Formação continuada de professores de Ciências em Educação Especial

indicadores de desenvolvimento profissional

Autores

  • Ana Caroline dos Santos Oliveira Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA
  • Thayná Cristina Dias e Dias Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA
  • Danielle Rodrigues Monteiro da Costa Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA
  • Camila Maria Sitko Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA
  • Lucélia Cardoso Cavalcante Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA

DOI:

https://doi.org/10.18554/rt.v15i2.5879

Palavras-chave:

Desenvolvimento profissional., Formação continuada de professores de ciências., Práticas pedagógicas inclusivas.

Resumo

Este artigo resulta das experiências formativas realizadas com professores de ciências da educação básica em educação especial por meio de um curso-formação via plataforma Moodle. Objetivamos com este estudo analisar como a formação continuada de professores de ciências na perspectiva inclusiva contribuiu para o desenvolvimento profissional a partir da ótica dos professores participantes. O percurso metodológico se constituiu com base na abordagem qualitativa, da qual foram examinadas falas das professoras participantes do curso-formação presentes no grupo-focal de avaliação. Encontramos como resultados presentes nas falas das participantes alguns marcadores de mudança no comportamento como: mudança na concepção sobre inclusão e alunos com deficiência; modificação do processo de avaliação; elaboração de atividades colaborativas; mudança de comportamento em tornar os materiais didáticos acessíveis. Concluímos que o desenvolvimento profissional dos professores que ensinam ciências e que participaram do curso-formação proposto nesta pesquisa foi resultado do reconhecimento e da valorização do saber docente e do fato de que a formação continuada deve considerar as diferentes etapas e processos que perpassam pela prática profissional, voltada a uma reflexão crítica quanto ao posicionamento de um fazer pedagógico inclusivo no ensino de ciências, que reflita no desenvolvimento de habilidades e competências do professor para lidar com estudantes diversos.

Biografia do Autor

Ana Caroline dos Santos Oliveira, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa - 2020), é atualmente mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGCEM), da Unifesspa e também está cursando especialização em TEA:INTERVENÇÕES MULTIDISCIPLINARES EM CONTEXTOS INTERSETORIAIS/DEES pela Universidade do Estado do Pará (UEPA). Participou como Colaboradora do Projeto de Ensino Intitulado: "Laboratório interdisciplinar de Produção de materiais didático-pedagógicos acessíveis e o uso de tecnologias assistivas com alunos com deficiência da Educação Básica", financiado pelo Programa de Apoio à Projetos de Intervenção Metodológica-PAPIM - 2017. Atuou como colaboradora do Projeto de Ensino intitulado: "Laboratório Interdisciplinar de Inovação no Ensino Inclusivo: Utilização e Desenvolvimento de Recursos e Tecnologias Assistivas Pedagógicas em Escolas da Educação Básica", financiado pelo Programa de Apoio a Projetos de Intervenção Metodológica (PAPIM) - 2018/2019. Atuou também como bolsista residente do Programa Residência Pedagógica - Capes 2018/2019. Integra o Grupo de Estudos e Pesquisas em Ensino de Ciências (GEPEC). Tem experiência em estágios obrigatórios supervisionado na rede pública de ensino e não-obrigatório na rede educacional privada. Trabalha como professora do ensino básico nos anos iniciais do ensino fundamental. Possui interesse nas áreas: Educação Especial. Ensino de Ciências. Materiais didático-pedagógicos. Metodologias ativas.

Thayná Cristina Dias e Dias, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA

Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) (2019), Especialista em Atendimento Educacional Especializado (AEE) (2020), atualmente é mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação de Ciências e Matemática (PPGECM), da Unifesspa e bolsista FAPESPA (2020-atual) , faz Especialização em ensino de Astronomia e Ciências afins pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (Ufrpe) e estudante de Inglês nível intermediário. Participou como bolsista remunerada do Programa de "Apoio ao Discente com Deficiência no Ensino Superior" - PROEX/UNIFESSPA (2016-2018). Participou como bolsista remunerada de Iniciação Científica da pesquisa intitulada "Demandas dos Professores nas áreas de ensino de Ciências e Matemática para desenvolvimento de práticas curriculares inclusivas com alunos com deficiência, transtorno do espectro autista e altas habilidades/Superdotação" com a agência de fomento PIBIC/CNPq (2019) e PIBIC/FAPESPA (2020). Em 2019, realizou intercambio pelo Programa Nacional de Cooperação Acadêmica na Amazônia (PROCAD) na UNESP/Bauru com atividades acadêmicas por 2 meses pelo Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência. Membra da Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências (ABRAPEC). Integra o Grupo de Pesquisa e Estudos em Ensino de Ciências-GEPEC (2019-atual) e Núcleo de estudos e pesquisas em Astronomia e em Educação em Astronomia - NEPAEA (2021) vinculados ao PPGECM/Unifesspa, como também participa do Grupo de Pesquisa em Educação em Ciências, Matemáticas e Inclusão-RUAKÉ (2021) da Universidade Federal do Pará (Ufpa). Possui interesses na áreas de: Educação Especial, ensino de Ciências nos anos iniciais, ensino de Astronomia e formação de professores.

