A REATUALIZAÇÃO DO MITO DE MEDEIA EM EURÍPIDES, OVÍDIO E SÊNECA

Autores

  • João Batista Toledo Prado Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara
  • Isabela Siqueira Cordeiro Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara
  • Livian Maria de Souza Barbosa Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara

DOI:

https://doi.org/10.18554/it.v14iEspecial.5532

Palavras-chave:

Mitologia clássica, Medeia, Eurípides, Ovídio, Sêneca

Resumo

Porque é uma criação do homem e para o homem, o mito representa uma realidade sagrada e verdadeira que reflete, segundo o Roland Barthes de Mitologias (1989), as características sócio-históricas da sociedade em que ele tem existência e, uma vez estabelecido como prática religiosa e cultural, tem também a capacidade de adquirir novos significados que se renovam a cada uso sem esgotar seu discurso primeiro. Por isso, o presente trabalho tem como objetivo contextualizar o processo da reatualização mítica, com base nos estudos de Mircea Eliade, de Mito e Realidade (1986), observando como tal fenômeno ocorre desde a Antiguidade Clássica, a partir da delimitação do campo de observação na esfera das obras clássicas greco-latinas, uma vez que o mito na Antiguidade tinha valor sacro e, embora tenha tido variados graus de adesão, também era experimentado como instância viva e concreta. Assim sendo, a  presente investigação toma em estudo o mito de Medeia, a fim de compreender os aspectos que o constroem e constituem tanto em uma epístola de Ovídio contida n’As Heroides, como nas tragédias homônimas de Eurípides e Sêneca, levando em consideração como o contexto sócio-histórico desencadeia o processo de reatualização mítica, e o modo com que o gênero literário concretiza esse movimento.


Biografia do Autor

João Batista Toledo Prado, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara

Professor Doutor do Departamento de Linguística, Literatura e Letras Clássicas (DLLLC),  na área de Letras Clássicas da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Letras, coordenador do Grupo de Pesquisa PoMA (Poética e Metrica na Antiguidade).

Isabela Siqueira Cordeiro, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara

Graduanda em Letras e bolsista de Iniciação Científica UNESP- Reitoria, do Departamento de Linguística, Literatura e Letras Clássicas (DLLLC), na área de Letras Clássicas, da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara, membro do Grupo de Pesquisa PoMA (Poética e Metrica na Antiguidade).

Livian Maria de Souza Barbosa, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara

Graduanda em Letras e bolsista de Iniciação Científica UNESP- Reitoria, do Departamento de Linguística, Literatura e Letras Clássicas (DLLLC), na área de Letras Clássicas, da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara, membro do  Grupo de Pesquisa PoMA (Poética e Metrica na Antiguidade).

Referências

ADKINS, L.; ADKINS, R. A. Handbook to Life in Ancient Rome. Nova Iorque: Oxford University Press, 1998.

ALBRECHT, M. V. Historia de la Literatura Romana. Trad. Dulce Estefanía e Andrés Pociña Pérez. Barcelona: Herder, 1997, vol. 1.

ALBRECHT, M. V. Historia de la Literatura Romana. Trad. Dulce Estefanía e Andrés Pociña Pérez. Barcelona: Herder, 1999, vol. 2.

ARISTÓTELES. Poética. Trad. Eudoro de Souza. Lisboa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1994.

ARMSTRONG, K. Breve história do mito. Trad. Celso Nogueira. São Paulo: Companhia das Letras, 2005;

ALMEIDA, J. P. B. A. R. O Divino nos Sofistas e em Eurípides. Coimbra: [s.n.], 2015. Tese de Doutorado. Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 2015. Disponível em: http://hdl.handle.net/10316/28688. Acesso em: 07 jan. 2020.

BOYD, B. W. Nescioquid maius: Gender, Genre, and the Repetitions of Ovid’s Medea. Dictynna. [S.I]. p.1-22. 2019. Disponível em: https://journals.openedition.org/dictynna/1962#quotation. Acesso em: 07 jan. 2020.

BARTHES, R. Mitologias. Trad. Rita Buongermino e Pedro de Souza. Rio de Janeiro: Bertrand, 1989.

BRANDÃO, J. S. O teatro grego: origem e evolução. Rio de Janeiro: Tarifa Aduaneira-Editora, 1980.

CARDOSO, Z. A. A Literatura Latina. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

CHAUÍ, M. Convite à filosofar. São Paulo: Editora Ática, 2000.

DE CARLI, E. A Espacialidade no Teatro de Sêneca: um estudo sobre As Troianas e Agamêmnon. Tese de Doutorado. Faculdade de Ciências e Letras - UNESP, Araraquara, 2008.

ELIADE, M. Mito e Realidade. Trad. Pola Civelli. São Paulo: Perspectiva, 1986.

EURÍPIDES. Medeia. Trad. Trajano Vieira. São Paulo: Editora 34, 2010.

FOUCAULT, M. A escrita de si. In.: O que é um autor? Trad. Antônio Fernando Cascais e Eduardo Cordeiro. Rio de Janeiro: Vega, 1992.

