Paisagens, percepções e composições para outros processos de formação

Educação Ambiental numa unidade de conservação

Autores

  • Juliana Roemers Moacyr Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Adriana Guardiola Lunardi Instituto Çarakura
  • Ana Maria Hoepers Preve Universidade do Estado de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.18554/rt.v17i1.7325

Palavras-chave:

Composição, Educação Ambiental, Oficina, Paisagem, Percepção

Resumo

O que percebemos ao nosso redor e como o percebemos? O que está para além daquilo que enxergamos? Como revelar outras paisagens na paisagem? Essas questões motivaram a elaboração de uma oficina no Programa de Educação Ambiental do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro. A oficina Paisagens, percepções e composições buscou pôr à mostra paisagens percebidas, lembradas e imaginadas, misturando memória e afetividade com a força dos pigmentos naturais das plantas e da terra. Na tentativa de afastar se de uma educação dada a priori, a intenção foi produzir uma ruptura, para ultrapassar a linha de uma educação ambiental institucionalizada tida como garantia de conscientização para a conservação da natureza, para, na sequência, pensá-la por outras vias. No trabalho com essa oficina investimos em uma experimentação com a educação ambiental tornando-a inventiva. Como inventiva consideramos uma educação que está implicada com uma poética e uma política das sutilezas para que então pudéssemos imaginar outras naturezas, outras paisagens, outras formas de relação e proteção e por sua vez de percepção no espaço de uma Unidade de Conservação.

Referências

BONDIA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação. Jan/abr 2022, nº 19, p. 20-29.

COCCIA, Emanuelle. A Virada Vegetal. Editora N-1. 2008.

CORRÊA, G. C; PREVE, A. M. H. A educação e a maquinaria escolar: produção de sub-jetividades, biopolítica e fugas. Revista de Estudos Universitários, 2011, v. 37, nº 2, p. 181-201.

DELEUZE, Gilles. Francis Bacon - lógica da sensação. Trad. Silvio Ferraz e Annita Costa Malufe, 1981.

DELEUZE, Gilles. A imagem-tempo. Trad. Eloisa de Araújo Ribeiro. São Paulo: Brasilien-se, 2007.

DIAS, Suzana. Perceber-fazer floresta: da aventura de entrar em comunicação com um mundo todo vivo. Revista ClimaCom. 2020, nº 17.

GIRAD, Gisele. Mapas alternativos e educação geográfica. Revista Percursos. Florianópolis, jul/dez, 2012, vol. 13, nº 02, p. 39-51.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

PELBART, Peter. Pál. O avesso do niilismo: cartografias do esgotamento. Trad. John Laudenberger. São Paulo: n-1, 2013.

PREVE, Ana Maria Hoepers. Geografias, imagens e educação: experiências. Revista Entre-Lugar, Dourados- MS. Jan/jun, 2013, nº 7, p. 49-66.

ROLNIK, Suely. Cartografia sentimental – transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina Editora da UFRGS, 2011.

TERRA do Silencio e da Escuridão. Direção: Werner Herzog. Alemanha. 1971. Documentário (120 minutos). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=GI3TghJync8. Acessado em: 10 nov. 2023.

Downloads

Publicado

2024-05-01

Como Citar

ROEMERS MOACYR, J.; GUARDIOLA LUNARDI , A. . .; PREVE , A. . M. H. Paisagens, percepções e composições para outros processos de formação: Educação Ambiental numa unidade de conservação. Revista Triângulo, Uberaba - MG, v. 17, n. 1, p. 223–240, 2024. DOI: 10.18554/rt.v17i1.7325. Disponível em: https://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/revistatriangulo/article/view/7325. Acesso em: 12 jul. 2024.