O sentido do jogo na Educação Infantil e no ensino fundamental: uma análise acerca da Base Nacional Comum Curricular

Claube Camile Soares Lima, João Francisco Magno Ribas, Raquel Valente de Oliveira

Resumo


Essa pesquisa objetivou identificar o sentido do Jogo disposto na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), na Educação Infantil e nos distintos componentes curriculares do Ensino Fundamental – anos iniciais e anos finais. Para isso, realizou-se uma análise documental, de caráter qualitativo, por meio da qual constatou-se que na Educação Infantil o Jogo é tido como eixo estruturante para o desenvolvimento das aprendizagens e habilidades das crianças, devendo ser trabalhado no decorrer de toda essa etapa de ensino. Já no Ensino Fundamental, dependendo do componente curricular, o mesmo apresenta-se como um conteúdo com fim em si mesmo, como na Educação Física e na Arte; como meio (metodologia) para ensinar os conteúdos específicos de cada disciplina, estando presente nas habilidades a serem por elas desenvolvidas (Língua Portuguesa, Língua Inglesa, Geografia, História e Ensino Religioso); ou ainda encontra-se ausente, assim como na Matemática e nas Ciências. Desse modo, a cultura do Jogo, enquanto construção social, precisa ser vivenciada em um determinado tempo e espaço, levando em consideração sua importância no desenvolvimento do indivíduo durante a infância e a adolescência, ancorado por documentos de caráter educacional como a BNCC, na qual determina, norteia e orienta as práticas pedagógicas da Educação Básica.

Palavras-chave


Jogo. Base Nacional Comum Curricular. Educação Infantil. Ensino Fundamental.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988.

______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: DF, 1996.

______. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018. Disponível em: .

______. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Proposta preliminar. Segunda versão. Brasília, 2016. Disponível em: .

______. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Proposta preliminar. Terceira versão. Brasília, 2017. Disponível em: .

HUIZINGA, J. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 2007.

KUNZ, E. Brincar e Se-movimentar: tempos e espaços da vida da criança. Ijuí: Unijuí, 2017.

PIMENTEL, A. O método da análise documental: seu uso numa pesquisa historiográfica. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 114, p. 179-195, 2001. ISSN 0100- 1574. Disponível em: .

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

SÁ-SILVA, J. R.; ALMEIDA, C. D.; GUINDANI, J. F. Pesquisa Documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, Rio Grande, Ano I, n. 1, p. 01-15, 2009. ISSN 2175-3423. Disponível em: .

SILVA, W. R.; GUIMARÃES, E. V.; MEDEIROS, I. A. Construção de objetos de conhecimento para aulas de Língua Portuguesa na abordagem do letramento científico. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 18, n. 1, p. 159-191, 2018. ISSN 1984-6398. Disponível em: .

SOCZEK M. E. Os Jogos Cênicos de improvisação e a Escola. out. 2010. Disponível em: . Acesso em: 28 maio. 2018.

TEZANI, T. C. R. O jogo e os processos de aprendizagem e desenvolvimento: aspectos cognitivos e afetivos. Educação em Revista, Marília, v. 7, n. ½. p. 1-16, 2006. ISSN: 1518-7926. Disponível em: .




DOI: https://doi.org/10.18554/rt.v0i0.3466

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Triângulo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.