O regime enunciativo na prova de redação do ENEM

Autores

  • Luana Aparecida Matos Leal Fernandes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Norte de Minas Gerais - IFNMG Universidade Federal de Uberlândia - UFU
  • Carmen Lucia Hernandes Agustini Universidade Federal de Uberlândia - UFU

DOI:

https://doi.org/10.18554/rs.v10i1.5043

Palavras-chave:

Escrita, regime enunciativo, redação ENEM.

Resumo

Neste artigo, problematizamos o funcionamento da argumentação na prova de redação do ENEM. Para tanto, analisamos, sob a perspectiva teórica de Emile Benveniste, a proposta de redação do ENEM 2016, bem como uma produção textual escrita. Assumimos que a argumentação na redação do ENEM compreende, para além da defesa de um ponto de vista, por meio do manejo da língua escrita e da mobilização de certo repertório, uma elaboração textual em função do regime enunciativo instituído na e pela proposta de redação da prova. Esse regime está relacionado aos textos motivadores que determinam a orientação argumentativa do texto a ser produzido. Na análise, mostramos que a argumentação nessa prova está marcada por uma injunção coercitiva que imprime diretrizes a serem observadas no texto produzido, a fim de que este seja bem avaliado. Assim, argumentar na prova de redação do ENEM não é “defender seu ponto de vista”, mas o ponto de vista implicado no regime enunciativo estabelecido na e pela prova.

Biografia do Autor

Luana Aparecida Matos Leal Fernandes, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Norte de Minas Gerais - IFNMG Universidade Federal de Uberlândia - UFU

Professora de Língua Portuguesa no Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - IFNMG/Campus Salinas

Mestre em Memória: Linguagem e Sociedade - UESB

Doutoranda em Estudos Linguísticos - UFU

Carmen Lucia Hernandes Agustini, Universidade Federal de Uberlândia - UFU

Doutora em Linguística pela Unicamp e docente no Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da
Universidade Federal de Uberlândia/UFU

Referências

AGUSTINI, Cármen Lúcia Hernandes; LEITE, João de Deus. (2018). Dos relatos reflexivos do Estágio Supervisionado em Língua Portuguesa: a questão do regime enunciativo. In: Signum: Estudos da Linguagem, Londrina, v. 21, n. 3, p. 346-366, dez. 2018.

BENVENISTE, Émile. (1970). O aparelho formal da enunciação. In: BENVENISTE, Émile. Problemas de Linguística Geral II. 2.ed. Tradução de Eduardo Guimarães et.al. Campinas: Pontes Editores, 2006, p. 81-90

BENVENISTE, Émile. Últimas aulas no Collège de France (1968 e 1969). Tradução Daniel Costa da Silva et al Paris: 1.ed. São Paulo: Editora Unesp, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. INEP. Redação no ENEM 2016. Cartilha do Participante, Brasília, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. INEP. Redação no ENEM 2017. Cartilha do Participante, Brasília, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio) – Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília: Secretaria de Educação Média e Tecnológica, 2000. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/14_24.pdf. Acesso em: 06 Set. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. PCN+ Ensino Médio: Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais – Linguagens, Códigos e suas tecnologias. Brasília: Secretaria de Educação Média e Tecnológica, s/d. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/linguagens02.pdf. Acesso em: 06 Set. 2019.

COSTA E SILVA, Carmem Luci; ENDRUWEIT, Magali Lopes. O oral e o escrito sob o viés enunciativo: reflexões metodológicas. In: ReVEL, v. 9, n. 16, 2011. Disponível em: http://www.revel.inf.br/files/artigos/revel_16_o_oral_e_o_escrito_sob_o_vies_enunciativo.pdf. Acesso em: 25 Ago. 2020.

Downloads

Publicado

2021-07-22