A experimentação audiovisual como modo de capturar corporeidades

Autores

  • Juliana Carvalho Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Ivaine Maria Tonini
  • Raphaela de Toledo Desiderio

DOI:

https://doi.org/10.18554/rt.v17i1.7353

Palavras-chave:

Geografia da Educação, Experimentação audiovisual, Docência na pandemia.

Resumo

Ao compreender experimentação audiovisual como uma expressão artística em que se aposta em testar técnicas, formas e modos na condução de um processo fílmico, capturamos corporeidades produzidas pela vivência da docência em Geografia durante o Ensino Remoto Emergencial (ERE) que se estabeleceu pela pandemia da Covid-19. Tendo como direção metodológica a cartografia de Deleuze e Guattari na investigação dos caminhos da criação, identificamos marcadores dos descolamentos do fazer docente durante o contexto pandêmico e examinamos linhas de composições. Dado que as possibilidades de fazer experiências do cinema com o viés de quem pensa e faz educação tem suas potencialidades, exploramos territórios, unimos pistas e aproximamos fronteiras. Inspiradas em modos de cine-geografar capturamos, a partir de linhas de fuga, nuances do cotidiano de uma professora de Geografia, em seu corpo-múltiplo em experenciação com novas formas de se docenciar que emergiram durante a pandemia.

Biografia do Autor

Juliana Carvalho, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Licenciada em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Concluiu mestrado no Programa de Pós-Graduação em Geografia, na linha de Ensino de Geografia, da mesma Universidade. Pesquisa na área do Ensino em Geografia, com ênfase em Estudos Culturais, mídias e múltiplas linguagens na prática pedagógica em Geografia. Atualmente é doutoranda na linha de ensino em Geografia no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), cursa uma Especialização em Educação Socioambiental pelo Programa de Pós-Graduação da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UEGRS) no polo de Tapes (RS) e atua em projetos de pesquisa sobre múltiplas linguagens no ensino de Geografia e projetos ligados ao Audiovisual nas escolas.

Referências

BARROS, Laura P.; KATRUP, Virgínia. Cartografar é acompanhar processos. In: PASSOS, Eduardo; DA ESCOSSIA, Liliana; KASTRUP, Virginia (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015.

BEHAR, Patricia Alejandra. O Ensino Remoto Emergencial e a Educação a Distância. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2020. Disponível em: https://www.ufrgs.br/coronavirus/base/artigo-o-ensino-remoto-emergencial-e-a-educacao-a-distancia/. Acesso em: 12 jan. 2024.

COSTA, Luciano Bedin da. Cartografia: uma outra forma de pesquisar. Revista Digital do LAV. vol.7, p. 66-77. maio/ago. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/revislav/article/view/15111/pdf_1. Acesso em: 18 jan. 2024.

COSTA, Luciano B. da; AMORIM, Alexandre Sobral Loureiro. Uma introdução a teoria das linhas para a cartografia. Atos de Pesquisa em Educação. Vol. 14, n. 3, p. 912-933. 2019. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/204115. Acesso em: 24 jan. 2024.

DELEUZE. Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia – vol 1. Tradução Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.

DELEUZE. Gilles; GUATTARI, Féliz. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia – vol 3. Tradução Aurélio Guerra Neto, Ana Lúcia de Oliveira, Lúcia Cláudia Leão e Suely Rolnik. Rio de Janeiro: Editora 34, 1996.

FERREIRA, Débora Schardosin. Cine-geografar a escola: um Currículo Geográfico a partir do lugar. Tese (Doutorado em Geografia) - Instituto de Geociências, Programa de Pós-graduação em Geografia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2019.

FERREIRA, Débora Schardosin; TONINI, Ivaine Maria. Há uma escola como lugar em período de pandemia? Revista Ensaios de Geografia, Niterói, v. 5, n. 10, p. 27-32, jul. 2020.

FÓRUM NICARÁGUA (MIGLIORIN, C.; GARCIA, L.; PIPANO, I.; RESENDE, D.). A Pedagogia do Dispositivo: Pistas para Criação com Imagens. In: LEITE, C.; OMELCZUK, F.; REZENDE, L. A. (Org). Cinema-Educação: políticas e poéticas. Macaé: NUPEM, 2021.

GESTRADO/UFMG. Grupo de Estudos sobre Política Educacional e Trabalho Docente da Universidade Federal de Minas Gerais. Trabalho docente em tempos de pandemia. Relatório técnico, 2020.

GUATTARI, Félix. E ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes. 1996.

KASTRUP, Virginia. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. In: PASSOS, Eduardo; DA ESCOSSIA, Liliana; KASTRUP, Virginia (Org.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015.

MASSEY, Doreen. A mente Geográfica. GEOgraphia, Niterói, Universidade Federal Fluminense, v.19, n. 40, maio/ago. 2017.

MOROZOV, Evgeny. Big tech: a ascensão dos dados e a morte da política. São Paulo: Ubu, 2018.

OLIVEIRA JR., Wenceslao. M. Vídeos, resistências e geografias menores: linguagens e maneiras contemporâneas de resistir. Terra Livre, v. 1, n. 34, 2010. Disponível em: https://publicacoes.agb.org.br/index.php/terralivre/article/view/316. Acesso em: 24 jan. 24.

PAES, Bruno Teixeira; FRESQUET, Adriana. Algumas reflexões sobre a pandemia, as visibilidades, a velocidade e suspensões possíveis em uma experiência audiovisual docente. Educação Temática Digital [on line], vol. 24. 2022. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/pdf/etd/v24n1/1676-2592-etd-24-1-0053.pdf. Acesso em: 28 jan. 24.

Downloads

Publicado

2024-05-01

Como Citar

CARVALHO, J.; TONINI, I. M.; DE TOLEDO DESIDERIO , R. . A experimentação audiovisual como modo de capturar corporeidades. Revista Triângulo, Uberaba - MG, v. 17, n. 1, p. 241–260, 2024. DOI: 10.18554/rt.v17i1.7353. Disponível em: https://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/revistatriangulo/article/view/7353. Acesso em: 12 jul. 2024.