Danielle Rodrigues Monteiro da Costa, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA

Licenciada, Mestre e Doutora em Química pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Atuou como Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA) e da Secretaria de Estado de Educação (SEDUC). Atualmente é Docente do Departamento de Ciências Naturais da Universidade do Estado do Pará (UEPA), do Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática (Unifesspa) e do Programa de Pós-graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia (UEPA). É membro do Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos (CEPMARABA), Sociedade Brasileira de Química (SBQ), Associação Brasileira de Química (ABQ), Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências (ABRAPEC) e Sociedade Brasileira de Ensino de Química (SBEnQ). Desenvolve trabalhos na área de Química de Produtos Naturais e Formação de Professores de Química, atuando nos seguintes temas: Cromatografia Líquida de Alta Eficiência, Produtos Naturais Bioativos, Ensino de Química e Saberes Docentes. Paraense, mãe da Larissa Monteiro da Costa e Lucas Monteiro da Costa

Camila Maria Sitko, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA

É docente colaboradora externa nos programas de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Maremática da Unifesspa (PPGECM) e pós-graduação Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física (MNPEF). Técnica de Laboratório de Física na Universidade Federal do Paraná. É investigadora do Centro de Investigação, Desenvolvimento e Inovação (CIDI), do Instituto de Estudos Superiores de Fafe (IESF) - Portugal. É doutora em Ensino de Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual de Londrina, na área de História e Filosofia da Ciência. É mestre em Física também pela Universidade Estadual de Londrina, na área de Astrofísica Estelar. Graduada em Licenciatura em Física pela Universidade Estadual do Centro-Oeste - Paraná. Pesquisadora nas áreas de Educação em Astronomia, História, Filosofia e Sociologia da Ciência, e Metodologias Ativas de Ensino e Aprendizagem.

Lucélia Cardoso Cavalcante, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA

Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal do Pará/Campus de Marabá (2003). Possui Formação específica na área de Alfabetização (aperfeiçoamento). Especialização em Psicopedagogia Clínica e Institucional. É mestra e doutora em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos/UFSCar no Programa de Pós-Graduação em Educação Especial. Possui experiência na docência do Ensino Público Municipal e no ensino superior pela UFPA e Unifesspa. Atuou em vários projetos de ensino, pesquisa e extensão da UFPA de 2003 a 2013. Atuou como Técnica Pedagógica da UFPA e Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - Marabá de 2006 a 2016. Coordenou Programas de Extensão nas áreas: Formação de Professores em Arte - Educação, Economia Solidária e na área de Educação Especial. Coordenou de 2009 aos dias atuais projetos de pesquisa, de ensino e programas de extensão na área de Educação Especial. Exerceu o cargo de coordenadora de Extensão do Campus da UFPA/Marabá de fevereiro de 2007 a janeiro de 2010. Possui formação na área de Libras, Braille, áudiodescrição e educação de pessoas com TEA. Atualmente é professora Adjunta da área de Educação Especial da Unifesspa. É professora do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática da Unifesspa, com orientações na área de inclusão, formação de professores e o ensino inclusivo em Ciências e Matemática. É professora do Programa de Mestrado Profissional de História em Rede/Unifesspa orientando pesquisas na área do ensino de História inclusivo. E professora e coordenadora do Programa de Pós-graduação do Mestrado Profissional em Educação Inclusiva - PROFEI em Rede Nacional. É pesquisadora do Grupo de Pesquisa OBSERVATÓRIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL ? Oneesp da Universidade Federal de São Carlos. Atualmente é líder de dois Grupos de Pesquisa: "Grupo de Pesquisa em Educação Especial: Contextos de formação, políticas e práticas de educação inclusiva" e "Núcleo de Estudos e Pesquisas em Tecnologias Assistivas e Acessibilidade" do CNPQ pela Unifesspa. Exerceu o cargo de coordenadora do Núcleo de Acessibilidade e Inclusão acadêmica - NAIA - UNIFESSPA de abril de 2014 a setembro de 2020. Atualmente exerce o cargo de Vice-Reitora da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - Unifesspa a partir do dia 30 de setembro de 2020. Integra atualmente a Comissão Assessora em Educação Especial e Atendimento Especializado em Exames e Avaliações da Educação Básica, como especialista consultora do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira/INEP, Portaria Nº 985, de 25 de Novembro De 2019/INEP/MEC.

