf Acesso em: 10 de março de 2021.

MASCARENHAS, M. J. O.; SILVA, V. C.; MARTINS, P. R. P.; FRAGA, E., C., BARROS, M. C. Estratégias metodológicas para o ensino de Genética em escola pública. Pesquisa em Foco, São Luís, V. 21, n. 2, p. 05-24. 2016. ISSN 2176-0136. Disponível em: https://ppg.revistas.uema.br/index.php/PESQUISA_EM_FOCO/article/view/1216/957. Acesso em: 15 de março de 2021.

MASINI, E. F. S. Aprendizagem significativa na escola. Aprendizagem Significativa em Revista, V. 6, n. 3, p. 70-78, 2016. ISSN 2238-3905. Disponível em: http://www.if.ufrgs.br/asr/artigos/Artigo_ID90/v6_n3_a2016.pdf Acesso em: 15 de abril de 2021.

MATIOLI, S. R.; EGGERS, S. O Mendel que não era mendelista. Genética na Escola. V. 11, n.2 Suplemento, p. 250-255, 2016. Disponível em: < https://7ced070d-0e5f-43ae-9b1c-aef006b093c9.filesusr.com/ugd/b703be_05eb696e7d6a4317afd5cbe205f0e5d0.pdf> Acesso em: 10 de março de 2021.

MELLO, M. L. S.; CORTELAZZO, A. L. Uma proposta de dramatização como complemento didático para o estudo sobre cromatina e cromossomos. Revista Genética na Escola, v. 01 n.02. 2006. P. 83-86. ISSN 1980-3540. Disponível em: <https://7ced070d-0e5f-43ae-9b1c-aef006b093c9.filesusr.com/ugd/b703be_f256ff86975043da8a4fd09025393d7e.pdf> Acesso em 15 de março de 2021.

MOLL, P.; LORENTI, L. Um modelo didático tridimensional da dupla hélice do DNA. Revista Genética na Escola, v. 09 n.01. 2014. P. 38-45. ISSN 1980-3540. Disponível em: https://7ced070d-0e5f-43ae-9b1c-aef006b093c9.filesusr.com/ugd/b703be_68526a216143442fa5a2a1abaeda7dd7.pdf Acesso em: 2 de agosto de 2021.

NICOLA, J. A.; PANIZ, C. M. A importância da utilização de diferentes recursos didáticos no ensino de Biologia. Infor, Inovação e Formação, São Paulo, V. 2, n. 1, 2016. p.355-381. ISSN 2525-3476. Disponível em: file:///D:/Documentos%20Lu/Artigos/Artigos%20de%20Gen%C3%A9tica/Nicola,%20Panis%20%20A%20import%C3%A2ncia%20da%20utiliza%C3%A7%C3%A3o%20de%20diferentes%20recursos%20did%C3%A1ticos%20no%20ensino%20de%20Biologia.%20Infor,%20Inova%C3%A7%C3%A3o%20e%20Forma%C3%A7%C3%A3o.pdf Acesso em: 14 de abril de 2021.

PEREIRA, S. S.; CUNHA, J. S.; LIMA, E. M. Estratégias didático-pedagógicas para o ensino-aprendizagem de Genética. Investigações em Ensino de Ciências, V. 25 n. 1, p. 41-59, 2020. ISSN: 1518-8795. DOI: http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2020v25n1p41. Disponível em: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/1462 Acesso em: 12 de março de 2021.

PIMENTEL, M.; CARVALHO, F. S. P. Princípios da Educação Online: para sua aula não ficar massiva nem maçante! SBC Horizontes, maio 2020. ISSN: 2175-9235. Disponível em: http://horizontes.sbc.org.br/index.php/2020/05/principios-educacao-online/. Acesso em: 07 out. 2020.

SAKA, A. A. et al. A cross-age study of the understanding of three genetic concepts: how do they image the gene, DNA and chromosome? Journal of Science Education and Technology, v. 15, n. 2, p. 192-202, 2006. DOI: 10.1007/s10956-006-9006-6.

SANTANA, E. S.; SOUZA, E. V.; FRANÇA, S. B. Alfabetização Científica: interfaces entre teoria e prática sobre o ensino de Genética na Educação Básica. Anais: Encontro Anual da Biofísica. Recife, PE. p. 70-72. 2017. ISSN : 2526--607-1. DOI: 10.5151/biofisica2017-025. Disponível em: http://pdf.blucher.com.br.s3-sa-east-1.amazonaws.com/biophysicsproceedings/biofisica2017/025.pdf Acesso em: 20 de março de 2021.

SANTOS, F. D.; SILVA, A. F. G.; FRANCO, F. F. 110 anos após a hipótese de Sutton-Boveri: a teoria cromossômica da herança é compreendida pelos estudantes brasileiros? DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1516-731320150040012 Ciência & Educação, Bauru, V. 21, n. 4, p. 977-989, 2015. ISSN 1980-850X. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ciedu/v21n4/1516-7313-ciedu-21-04-0977.pdf Acesso em: 02 de fevereiro de 2021.

SEPEL, L. M. N.; LORETO, E. E. L. S. Estrutura do DNA em origami - possibilidades didáticas. Revista Genética na Escola, v. 02 n.01, p. 3-5, 2007. ISSN 1980-3540. Disponível em: https://7ced070d-0e5f-43ae-9b1c-aef006b093c9.filesusr.com/ugd/b703be_be3a8877c548475693beac19bf6ee644.pdf Acesso em 25 de março de 2021.

SILVA, C. C.; CABRAL, H. M. M.; CASTRO, P. M. Investigando os obstáculos da aprendizagem de Genética básica em alunos do Ensino Médio. ETD- Educação Temática Digital, Campinas, SP, V. 21, n.3, p.718-737. 2019. DOI 10.20396/etd.v21i3.8651972. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8651972/21005 . Acesso em: 20 de abril de 2021.

SOUZA, L. M. et al. Metodologia do ensino de ciências exatas e da natureza aplicada a alunos com transtorno de deficit de atenção e hiperatividade. V CONEDU: Congresso Nacional de Educação. 2018. Disponível em: https://editorarealize.com.br/editora/anais/conedu/2018/TRABALHO_EV117_MD1_SA10_ID1540_10092018225910.pdf Acesso em: 12 de fevereiro de 2021.

SUMNER, A. T. Chromosomes: Organization and Function. North Berwick, Blackwell. 2003.

TEMP, D. S.; CARPILOVSKY, C. K.; GUERRA, L. Cromossomos, gene e DNA: utilização de modelo didático. Revista Genética na Escola, v. 06 n.01, p. 9-11, 2011. ISSN 1980-3540. Disponível em: https://7ced070d-0e5f-43ae-9b1c-aef006b093c9.filesusr.com/ugd/b703be_8496f7454ead4544bcf28df10c0a9395.pdf Acesso em 25 de abril de 2021.

Downloads

Publicado

2021-10-22

Como Citar

AGUILAR-ALEIXO, L. DIVERSIFICAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE CITOGENÉTICA. Revista Triângulo, Uberaba - MG, v. 14, n. 3, p. 1–20, 2021. DOI: 10.18554/rt.v14i3.5867. Disponível em: https://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/revistatriangulo/article/view/5867. Acesso em: 19 ago. 2022.