Envelhecimento, respeito e valorização do idoso em livros didáticos de língua portuguesa do novo Ensino Médio

uma análise discursiva

Autores

  • Lucas de Morais Bezerra Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)
  • Thâmara Soares de Moura Universidade do Estado do Rio Grande do Norte
  • Francisco Vieira Vieira da Silva

DOI:

https://doi.org/10.18554/rt.v17i1.6790

Palavras-chave:

Envelhecimento, Idoso, Discurso

Resumo

O artigo investiga coleções didáticas de língua portuguesa do Novo Ensino Médio (NEM), com o intuito de analisar como se constituem discursos sobre o processo de envelhecimento, o respeito e a valorização do idoso. O aparato teórico ancora-se, especialmente, em Michel Foucault acerca de discurso, do enunciado e das relações de saber-poder. Quanto à metodologia, trata-se de um estudo documental, de abordagem qualitativa e análise descritiva-interpretativa. O corpus é formado por duas coleções de livros didáticos da área de linguagens e suas tecnologias, aprovados pelo Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD), edição de 2021. A partir das análises, foi possível constatar que os discursos produzidos partem do âmbito individual para o social e se destinam a valorizar e promover o respeito aos idosos.

Biografia do Autor

Lucas de Morais Bezerra, Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)

Discente do curso de Letras-Português da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA). 

Thâmara Soares de Moura, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Mestra em Letras pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). Doutoranda em Letras pela mesma universidade. 

Referências

ANTONIO, N. et al. Metodologia de Pesquisa-Estudo de Caso Interpretativo em Sistemas de Informação. Sociedade Brasileira de Computação, 2019.

BARROS, F. et al. Estações Língua Portuguesa: rotas de atuação social. São Paulo: Ática, 2020.

BRASIL. Emenda Constitucional n. 103, de 12 de novembro de 2019. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano 157, n. 220, p. 1-6, 13 nov. 2019a.

BRASIL. Lei nº 1074/2003. Estatuto do Idoso. Brasília: DF, Outubro de 2003.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 2017a.

BRASIL. Lei nº 13.467, de 13 de julho de 2017b. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13467.htm. Acesso em: 13 de fevereiro de 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. MEC, 2013. Brasília, DF, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação; Secretaria de Educação Básica; Diretoria de Políticas e Regulação da Educação Básica. Temas Contemporâneos Transversais na BNCC: Contexto Histórico e Pressupostos Pedagógicos. [S. l.: s. n.], 2019b.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: apresentação dos Temas Contemporâneos Transversais, ética/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.

CALOMENI, T. O ronco surdo da batalha: poder disciplinar e biopolítica. RESENDE, H. (Org.). Michel Foucault: o ronco surdo da batalha (pp. 215-239). São Paulo: Intermeios, 2018. p. 215-239.

CÁSSIO, F.; GOULART, D. A implementação do Novo Ensino Médio nos estados: das promessas da reforma ao ensino médio nem-nem. Retratos da Escola, [S. l.], v. 16, n. 35, p. 285–293, 2022.

CHINAGLIA, J. Linguagens em interação: língua portuguesa. São Paulo: IBEP, 2020.

FOUCAULT, M. A Ordem do Discurso. Aula Inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 19.ed. São Paulo: Edições Loyola, 2009a.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Trad. Luiz Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: RABINOW, P.; DREYFUS, H. Foucault: uma trajetória filosófica para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009. p. 231-250.

GIL, A. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 6ª ed. São Paulo: Grupo GEN, 2017.

HELDER, Raimundo R. Como fazer análise documental. Porto, Universidade de Algarve, v. 1, p. 1-5, 2006.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Projeções de evolução dos grupos etários. Rio de Janeiro, 2018.

MARQUES, R. Notas sobre a reforma previdenciária brasileira no contexto do neoliberalismo e da América Latina. Brazilian Journal of Political Economy, v. 20, p. 146-157, 2022.

MENDES, M. et al. A situação social do idoso no Brasil: uma breve consideração. Acta paulista de enfermagem, v. 18, p. 422-426, 2005.

NAVARRO, P.; BAZZA, A. A subjetivação do “novo idoso” em textos da mídia. Estudos da Língua (gem), v. 10, n. 2, p. 143-159, 2012.

NETTO, A. Universidade Aberta para Maturidade: avaliação crítica de uma avançada proposta educacional e social. In: KACHAR, Vitória. Longevidade: um novo desafio para a educação. São Paulo: Cortez, 2001. p. 45-61.

PAZ, S.; GOLDMAN, S. Estatuto do idoso. FREITAS, EV de et al. Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

PEREIRA, A. et al. Metodologia da pesquisa científica. 2018.

PEREIRA, J. Idoso, envelhecimento e livro didático de português: temática veiculada nos gêneros textuais. 2019.

RESENDE, H. A educação por toda a vida como estratégia de biorregulação neoliberal. In: RESENDE. Haroldo de (org). Michel Foucault: a arte neoliberal de governar a educação. São Paulo: Intermeios; Brasília: Capes/CNPq. 2018. p. 77-94.

RITT, C. O Estatuto do ldoso: breves comentários sobre uma realidade de violência doméstica e familiar. Revista do Ministério Público do RS, p. 172-174, 2007.

SILVA, D. A abordagem da temática velhice nos livros didáticos de língua portuguesa direcionados à 1ª. série do ciclo I do ensino fundamental. 2006. 139 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006.

SILVA, F. Posicionamentos discursivos sobre a educação domiciliar no Brasil em postagens do Twitter. Linhas Crí¬ticas, [S. l.], v. 27, p. e38943, 2021.

TODARO, M. Vovô vai à escola: a velhice como tema transversal no ensino fundamental. Campinas, SP: Papirus, 2009.

VASCONCELOS, S.; SOUTO, E. O livro didático de ciências no ensino fundamental proposta de critérios para análise do conteúdo zoológico. Revista Ciências & Educação, v. 9, p. 93-104, 2003.

VAZ, R. O cheio e o vazio: práticas de (des)subjetivação no cristianismo e no budismo. In: BUTTURI JUNIOR, A.; CANDIOTTO, C.; SOUZA, P.; CAPONI, S. (Orgs.). Foucault & as práticas de liberdade II: topologias políticas e heterotopologias. Campinas: Pontes, 2019. p. 299-314.

VIEIRA, R. et al. Estereótipos sobre os idosos: dissociação entre crenças pessoais e coletivas. Temas em Psicologia, 2015.

Downloads

Publicado

2024-05-01

Como Citar

DE MORAIS BEZERRA, L. .; SOARES DE MOURA, T. .; VIEIRA DA SILVA, F. V. Envelhecimento, respeito e valorização do idoso em livros didáticos de língua portuguesa do novo Ensino Médio: uma análise discursiva. Revista Triângulo, Uberaba - MG, v. 17, n. 1, p. 335–354, 2024. DOI: 10.18554/rt.v17i1.6790. Disponível em: https://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/revistatriangulo/article/view/6790. Acesso em: 12 jul. 2024.

Edição

Seção

Demanda Contínua