Referências

ANJOS, H. H. C.; MOL, G. Combate à discriminação e o preconceito: um compromisso social dos professores de Ciências. In: MOL, Gerson. O ensino de Ciências na escola inclusiva, Campos dos Goytacazes (RJ): Multicultural, 2019.

BIAJONE, J.; ALMEIDA, P. C. A. A formação Inicial de Professores em Face dos Saberes Docentes. In: REUNIÃO ANUAL ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 28., 2005, Caxambu (MG). Anais [...]. Caxambu: ANPED, 2005.

BOLZAN, D. P. V Pedagogia universitária e processos formativos: a construção do conhecimento pedagógico compartilhado. In: ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICAS DE ENSINO, 14., p. 102-120, 2008, Porto Alegre. Anais [...]. Porto Alegre: PUC/RS, v. 1, 2008.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP Nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file. Acesso em: 30 ago. 2021.

CAMARGO, E. P.; NARDI, R. Dificuldades e alternativas encontradas por licenciandos para o planejamento de atividades de ensino de eletromagnetismo para alunos com deficiência visual. Investigações em Ensino de Ciências, v. 12, n. 1, p. 55-69, 2016.

CAMARGO, E. P.; NARDI, R. Dificuldades e alternativas encontradas por licenciandos para o planejamento de atividades de ensino de óptica para alunos com deficiência visual. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 29, p. 115-126, 2007.

CARVALHO, A. M.; GIL-PÉREZ, D. Formação de professores de Ciências. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2000. 127 p.

CRECCI, V. M.; FIORENTINI, D. Desenvolvimento Profissional de Professores em Comunidades com Postura Investigativa. Acta Scientiae. v. 15, n.1., p.9-23, 2013.

FALSARELLA, A. M. Formação continuada e prática de sala de aula: os efeitos da formação continuada na atuação do professor. Campinas: Autores Associados, 2004. 236 p.

FIORENTINI, D. A Pesquisa e as Práticas de Formação de Professores de Matemática em face das Políticas Públicas no Brasil. Bolema, n. 29, p. 43-70, 2008.

FIORENTINI, D. Desenvolvimento Profissional e Comunidades Investigativas. In: DALBEN, A.; DINIZ, J.; LEAL, LEIVA, L. SANTOS, L. (Org.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente: Educação Ambiental; Educação em Ciências; Educação em Espaços não escolares; Educação Matemática. 1 ed. Belo Horizonte: Autêntica, v. 1, p. 570-590, 2010.

FIORENTINI, D. A investigação em Educação Matemática desde a perspectiva acadêmica e profissional: desafios e possibilidades de aproximação. In: Conferência Interamericana de Educação Matemática, 13., 2011, Recife (PE). Anais [...]. Recife (PE):EDUMATEC-UFPE, v. I. p. 1-22, 2011.

FIORENTINI, D.; CRECCI, V. M. Desenvolvimento Profissional DOCENTE: Um Termo

Guarda-Chuva ou um novo sentido à formação? Revista Brasileira de Formação Docente. Belo Horizonte: Autêntica, v. 5, p. 11-23, 2013.

FIORENTINI, D.; CRECCI, V. M. Práticas de desenvolvimento profissional sob a perspectiva dos professores. Revista Eletrônica da Divisão de Formação Docente, Volume Especial de Lançamento – 2.º Semestre 2012.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. Tradução Joice Elias Costa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed/Bookman, 2009. 408 p.

FORMACHARI, W. M.; SITKO, C. M.; NEVES, N. N. Panorama das teorias de aprendizagem utilizadas nas pesquisas em ensino de física para deficientes visuais e os produtos educacionais da área. Tear: Revista de Educação, Ciência e Tecnologia, v. 10, n. 1, p. 1-20, 2021.

