Por uma teoria crítica

porque resistir não é só ilusão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18554/rt.v15i2.6331

Palavras-chave:

Teoria crítica, Paulo Freire, Consumo

Resumo

Este ensaio apresenta os pressupostos filosóficos da Teoria Crítica para discutir sua concepção sobre ciência e conhecimento, seus processos de produção, bem como sua relevância para refletir sobre a pesquisa em educação. Destaca uma articulação entre a Teoria Crítica e a docência, considerando políticas públicas vigentes que inibem críticas que possam transformar a educação e a asseveram como conhecimento objetivo e neutro, esquecendo-se de que aprender e ensinar são formas de agir no mundo, segundo Paulo Freire, para alterar a realidade que nos cerca e modificar as instituições de ensino que acolhem professores e alunos como protagonistas da educação.

Biografia do Autor

Janaína Aguiar Mendes Galvão, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Janaína Aguiar Mendes Galvão é  Mestre em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), onde participou em projetos sobre ensino de língua espanhola e formação de professores, durante a graduação e o mestrado. Atuou como professora de espanhol na educação básica em Belo Horizonte de 2001 a 2010. Foi professora do Curso de Letras da PUC-Minas de 2008 a 2010. Atualmente é Professora Adjunta de língua espanhola da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). Foi coordenadora de área do projeto de espanhol do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid 2013, UFTM). Participou da comissão avaliadora de livros didáticos de língua espanhola do Ministério da Educação do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD 2013 e PNLD 2014). É membro da diretoria da Associação de Professores de Espanhol de Minas Gerais (APEMG) desde 2006 e em 2017 assumiu sua vice-presidência. É coordenadora do Núcleo de Línguas (Nucli) do programa Idiomas Sem Fronteiras (IsF)  da UFTM. 

 

Referências

CORDEIRO, R., BRANDÃO, M., e STREHLAU, V. Exploração de mão de obra na fabricação de produtos: quem se importa? RIMAR, Maringá, v.8, n.1, pp. 39-50, Jan./Jun. 2018. Disponível em: https://periodicos.uem.br Acesso em: 27 jul. 2021.

FREIRE, P. Conscientização: teoria e prática da libertação. 4. ed. São Paulo: Moraes, 1980.

MENEZES, M. G. e SANTIAGO, M. E. Contribuição do pensamento de Paulo Freire para o paradigma curricular crítico-emancipatório. Pro-Posições [online]. 2014, v. 25, n. 3. pp. 45-62. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0103-7307201407503 Acesso em 7 Ago. 2021.

NOBRE, M. Teoria crítica: uma nova geração. Novos estudos CEBRAP [online]. 2012, n. 93, pp. 23-27. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-33002012000200003 Acesso em: 7 Ago. 2021.

NOBRE, M. A Teoria Crítica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004.

PARAQUETT, M. Lingüística Aplicada, inclusión social y aprendizaje de español en contexto latinoamericano. Revista Nebrija de Lingüística Aplicada, Madrid, v. 6, pp 1-14, 2009. Disponível em: https://www.nebrija.com/revista-linguistica/files/articulosPDF/articulo_530f2310717fe.pdf Acesso em: 27 jul. 2021.

Downloads

Publicado

2022-08-12

Como Citar

AGUIAR MENDES GALVÃO, J. Por uma teoria crítica: porque resistir não é só ilusão. Revista Triângulo, Uberaba - MG, v. 15, n. 2, p. 76–83, 2022. DOI: 10.18554/rt.v15i2.6331. Disponível em: https://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/revistatriangulo/article/view/6331. Acesso em: 7 out. 2022.