A casa como território brincante

sobre a produção de fotografias e filmagens na pandemia da COVID-19

Autores

  • Silvia de Amorim Prefeitura Municipal de Florianópolis
  • Ana Paula Nunes Chaves Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

DOI:

https://doi.org/10.18554/rt.v17i1.7466

Palavras-chave:

Isolamento Social, Espaço, Educação Infantil

Resumo

O artigo tem como objetivo problematizar as vivências da proposta metodológica Territórios Brincantes, do Núcleo de Educação Infantil Municipal (NEIM) Doralice Teodora Bastos, em Florianópolis, a partir da produção de fotografias e filmagens no período de isolamento social, entre os meses de março a dezembro de 2020. O referencial teórico explora a documentação pedagógica e sua relação com o cinema de arquivo e a produção de imagens, a partir dos trabalhos de Gunilla Dahlberg, Nicholas Andueza, Andréa França e Cezar Migliorin. A pesquisa documental derivou do Projeto Político Pedagógico da unidade; das quatro versões do documento Territórios Brincantes; do Planejamento geral da unidade relativo ao ano de 2020; dos planejamentos e registros das profissionais docentes dos Grupos 4?5 e Grupo 5?6. A análise demonstrou como, pela produção de imagens, as crianças eram mobilizadas a reconhecer o afeto, despertavam o desejo de ver o outro e amenizavam a saudade. Por outro lado, a interligação do registro fotográfico e filmagens com a produção da documentação pedagógica permitiu refletir sobre os Territórios Brincantes, sua intencionalidade de valorizar a relação do espaço com as brincadeiras, a sua execução no período de isolamento social e a interação estabelecida pela produção de imagens.

Biografia do Autor

Ana Paula Nunes Chaves, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Graduada em Geografia (2007) e com Mestrado em Educação (2010) pela Universidade de Santa Catarina/UFSC. Doutorado em Educação (2015) na Universidade de São Paulo/USP. Professora Associada do Departamento de Geografia e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado de Santa Catariana/UDESC. 

Referências

AMARAL, S. R. F.; GUARI, M. A.; OLIVEIRA JR, W. M. Coisas Inventadas: Montagem e edição em um cineclube escolar. Revista Digital do Lav – Santa Maria, vol. 14, n.1, p. 197-219, jan./abr. 2021.

AMORIM, S.; CHAVES, A. P. N. Pandemia, telas e janelas: a produção de imagens como estratégias de interação. In: GIRARDI, G.; OLIVEIRA JR, W. M. de; NUNES, F. G. (orgs.). Pedagogia das imagens na imaginação geográfica: pesquisas, experimentações e práticas educativas. São Carlos: Pedro & João, p. 163-179, 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Secretaria de Educação Básica. Brasília, MEC, SEB, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Nacionais de Qualidade para a Educação Infantil. Brasília, MEC, SEB, v. 1, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Educinf/eduinfparqualvol1.pdf. Acesso em: 20 jan. 2021.

DAHLBERG, G. Documentação pedagógica: uma prática para a negociação e a democracia. In: EDWARDS, C.; FORMAN, G.; GANDINI, L. (org). As cem linguagens da criança: A abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância. Tradução Dayse Batista. Porto Alegre: Penso, 2016, p. 230-234.

DAHLBERG, G.; MOSS, P.; PENCE, A. Qualidade na educação da primeira infância: perspectiva pós-modernas. Tradução Magda França Lopes. 2. ed. Porto Alegre: Penso, 2019.

FLORIANÓPOLIS, Prefeitura Municipal de. Projeto Político Pedagógico do NEIM Doralice Teodora Bastos. Florianópolis, 2021.

FORMAN, G. O uso das mídias digitais em Reggio Emilia. In: EDWARDS, C.; FORMAN, G.; GANDINI, L. (org). As cem linguagens da criança: A abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância: Volume 2. Tradução Marcelo de Abreu Almeida. Porto Alegre: Penso, 2016, p. 337-338.

FRANÇA, A.; ANDUEZA, N. O cinema de arquivo e a (des)pedagogia das sensibilidades: uma imersão em outros espaços e tempos. Acervo, v.32, n.3, p.64, 15 ago. 2019.

GAMBETTI, A.; GANDINI, L.; Introdução. In: REGGIO CHILDREN. As cem linguagens em mini-histórias: contadas por professores e crianças de Reggio Emilia. Tradução Guilherme Adami. Porto Alegre: Penso, 2021, p. 06-08.

HOYUELOS, A. A estética no pensamento e na obra pedagógica de Loris Malaguzzi. Tradução Bruna Heringer de Souza Vilar. São Paulo: Phorte editora, 2020.

MIGLIORIN, C. Inevitavelmente cinema: educação, política e mafuá. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2015.

MIGLIORIN, C. et al. Cadernos do inventar: cinema, educação e direitos humanos. Nitero?i: EDG, 2016.

MIGLIORIN, C.; PIPANO, I. Camerar um ponto de ver: a pedagogia das imagens em Boa Água. Rebeca - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual, v. 8, n. 1, 2019.

NEIM DORALICE TEODORA BASTOS. A casa enquanto território do nosso brincar - parte 1. Florianópolis, 2020.

OLIVEIRA, W. A. S.; OLIVEIRA JR, W. M. Desarquivando um cineclube escolar: primeiras experimentações com cinema de arquivo. Quaestio - Revista de Estudos em Educação, [S.l.], v.23, n. 1, p.83-111, 2021.

OLIVEIRA JR, W. M. de. Fotografias, geografias e escola. Signos Geográficos, v.1, p. 1-15, 2019.

OLIVEIRA JR, W. M. Tropas de imagens partilham o (não) saber geográfico: territórios contestados de poder. Punto Sur, v. 2, p. 5-19, 2020.

Downloads

Publicado

2024-04-30

Como Citar

AMORIM, S. de; CHAVES, A. P. N. A casa como território brincante: sobre a produção de fotografias e filmagens na pandemia da COVID-19. Revista Triângulo, Uberaba - MG, v. 17, n. 1, p. 97–115, 2024. DOI: 10.18554/rt.v17i1.7466. Disponível em: https://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/revistatriangulo/article/view/7466. Acesso em: 12 jul. 2024.