GRIMAL, P. O amor em Roma. Trad. Hildegard Fernanda Feist. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

__________. Dicionário de Mitologia Grega e Romana. Trad. Victor Jabouille. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1993.

GOUVÊA-JÚNIOR, M. M. Variae Medeae: A Recepção da fábula de Medeia pela Literatura Latina. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG, Belo Horizonte, 2013. Disponível em: http://hdl.handle.net/1843/ECAP-956LZX. Acesso em: 5 fev. 2020.

LESKY, A. A Tragédia Grega. Trad. J. Guinsburg, Geraldo Gerson de Souza e Alberto Guzik. São Paulo, Perspectiva, 1996.

MUHANA, A. O gênero epistolar: diálogo per absentiam. Discurso, n. 31, p. 329-346, 9 dez. 2000. Disponível em: revistas.usp.br/discurso/article/view/38043. Acesso em: 6 fev. 2020.

OVÍDIO. XII Medea Iasoni. In: OVID. Heroides. Trad. Marcel Prévost; Texte Établi. Henri Bornecque. Paris: Société d’édition (Les Belles Lettres), 1928, p. 70- 78.

PENHA, J. Períodos Filosóficos. [S.I]: Ática, 2000.

PIRATELI, M. A.; PEREIRA MELO, J. J. A arte dramática de Sêneca e sua função educativa. In: XII Jornada de Estudos Antigos e Medievais, n. 1, 2013. Anais. Maringá: 2013, p. 1-21. Disponível em: http://.ppe.uem.br/jeam/anais/2013/pdf/41.pdf. Acesso em: 07 jan. 2020.

POMEROY, S. B. Goddesses, Whores, Wives, and Slaves: Women in Classical Antiquity. Nova Iorque: Schocken Books, 1975.

REDFIELD, J. O homem e a vida doméstica. In: VERNANT, J.-P. O Homem Grego. Trad. Maria Jorge Vilar de Figueiredo. Lisboa: Presença, 1994, p. 145-171.

REZENDE, A. M. Rompendo o silêncio: a construção do discurso oratório em Quintiliano. Tese de Doutorado - Universidade Federal de Minas Gerais. Programa de Pós Graduação em Estudos Linguísticos, 2009. Disponível em: http://hdl.handle.net/1843/ALDR-7U8PNU. Acesso em: 19 jan. 2021.

ROMILLY, J. De. A Tragédia Grega. Trad. Leonor Santa Bárbara. Lisboa: Edições 70, 2008.

SANTOS, G, C. Arte, imitação e exercício nas Epistulae ad Caesarem. Tese de Doutorado - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8143/tde-08012013-154723/pt-br.php. Acesso em: 27 fev. 2021.

SEGA, G.; TAPPI, O. Versioni latine: Avviamento alla traduzione. Itália: Scandicci, 1986.

SÉNÈQUE. Medea. In: __________. Tragédies. Tradução e revisão de Léon Herrmann. Paris: Belles Lettres, 1924.

SOUSA, A. A. A. S. Introdução. In: SÉNECA, Medeia: tradução do latim, introdução e notas de Ana Alexandra Alves de Sousa. [S.I]. Imprensa da Universidade de Coimbra, 2013, p. 9-16. Disponível em: https://digitalis-dsp.uc.pt/jspui/bitstream/10316.2/2420/7/S%c3%a9necaMedeia.pdf?ln=pt-pt. Acesso em: 20. ago. 2021.

STEVENS, J. A. The Chorus in Senecan Tragedy: the uninformed informer. Tese de Doutorado. Duke University, Durham, 1992. Disponível em: https://www.academia.edu/3610975/The_Chorus_in_Senecan_Tragedy_The_Uninformed_Informer. Acesso em: 28 jan. 2020.

VANSAN, J. A variação na elegia latina: um olhar sobre a epístola "de Penélope a Ulisses” das Heroides de Ovídio. Cadernos de Pós-Graduação em Letras, v. 16, n. 1, 10 ago. 2016. Disponível em: http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgl/article/view/9533. Acesso em: 8 jan. 2020.

VERNANT, J.P; VIDAL-NAQUET, P. Mito e Tragédia na Grécia Antiga. Trad. Anna Lia A. de Almeida Prado. São Paulo: Perspectiva, 1999.

VEYNE, P. A Elegia Erótica Romana: o amor, a poesia e o Ocidente. Trad. Milton Meira do Nascimento e Maria das Graças de Souza Nascimento. São Paulo: Brasiliense, 1985.

VIEIRA, H. O. D. O furor no Hércules furioso de Sêneca: estudo e tradução. Tese de Doutorado. Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2013. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/11668?locale=pt_BR. Acesso em: 27 mai. 2021.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

PRADO, J. B. T.; CORDEIRO, I. S.; BARBOSA, L. M. de S. A REATUALIZAÇÃO DO MITO DE MEDEIA EM EURÍPIDES, OVÍDIO E SÊNECA. InterteXto, Uberaba, v. 14, n. Especial, p. 268–301, 2021. DOI: 10.18554/it.v14iEspecial.5532. Disponível em: https://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/intertexto/article/view/5532. Acesso em: 4 out. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS DOSSIÊ "Um panorama do estudo do latim no Brasil"

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)