Previsão do tempo atmosférico e carta sinótica no Brasil

pedagogia e produção de credibilidade de um conceito.

Autores

  • Valéria Cazetta USP
  • Rogério Monteiro de Siqueira USP
  • Thiago Alves de Lima

DOI:

https://doi.org/10.18554/rt.v17i1.7346

Palavras-chave:

Meteorologia, Carta sinótica, História, Pedagogia

Resumo

Objetivamos, neste texto, compreender quando e como se deu a produção e introdução das cartas sinóticas nos jornais brasileiros, tomando como estudo de caso dois jornais de ampla circulação no Brasil: o Jornal do Commercio (RJ) e O Estado de S. Paulo. A finalidade dessas cartas era, além de representar a previsão do tempo atmosférico (ou meteorológico), ensinar à população leitora dos referidos periódicos como decodificá-las. Para tanto, perseguimos, em ambos os periódicos, desde as primeiras enunciações meteorológicas até o advento das cartas sinóticas. A hipótese de trabalho gira em torno do seguinte argumento: destinadas a instituir certa ideia de previsão do tempo atmosférico, tais cartas teriam também como finalidade produzir um duplo efeito no público leitor, qual seja, o de legitimar e, ao mesmo tempo, atribuir credibilidade a uma linguagem agora publicada em dois dos mais importantes jornais do país. Dentre as conclusões destaca-se a construção da crença, por meio de uma linguagem extremamente codificada, na previsão do tempo.

Referências

ANDRADE, Ana Maria Ribeiro. de. Aconteceu, virou manchete. São Paulo, Revista Brasileira de História, v. 21, n. 41, p. 243-264, 2001. Recuperado de https://www.scielo.br/j/rbh/a/z4SF7rY8TzXZKXmQR4Z8R9w/?lang=pt

AYOADE, John O. Introdução à climatologia para os trópicos. 4. ed. Tradução de Maria Juraci Zani dos Santos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

BARBOZA, Christina. As viagens do Tempo. Uma história da meteorologia em meados do século XIX. Rio de Janeiro: E-papers, 2012.

BRASIL. Manual do observador meteorológico. Diretoria de hidrografia e navegação. 1992.

BLUESTEIN, H. B. The behavior of synoptic-scale, extratropical systems. In: H. B. Bluestein. Synoptic-dynamic meteorology in midaltitudes. New York: Oxford University Press, 1993. p. 3-237.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Remontagens do tempo sofrido: O olho da história 2. Tradução de Márcia Arbex e Vera Casa Nova. Belo Horizonte: UFMG, 2018a.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Atlas ou o gaio saber inquieto: O olho da história III. Tradução de Márcia Arbex e Vera Casa Nova. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2018b.

FERRAZ, Joaquim de Sampaio. Meteorologia brasileira: esboço elementar de seus principais problemas. Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, 1934.

FURLANETTO, Maurício. Uma investigação dos jornais brasileiros que estão disponibilizando seu conteúdo nos e-reader’s e tablets. 2010. Dissertação (Mestrado em Design) – Escola de Engenharia e Faculdade de Arquitetura, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Por Alegre, 2010. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/31393/000780344.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 28 jan. 2024.

HALL, Stuart. Codificação/decodificação. In: Da diáspora: identidades e mediações culturais. Tradução de Adelaide La Guardia Resende. 2. Ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013. p. 428-447.

LATOUR, Bruno. Ciência em Ação. Como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

LINACRE, Edward and GEERTS, Bart. Climates & weather explained. London and New York: Routledge, 1997.

MOLINA, Matías M. História dos jornais no Brasil: da era colonial à regência (1500-1840). São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

NOGUERA-RAMÍREZ, Carlos Ernesto. Pedagogia e governamentalidade ou da modernidade como uma sociedade educativa. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

OLIVEIRA, Fabíola de. INMET: 100 anos de meteorologia no Brasil: 1909-2009. Brasília, DF: INMET, 2009.

ORTIZ, Renato. A moderna tradição brasileira. Cultura brasileira e indústria cultural. São Paulo: Brasiliense, 2001.

PASTORI GARBIN, Estevão; DE PAULA SANTIL, Fernando Luiz; SILVEIRA, Hélio. Análise da percepção das variáveis visuais de acordo com a categorização das feições das cartas sinóticas. Revista Brasileira de Cartografia, [S. l.], v. 63, n. 3, 2012. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/43751. Acesso em: 28 jan. 2024.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. As barbas do imperador: D. Pedro II, um monarca nos tro?picos. São Paulo: Comanhia das Letras, 1998.

SERRES, Michel. Polegarzinha. Tradução de Jorge Bastos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

SEVERIANO, Mylton. Nascidos para perder – História do jornal da família que tentou tomar o poder pelo poder das palavras – e das armas. Florianópolis: Insular, 2012.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Teoria cultural e educação - um vocabulário crítico. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A pedagogia como cultura, a cultura como pedagogia. In: Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3. Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 139 – 142.

VAREJÃO-SILVA, Mário Adelmo. Meteorologia e climatologia. Recife, 2006.

VIANELLO, Rubens Leite e ALVES, Adil Rainier. Meteorologia básica e aplicações. Viçosa: UFV, 2000.

Downloads

Publicado

2024-05-01

Como Citar

CAZETTA, V.; SIQUEIRA, R. M. de; LIMA, T. A. de. Previsão do tempo atmosférico e carta sinótica no Brasil: pedagogia e produção de credibilidade de um conceito. Revista Triângulo, Uberaba - MG, v. 17, n. 1, p. 116–136, 2024. DOI: 10.18554/rt.v17i1.7346. Disponível em: https://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/revistatriangulo/article/view/7346. Acesso em: 12 jul. 2024.