GARCÍA, C. M. Formação de Professores: para uma mudança educativa. Tradução: Isabel Narciso. (Coleção Ciências da Educação – século XXI). Porto: Porto Editora, 1999. 272 p.

IBIAPINA, I. M. L. M. Pesquisa Colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimento. Brasília: Líber Livro Editora, 2008.

IBIAPINA, I. M. L. M.; BANDEIRA, H. M. M.; ARAUJO, F. A. M. Pesquisa colaborativa: multirreferencias e práticas convergentes. Teresina: Edufpi, 2016.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. Trad. Silvana Cobucci Leite. 9. ed. v. 14. São Paulo: Cortez, 2011.

KRAMER, S. Entrevistas coletivas: uma alternativa para lidar com diversidade, hierarquia e poder na pesquisa em ciências humanas. In: FREITAS, Maria Teresa; SOUZA, Solange Jobim e KRAMER, Sonia. (Org). Ciências humanas e pesquisa: leituras de Mikhail Bakhtin. 2. ed. v. 107, São Paulo: Cortez, 2007.

MAGALHÃES, M. C. C. Formação contínua de professores: sessão reflexiva como espaço de negociação entre professores e pesquisador externo. In: MAGALHÃES, M. C. C.; FIDALGO, S. S. Pesquisa crítica de colaboração: um percurso na formação docente. São Paulo: Ductor, p. 97-113, 2006.

MATOS, S. N.; MENDES, E. G. Demandas de Professores Decorrentes da Inclusão Escolar. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 21, p. 9-22, 2015.

MENDES, E. G. Inclusão marco zero-começando pelas creches. Junqueira & Marin Editores, 2016.

PASSOS, C. L.; NACARATO, A.; FIORENTINI, D; MISKULIN, R. G.; GRANDO, R. C.; GAMA, R.; MEGID, M. A.; FREITAS, M. T. Desenvolvimento profissional do professor que ensina Matemática: uma meta-análise de estudos brasileiros. Quadrante, v. 15, n. 1&2, p. 193-219, 2006.

PEREIRA, L. L. S.; BENITE, C. R. M.; PADILHA, J. C.; MENDES, M. L.; VILELA-RIBEIRO, E. B.; BENITE, A. M. C. Trajetória da formação de professores de ciências para educação inclusiva em Goiás, Brasil, sob a ótica de participantes de uma rede colaborativa. Ciência & Educação, v. 21, p. 473-491, 2015.

PIMENTEL, M. I. M.; VIANA, G. C. S.; CAMAROTTI, M. F. O ensino de ciências e biologia para deficientes visuais na percepção de professores e alunos. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA – II CINTEDI, 2., 2016. Paraíba, 2016. Disponível em: https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/23105 Acesso em: 18 ago. 2021.

PONTE, J. P. O desenvolvimento profissional do professor de matemática. Educação e Matemática, p. 9-20, 1994.

ROSS, J. D. T.; VOOS, I. C. O ensino de ciências da natureza para estudantes cegos: uma análise nos anos iniciais do ensino fundamental. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS – XI ENPEC, 11., 2017, Florianópolis - SC. p. 1-8. Disponível em: http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/listaresumos.htm. Acesso em: 16 ago. de 2021.

SILVA, L. V.; BEGO, A. M. Levantamento bibliográfico sobre educação especial e ensino de ciências no Brasil. Revista Brasileira de Educação Especial, v.24, n.3, p.343-358, 2018.

TORRES, J. P.; MENDES, E. G. Formação de professores de ciências exatas numa perspectiva inclusiva. Revista Insignare Scientia, v. 1, n. 3, p. 1-21, 2018.

VILELA-RIBEIRO, E. B.; BENITE, A. M. C. Professores Formadores de Professores de Ciências: o que influencia suas concepções sobre Inclusão? Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 4, n. 2, p. 127-147, 2011.

Downloads

Publicado

2022-08-12

Como Citar

DOS SANTOS OLIVEIRA, A. C.; DIAS E DIAS, T. C. .; RODRIGUES MONTEIRO DA COSTA, D.; SITKO, C. M.; CARDOSO CAVALCANTE, L. Formação continuada de professores de Ciências em Educação Especial: indicadores de desenvolvimento profissional . Revista Triângulo, Uberaba - MG, v. 15, n. 2, p. 22–42, 2022. DOI: 10.18554/rt.v15i2.5879. Disponível em: https://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/revistatriangulo/article/view/5879. Acesso em: 7 out. 2022.